Com maestria, Eliud Kipchoge leva ouro e o bicampeonato na maratona

Mais Lidas

Veterano favorito na maratona, recordista mundial e, agora, bicampeão olímpico: assim o queniano Eliud Kipchoge sela sua passagem pelos Jogos de Tóquio e encerra com chave de ouro mais uma edição do maior evento esportivo do planeta, marcada pela diversidade, inclusão e, claro, muita polêmica.

+ Queniana Peres Jepchirchir leva ouro em maratona marcada por calor

+ Brasileira perde chance de medalha na marcha atlética após infração

+ Guia das Olimpíadas: tudo sobre a maratona em Tóquio

A prova mais tradicional e antiga das Olimpíadas foi especialmente desafiadora por conta das altas temperaturas do verão japonês. Realizada nas ruas de Sapporo, a competição colocou à prova os lados físico e emocional dos homens mais resistentes e preparados da modalidade, e sem trégua.

O brasileiro Daniel do Nascimento, por exemplo, fazia uma excelente prova e chegou a liderar o pelotão; mas quando passava de metade do percuso, na quarta colocação, acabou vencido pelo calor e pelo cansaço.

Muito abatido, chegou a parar por alguns segundos, aparentando tontura e fraqueza, mas insistiu e voltou à pista em seguida. Entretanto, cerca de cinco minutos mais tarde, no quilômetro 26, com 1h21min de prova, precisou parar definitivamente, abandonando a prova e o sonho olímpico no Japão.

Outras baixas foram comuns durante todo o percurso, e a estabilidade com que o campeão Kipchoge se manteve durate toda a corrida foi impressionante: com um misto de velocidade, estratégia e resistência física, ele conduziu o pelotão humano com maestria e calma, até se afastar do grupo e cruzar isolado a linha de chegada, em um tempo de 2h08m38s.

A prata e o bronze acabaram definidos em uma fração de segundos, com um sprint final do holandês Abdi Nageeye e uma arrancada do belga Bashir Abdi, que fecharam o pódio à frente de Lawrence Cherono, queniano que vinha bem, mas acabou na quarta posição.

Kipchoge, que já era o recordista mundial e também estava já na lista dos melhores de todos os tempos, consegue reforçar, com esse resultado, sua lendária participação na maratona nos Jogos de Tóquio, ao tornar-se no terceiro bicampeão da história, ao lado das lendas Abebe Bikila e Waldemar Cierpinski.

-Publicidade-

Últimas Notícias