Adrian Ballinger se torna o 1º alpinista a descer o Makalu de esqui

Por Ben Ayers, da Outside USA

Makalu esqui
Foto: Griffin Mims / instagram alpinista

O alpinista Adrian Ballinger acaba se tornar o primeiro alpinista a completar a primeira descida de esqui registrada do verdadeiro cume do Makalu. O pico tem 27.766 pés e é a quinta montanha mais alta do mundo.

+ Nirmal Purja, o nepalês que escalou as 14 maiores montanhas do mundo em 189 dias

+ Primeiro grupo norte-americano negro a subir o Everest chega ao cume e faz história!

https://hardcore.com.br/4-destinos-para-pedalar-e-surfar-no-mesmo-dia/+ 4 destinos para pedalar e surfar no mesmo dia

Ao lado dos sherpas de escalada Dorji Sonam e Pasang, eles chegaram ao topo da montanha na segunda-feira às 9h, em meio a condições desafiadoras de neblina.

Após Dorji Sonam fixar as cordas no cume exposto e técnico que determinava o fim da montanha, aequipe foi a primeira a chegar ao cume do Makalu este ano.

No entanto, Ballinger não passou muito tempo no topo. Depois de descansar por cerca de dez minutos para tirar algumas fotos, ele desceu o cume exposto, passou por um grupo de alpinistas subindo, colocou os seus esquis e os apontou para baixo.

Como sabemos, nas missões de aventuras do montanhismo de alta altitude, os alpinistas de elite estão sempre procurando novas maneiras de estabelecer recordes e ultrapassar os limites. Ballinger acredita que esquiar nos picos altos apresenta o desafio final.

“Desde criança o esqui é minha paixão mais profunda como ser humano”, disse ele à Outside. “E como escalar picos de 8.000 metros é meu talento e carreira, a combinação dos dois foi muito natural para mim.”

Depois de marcar a primeira descida do verdadeiro cume de Manaslu (26.781 pés) em 2011, Balligner esquiou Cho Oyu (26.864 pés) duas vezes. Ele também se aventurou em tentativas frustradas de esquiar no Lhotse e no Monte Everest, a 27.940 pés. No caso do Makalu, Ballinger também já havia tentado esquiar por lá em 2012 e 2015.

“Makalu é aquele lugar que nunca saiu de mim, porque é uma montanha muito técnica”, disse Ballinger. “É tão grande. É tão rochoso e corpulento. E até ontem, era um dos dois únicos picos de 8.000 metros que ainda não tinham visto uma descida de esqui.”

A jornada incluiu uma mistura de esqui, travessia e rapel. Enquanto Ballinger esquiava do cume, ele caiu em uma seção perigosa chamada French Couloir e seguiu uma linha íngreme até o topo de uma rocha também íngreme de 180 pés. Lá ele teve que consertar uma corda, remover seus esquis e rapel. Depois de navegar pelo penhasco, Ballinger esquiou até o acampamento 3, esculpindo a neve compacta.

Dessa forma, ele parou no acampamento para esquentar os pés e tomar café e depois partiu para percorrer o trecho mais perigoso da rota: o Makalu La que separa o acampamento 3 do acampamento 2.

Enquanto descia aquela seção, Ballinger passou por cerca de 25 alpinistas e sherpas que se dirigiam para o cume.

“Decidi ficar relativamente perto da linha de escalada porque a corda me deu um ponto de referência para encontrar o caminho para descer”, disse Ballinger. “Foi muito divertido passar por muitos desses caras – alguns estavam muito empolgados, alguns estavam tipo ‘isso é loucura!’, e alguns estavam tipo ‘por favor, pegue as cordas!’”

Abaixo do acampamento 2, a rota em Makalu é menos exposta, então Ballinger conseguiu esquiar até o pé de gelo da montanha. “Não foi uma boa esquiada, mas foi ótimo esquiar”, disse ele.

Ballinger tirou seus esquis a aproximadamente 19.000 pés. Ele esquiou mais de 8.000 pés verticais, com cerca de 200 pés de rapel e os 50 pés iniciais de descida. Segundo o alpinista e esquiador, a descida foi mais difícil do que ele esperava devido à rigidez da camada de neve.

“Acabou sendo mais esqui de alta consequência do que eu queria”, disse. “Mas o fato é que eu só tive que tirar meus esquis por 60 metros e, com base na aparência rochosa e técnica da montanha e da reputação que ela tem, fiquei muito empolgado.”

Ballinger é diretor da Alpenglow Expeditions, empresa de guia de montanha com sede na Califórnia, e não foi a única pessoa a perseguir um recorde em Makalu na segunda-feira. Seus companheiros de equipe Karl Egloff e Nicolas Miranda estabeleceram o tempo mais rápido conhecido para subir a montanha sem oxigênio suplementar. Dessa forma, eles escalaram do acampamento base avançado até o cume em 17 horas e 18 minutos, o que se acredita ser o novo recorde. A dupla completou a viagem de ida e volta do acampamento base ao cume e de volta ao acampamento em 26 horas.

“Chegamos ao acampamento base exaustos, fisicamente destruídos, mas felizes!” escreveu Egloff no Instagram .

-Publicidade-