É ouro! Isaquias Queiroz é campeão olímpico na canoagem em Tóquio

Mais Lidas

Enfim o ouro. Demorou alguns anos para Isaquias Queiroz subir ao lugar mais alto do pódio em uma Olimpíada. O caminho foi duro, com perdas importantes, alguns tropeços, mas o baiano, da cidade de Ubaitaba, se manteve focado, mostrou muita garra, força e determinação para conquistar o sonho dourado. E ele veio nos Jogos Olímpicos de Tóquio, com a vitória no C1 1.000m. A prata ficou com chinês Hao Liu e o bronze com Serghei Tarnovschi, da Moldávia.

Leia mais

+ Grande nome da canoagem, Isaquias Queiroz quer fazer história no Japão

+ Guia das Olimpíadas: tudo sobre a canoagem de velocidade em Tóquio

+ ‘Tô na raiva, com vontade de ganhar’, desabafa Isaquias Queiroz

“Eu estou meio aéreo, é diferente ganhar uma medalha de ouro. Estou mais feliz por deixar os brasileiros felizes. Tô meio sem acreditar no que aconteceu”, vibrou Isaquias Queiroz. “A gente realiza um sonho que o Jesus (técnico da canoagem brasileira que morreu em 2018) queria, que era ser campeão olímpico”, dedicou o brasileiro.

Na final, Isaquias Queiroz travou um duelo com o chinês Hao Liu, mas faltando 250m para a linha de chegada, começou a abrir vantagem, deixou o adversário para trás, venceu com autoridade e conquistou o ouro.

“Isso é um presente para toda família brasileira, que passou por muitos desafios ao longo desses anos. Covid, vários familiares morrendo por causa dessa doença. Dedico essa medalha a cada família que perdeu um ente querido também”, disse Isaquias.

 

Com a conquista no Japão, Isaquias chega a quatro medalhas olímpicas (ouro em Tóquio-2020, duas pratas e um bronze na Rio-2016), e se iguala a Gustavo Borges, da natação, e Serginho, do vôlei. Além de ficar a uma medalha dos maiores medalhistas olímpicos do Brasil, Torben Gral e Robert Scheidt, ambos da vela, que possuem cinco medalhas cada.

Atual campeão mundial do C1 1.000m, Isaquias Queiroz chegou a Tóquio mostrando confiança na conquista do ouro em duas provas (C1 1.000m e C2 1.000m). Com Jacky Godmann, substituto do lesionado Erlon de Souza, Isaquias Queiroz terminou na quarta colocação no C2 1.000m e ficou fora do pódio, frustrando seu planos iniciais.

Caminho para o ouro

Apesar de tentar valorizar o quarto lugar no C2, Isaquias não escondeu a decepção com o resultado. Mas o único brasileiro da história dos Jogos Olímpicos a conquistar três medalhas em uma edição, deu a volta por cima em grande estilo.

Com ‘sangue nos olhos’, Isaquias Queiroz iniciou a disputa no C1 1.000m deixando seus concorrentes para trás e terminou a prova em primeiro com o melhor tempo das eliminatórias, se classificando direto às semifinais.

Na semifinal, o brasileiro voltou a brilhar e venceu novamente com certa tranquilidade. E na final, o resultado não podia ser diferente a não ser a medalha de ouro.

Recorde

Com o ouro de Isaquias Queiroz, na canoagem velocidade, o Brasil quebra o recorde histórico de medalhas em Olimpíadas e chegará a 21 pódios. Apesar de estar com 17 no quadro de medalhas, o Brasil tem mais quatro garantidas, duas que virão das finais do boxe masculino e feminino, uma da final do futebol masculino e uma da final do vôlei feminino. Resta saber se serão ouro ou prata.

Últimas Notícias