Girmay desiste do Giro devido a hemorragia no olho causada por rolha de prosecco

Frederico Dreier da Outside USA

Foto: screenshot vídeo

Biniam Girmay fez história ao se tornar o primeiro africano a vencer uma prova do Giro D’Itália na última terça-feira. No entanto, a comemoração no pódio não terminou de forma feliz e acabou por tirá-lo da competição seguinte.

+ Entenda como serão definidas as vagas olímpicas de mountain bike para Paris-2024

+ Cicloturismo: como se preparar para sua primeira viagem de bike

+ 4 destinos para pedalar e surfar no mesmo dia

Durante o ‘ritual’ de honra aos vencedores de corridas de bicicleta, as autoridades entregaram ao ciclista uma garrafa de prosecco, mas quando Girmay abriu a garrafa, a rolha voou o atingiu no olho esquerdo. Imagens de vídeo mostraram ele esfregando o rosto de dor após o acidente. 

 Logo após o pódio, Girmay se dirigiu a um hospital próximo, onde os médicos confirmaram que ele havia sofrido uma hemorragia no olho. Dessa forma, o ciclista foi forçado a abandonar a corrida antes do início da 11ª etapa de hoje. 

“Para minimizar o risco de expansão da hemorragia e da pressão intraocular, é altamente recomendável evitar atividade física”, disse Piet Daneels, médico da equipe do Intermarché-Wanty-Gobert de Girmay, a repórteres hoje cedo. “Nossa prioridade é a cura completa da lesão, e é por isso que decidimos junto com o piloto e a direção esportiva que Biniam não fará a largada da 11ª etapa.”

Jornalistas de ciclismo disseram à Outside que esta é provavelmente a primeira vez que um ciclista abandona a turnê italiana devido a uma lesão facial sofrida por uma rolha voadora. No entanto, a bebida do pódio já levou a outros contratempos. No início desta temporada, o holandês Mathieu van der Poel foi atingido no pescoço por uma rolha depois de abrir uma garrafa de champanhe, mas não se feriu com o impacto. 

Abrir champanhe, prosecco ou outro álcool borbulhante no pódio é um costume antigo no ciclismo. De acordo com a Cyclingnews , os funcionários do Giro d’Italia estão considerando a retirada das rolhas antes da cerimônia para evitar contratempos futuros. 

O infeliz incidente não ofusca o mérito de Girmay na história do ciclismo. Desde 1903, ano inaugural do Tour de France, a esmagadora maioria dos vencedores de etapas dos três Grand Tours – Tour de France, Giro d’Italia e Vuelta a España – eram brancos e de descendência europeia.

O país natal de Girmay, a Eritreia, na África Oriental, tem uma tradição de corridas de bicicleta, o que ajudou a sustentar sua ascensão; em março, ele se tornou o primeiro ciclista negro a vencer uma clássica corrida, o Gent-Wevelgem da Bélgica.

-Publicidade-