Especial montanhismo: a história das pioneiras do Monte Everest

Por Alison Osius, da Outside USA

Monte Everest
Junko Tabei, Phanthog e Wanda Rutkiewicz. Foto: Reprodução / Isabelle Agresti.

Esta foto captura o encontro histórico das três primeiras mulheres a escalar o Monte Everest. Juntas, sorrindo. Todas já se foram.

Tirada por Isabelle Agresti, uma alpinista francesa, a imagem é de agosto de 1979 em Chamonix. Junko Tabei, do Japão, Phanthog, do Tibet, e Wanda Rutkiewicz, da Polônia, foram convidadas naquele verão por Henri Agresti, um guia da ENSA (L’École Nationale de Ski et d’Alpinisme) que dava aulas para aspirantes a alpinistas.

Em 1976, Henri e Isabelle fizeram parte de uma equipe que tinha a missão de estabelecer uma nova rota até o Monte Foraker, no Parque Nacional Denali, e os dois fizeram a primeira subida da montanha Koh-e-Rank, no Afeganistão, em 1968.

As ilustres visitantes falaram consecutivamente durante três noites. “Esta foto delas sorrindo retrata uma das melhores horas do encontro”, disse Henri Agresti anos depois em uma entrevista.

Leia mais

+ Um ano do cume da primeira mulher negra e latino-americana no Everest

+ O que acontece com seu corpo quando você escala o Everest

+ Quer encarar uma alta montanha? Veja por onde começar

Junko Tabei no Pico do Comunismo, em 1985.

Junko Tabei, professora de piano e mais tarde autora e conservacionista, escalou o Everest em 17 de maio de 1975. Ela nasceu no Japão na pobreza do pós-guerra. Pequena e frágil como muitas de sua geração, nunca deveria crescer mais do que 1,60m. Ainda assim, resistiu ao rótulo de “fraca” e, aos 10 anos, participou de uma excursão escolar para escalar um vulcão, evento que mudou sua vida.

Tabei tinha 35 anos e era mãe de uma menina de 3 anos, de quem o marido cuidou em casa (mais tarde tiveram outro filho), quando escalou o Everest. Enquanto o Monte Everest é sua grande conquista, ela passou a escalar, de acordo com seu site, 13 picos com mais de 7.000 metros.

Ela também alcançou a montanha mais alta de cerca de 60 ou 70 países, uma aventura igualmente impressionante logisticamente. Tabei se tornou uma ativista, limpando o Everest e ajudando as vítimas do terremoto e tsunami de 2011 em seu país natal. A alpinista, que inspirou uma geração de meninas e mulheres, teve sua morte lamentada em todo o mundo ao falecer de câncer em 2016, aos 77 anos.

Seu livro de memórias, Honoring High Places: The Mountain Life of Junko Tabei, foi publicado em inglês em 2017. Em uma revisão no site American Alpine Club, Shannon O’Donoghue Child escreveu sobre o “cativante… reconhecimento recorrente e apreciação daqueles ao seu redor, incluindo seu marido, cujo apoio inabalável foi notável para a época, assim como outras mulheres alpinistas.”

Quase desconhecida – embora pudesse facilmente ter sido diferente – para os alpinistas de hoje é Phanthog (também conhecido como Phantog e, em chinês, Pan Duo), que escalou a montanha apenas 11 dias depois, sendo a primeira mulher a fazê-lo do lado tibetano. Nascida em uma família tibetana rural pobre, ela começou a fazer trabalhos manuais aos 8 anos, após a morte de seu pai, para ajudar sua mãe a sustentar a família.

“Eu tinha que carregar de 30 a 35 quilos de mercadorias pelas estradas sinuosas do Himalaia por mais de dez horas todos os dias quando eu tinha 13 anos”, disse ela em uma antiga entrevista. Aos 20 anos, trabalhando em uma fábrica, ela foi escolhida para a equipe chinesa de montanhismo com base em sua condição física e força. Ela também escalou os 24.636 pés do Muztagata, nos Pamirs, em 1959.

Na subida do Everest, ela tinha 37 anos e três filhos. “Naquela época, decidi chegar ao topo. Fiz isso em nome de minhas 400 milhões de irmãs chinesas para provar que nós mulheres podemos fazer o mesmo que nossos companheiros do sexo masculino.” No cume, ainda fez um eletrocardiograma de sete minutos, sem resultados incomuns.

Ela foi citada no site Outside USA dizendo: “As mulheres chinesas têm uma vontade forte; dificuldades não podem nos parar. Subimos o pico mais alto do mundo; nós realmente seguramos metade do céu.” Após a escalada, ela perdeu três dedos do pé por congelamento.

Nos anos seguintes à escalada, ela foi eleita cinco vezes delegada do Congresso Nacional do Povo. Se mudou com o marido para sua cidade natal de Wuxi, província de Jiangsu, China, e trabalhou como vice-diretora da Comissão de Esportes e Cultura Física.

Phanthog carregou a bandeira olímpica no estádio nas Olimpíadas de Pequim em 2008. No ano seguinte, aos 70 anos, ela foi homenageada na cerimônia 60 Anos, 60 Lendas no Centro Nacional de Esportes Olímpicos de Pequim. Ela morreu em 2014, aos 75 anos, de causas relacionadas a diabete.

Wanda Rutkiewicz. Foto: Seweryn Bidziński.

A grande escaladora Wanda Rutkiewicz tornou-se a terceira mulher – e a primeira polonesa, homem ou mulher – a escalar o Everest, em 16 de outubro de 1978. Ela tinha 35 anos na época e dez anos depois também tornou-se a primeira mulher a escalar o K2. Wanda escalou oito dos 14 picos de 8.000 metros do mundo antes de sua morte, em Kanchenjunga, em 1992. Se ela tivesse escalado, ela teria sido a primeira mulher a subir as três montanhas mais altas do mundo. Ela tinha 49 anos na ocasião.

Em 1974, Rutkiewicz estava nos Pamirs, da União Soviética, para escalar o Pico do Comunismo quando pegou um helicóptero até o acampamento base para uma reunião internacional de alpinistas. Lá conheceu Arlene Blum, de Berkeley, Califórnia, para falar sobre a organização de uma expedição de mulheres.

Frustrada pelo tratamento desigual em uma expedição dominada por homens, ela lideraria várias viagens só de mulheres (Blum lideraria uma ascensão feminina ao Annapurna em 1978). Rutkiewicz, Krystyna Palmowska e Anna Czerwinska escalaram o Nanga Parbat em 1985, a primeira equipe feminina a fazê-lo; Liliane Barrard, da França, havia sido a primeira mulher a escalá-la, com seu marido, Maurice, no ano anterior. Rutkiewicz estava com os Barrards no K2, esperando por eles no cume. O casal acabou morto na descida.

Em Kanchenjunga, Rutkiewicz escalou na companhia do alpinista mexicano Carlos Carsolio. De acordo com o site Everesthistory.com, os dois partiram às 3h30 do acampamento a 7.950 metros, e Carsolio chegou ao topo após cerca de 12 horas sob neve profunda. Descendo, ele entrou na pequena caverna onde estava Rutkiewicz, a cerca de 8.200 ou 8.300 metros, e falou com ela. Wanda disse que pretendia acampar e tentar chegar ao topo no dia seguinte.

Ele disse à revista Climbing anos depois: “Eu não poderia dizer a ela para não subir. Não diretamente. Eu disse a ela, Wanda, está muito frio, a subida demora, o mau tempo está chegando. Mas eu não disse a ela, Wanda, pare, desça comigo. Não tive coragem de impedir o seu sonho. Eu sabia que mesmo que ela estivesse arriscando sua vida, a decisão era dela.” Ele desceu mais e esperou por dois dias, mas ela nunca voltou ou foi encontrada.

Wanda era uma pessoa determinada, contundente e exigente consigo mesma e com os outros, mas em outros momentos calorosa e bem-humorada. Como Agata Szostkowska, filha de uma editora de filmes na Polônia, escreveu em Communications-Unlimited (da Europa Oriental): “Minha mãe e eu nos lembramos dela como uma mulher muito gentil e educada. E muito viva.”

Em Savage Summit: The True Stories of the First Five Women to Climb K2, Jennifer Jordan cita Rutkiewicz depois do K2: “Foi puro êxtase estar no cume”. A historiadora do Himalaia Elizabeth Hawley escreveu no American Alpine Journal: “Wanda Rutkiewicz entrará para a história como uma das grandes figuras do montanhismo”.

-Publicidade-