Isaquias Queiroz e Jacky Godmann ficam fora do pódio na canoagem velocidade

Mais Lidas

Os brasileiros Isaquias Queiroz e Jacky Godmann não conseguiram conquistar a medalha na prova C2 1.000m na canoagem velocidade, na Olimpíada de Tóquio-2020, terminaram na quarta colocação e ficaram fora do pódio.

Leia mais

+ Quanto vale uma medalha olímpica? Em alguns países, atletas podem embolsar mais de R$ 3 milhões pelo ouro

+ Racismo: diretor de ciclismo alemão é mandado embora após ofensa nas Olimpíadas

+ Olimpíadas: conheça as cidades que já sediaram o evento

Prata na Jogos Olímpicos do Rio em 2016 na mesma prova, Isaquias lutou muito em busca da quarta medalha olímpica, mas ela não veio. O canoísta ainda volta a competir na C1 1.000m e é um dos favoritos. No Rio, Isaquias também conquistou a prata nessa categoria, além do bronze no C1 200m, que foi retirada do programa olímpico.

“Queríamos a medalha, mas para a gente que treinou pouco tempo, um quarto lugar é uma boa colocação. Mas queríamos mais. Não é nem pela prova que eu falo que íamos brigar por medalha, é pelo nosso treino e esforço. A gente sabia que tinha 4 ou 5 barcos brigando por medalha. Sabíamos que estávamos bem, nos dedicamos ao máximo, brigamos até o final”. disse Isaquias.

 

A dupla brasileira chegou a ficar em terceiro nos 250m, mas não manteve o ritmo e foi superada pelos adversários. A medalha de ouro ficou com os cubanos Serguey Torres Madrigal e Fernando Jorge, que cruzaram a linha de chegada com o tempo de 3min24s995. Foi a primeira vez na história, que uma equipe não-europeia levou o ouro no C2 1.000m.

A dupla chinesa Hao Liu/Pengfei Zheng foi prata e os alemães Sebastian Brendel/Tim Hecker ficaram com o bronze. Brendel havia sido ouro no Rio.

Ainda tem mais uma chance

Isaquias chegou confiante em Tóquio, com a intenção de ganhar dois ouros, mas na primeira oportunidade não conseguiu e ficar fora do pódio foi frustrante. Agora, fica a expectativa para a prova individual.

“Não veio dessa vez, mas iremos sentar, avaliar tudo e continuar o planejamento pensando em Paris 2024. Lá vai ser diferente, a prova vai ser curta, Paris vai ser 500m. Mas agora não é hora de pensar nisso, agora é a hora de virar a chave e focar no C1 1000m daqui a dois dias”, comentou Isaquias, que vai atrás da quarta medalha olímpica.

Para Tóquio-2020, Isaquias perdeu seu parceiro Erlon de Souza, lesionado no quadril, e teve apenas quatro meses de treino com o jovem Jacky Godmann. Antes da Olimpíada, a dupla disputou apenas duas provas juntos.

“São meus primeiros Jogos Olímpicos. A gente estava bem, um pouco sem visão do adversário, mas não conseguimos nos impor. Demos o nosso máximo, mas não veio a medalha olímpica. Estou muito feliz de estar aqui. Treinamos para isso, mas infelizmente não veio”, disse Jacky.

-Publicidade-

Últimas Notícias