Alpinista norueguesa escala Everest e Lhoste no mesmo dia e pode bater recorde de Purja

Por Redação

A alpinista norueguesa Kristin Harila está a caminho de quebrar o recorde de velocidade de Nirmal Purja que subiu as 14 montanhas do mundo acima de 8.000 metros em 189 dias - Foto: reprodução instagram

A alpinista norueguesa Kristin Harila está a caminho de quebrar o recorde de velocidade de Nirmal Purja que subiu as 14 montanhas do mundo acima de 8.000 metros em 189 dias.

Na sexta-feira, Harila, de 36 anos, alcançou o cume do Makalu, com 8.700 metros, menos de uma semana depois de ter escalado o Monte Everest e o Lhotse, de 8.800 metros, de uma só vez. Desde abril, em apenas 29 dias, a alpinista já escalou seis dos picos mais altos do mundo.

“Foi uma luta. O tempo piorou, mas não tinha como voltar atrás”, disse Harila em um post nas redes sociais. “Estou cansada, mas muito feliz.”

De acordo com Explorersweb.com , Harila subiu os seis picos dois dias mais rápido do que Purja em 2019. Para apoiar a sua jornada, ela escolheu a empresa guia 8K Expeditions e subiu Makalu com os guias Dawa Songchu Sherpa e Pasdawa Sherpa.

Leia mais

+ A história das pioneiras do Monte Everest

+ O que acontece com seu corpo quando você escala o Everest

+ Quanto custa escalar o Everest 2022: veja gastos detalhados

A expedição da norueguesa marca o primeira tentativa séria ao recorde de Purja, que foi estabelecido há três anos. Antes da expedição do nepalês, o recorde era do alpinista sul-coreano Kim Chang-Ho, que há sete anos, alcançou o feito de escalar todas as 14 montanhas do mundo acima de 8.000 metros em 310 dias. 

O recorde de Purja o levou ao reconhecimento internacional e, em 2021, um documentário narrando sua expedição foi ao ar na Netflix. O alpinista tornou-se uma celebridade no Nepal e usou sua fama para encorajar outros montanhistas nepaleses a liderar suas próprias expedições em altas montanhas. 

Buscar recordes de tempo nos picos de 8.000 metros requer amplo planejamento, além do grande investimento financeiro. Os montanhistas embarcam em helicópteros para transportá-los de um acampamento base para o outro, evitando assim os dias ou às vezes semanas de trekking entre as montanhas. Os alpinistas também usam oxigênio suplementar para acelerar a subida. 

Além disso, a jornada requer um pouco de sorte. Purja completou sua expedição antes da pandemia se alastrar pela Ásia. No entanto, a China ainda não abriu suas fronteiras para alpinistas estrangeiros, e dois dos picos – Cho Oyu, com 7.800 metros, e Shishapangma, com 8.335 metros – ficam em território chinês.

Harila está voando entre as montanhas de helicóptero e usando oxigênio suplementar em suas escaladas, assim como fez Purja para estabelecer seu recorde.

A norueguesa é uma ex-esquiadora de cross-country de elite e entrou no cenário internacional do montanhismo em 2021, quando se tornou a mulher mais rápida a atravessar o cume do Everest até o topo do Lhotse. Naquela altura, ela completou a aventura em menos de 12 horas.

No início desta semana ela foi além e terminou o percurso em 8 horas e 35 minutos. Contando a ida e a volta, sua escalada completa do Everest Camp IV até os dois cumes durou 28 horas.

-Publicidade-