Ucrânia pede proibição de alpinistas russos nos Himalaias

Por Ben Ayers, da Outside USA

Ucrânia pede proibição de alpinistas russos nos Himalaias | Go Outside
Foto: Shutterstock

Na semana passada, funcionários da embaixada da Ucrânia em Nova Délhi escreveram uma carta à embaixada do Nepal na Índia pedindo ao país que proíba todos os alpinistas russos de entrar no Nepal até que a Rússia termine sua invasão da Ucrânia. A Outside USA recebeu uma cópia da carta, e um funcionário do Consulado da Ucrânia com sede em Katmandu confirmou a legitimidade da correspondência.

+ Primeira ucraniana a escalar o Everest luta na guerra contra a Rússia
+ Em apoio à Ucrânia, Strava suspende operações na Rússia e Bielorrússia

“Içar sobre as sagradas e divinas montanhas nepalesas a bandeira russa-símbolo do estado diretamente responsável por assassinatos implacáveis ​​em massa na Ucrânia é uma questão de profunda preocupação moral”, diz a carta.

A embaixada ucraniana também encaminhou a carta ao conselho de turismo do Nepal, ao ministério do turismo e à associação de montanhismo. As duas últimas agências supervisionam a permissão para alpinistas que desejam escalar o Monte Everest e os outros picos do Himalaia do país.

Kul Prasad Ghimire, presidente da associação de montanhismo do Nepal, disse à Outside USA que ainda não estava ciente da carta. Mas Ghimire disse que o pedido da Ucrânia para bloquear alpinistas russos pode forçar as autoridades nepalesas a tomar uma decisão complicada. Embora muitas autoridades possam se opor à guerra, as agências do Nepal dependem da receita gerada pelos alpinistas visitantes. A Rússia historicamente enviou várias equipes de alpinistas ao Nepal para a temporada de montanhismo.

“Esta é uma questão difícil, porque ninguém gosta de guerra”, disse Ghimire. “Também somos contra a guerra, mas esta é a época dos negócios no Nepal. Simplesmente não podemos banir viajantes de um país inteiro por causa de sua posição política”.

Embora as equipes esportivas e os atletas russos tenham sido impedidos de participar de diversas competições internacionais, incluindo eventos de escalada indoor organizados pela Federação Internacional de Escalada Esportiva, o pedido para limitar a participação no montanhismo do Himalaia é diferente. O montanhismo não tem um órgão regulador como o Comitê Olímpico Internacional (COI) ou Liga dos Campeões da UEFA, que pode proibir os atletas de participar. Em vez disso, os alpinistas obtêm acesso por meio de licenças de escalada e pagando para participar de expedições.

A embaixada ucraniana não está sozinha em seu pedido: a alpinista da Ucrânia Irina Galay pediu recentemente à comunidade de montanhismo nas mídias sociais para colocar na lista negra alpinistas russos ao lado do slogan #NoPeaceNoClimb.

“Enquanto a guerra for continuada pelo povo russo, pelo governo russo e pelo presidente russo, todos os russos devem ser parados e proibidos de ter o privilégio de escalar”, escreveu Galay, que é a primeira mulher ucraniana a escalar o Monte Everest e o K2.

A carta da embaixada ucraniana vem logo após a decisão do Nepal de votar a favor de uma resolução da ONU que censura a invasão da Ucrânia pela Rússia. Os países vizinhos Índia e China se abstiveram da votação.

A economia da montanha

Ainda não se sabe se o Nepal vai escolher honrar o pedido. A indústria do turismo do Nepal espera uma recuperação este ano, após dois anos de baixo número de visitas em meio à pandemia. Em 2021, o Himalayan Database, um grupo que rastreia dados de montanhismo no Nepal, registrou 49 alpinistas russos e 19 ucranianos em picos acima de 26.000 pés.

Pelo menos uma equipe russa ainda planeja escalar o Monte Everest. O site Explorersweb conversou com o alpinista russo Alex Abramov, que opera uma empresa de orientação chamada 7 Summits Club. Abramov disse que está avançando com uma expedição ao Monte Everest nos próximos meses com dez alpinistas russos.

Mingma Gelu Sherpa, diretor de uma empresa de orientação nepalesa chamada Seven Summit Club, disse à Outside USA que se opõe à guerra na Ucrânia. Ainda assim, ele diz que os benefícios econômicos para os guias nepaleses superam os sentimentos negativos em relação ao conflito.

“Não temos uma palavra a dizer sobre o que está acontecendo entre seus países”, disse Mingma. “O que precisamos é que os clientes venham aqui para que os nepaleses possam ter empregos.”

A invasão da Ucrânia pela Rússia já está pressionando financeiramente as empresas de montanhismo do Nepal. Nivesh Karki, gerente geral da empresa de expedição nepalesa Pioneer Adventure, que faz negócios regulares com clientes ucranianos, disse que uma equipe de 20 alpinistas da Ucrânia cancelou recentemente os planos de escalar o Everest, Annapurna, Makalu, Lhotse e Kanchenjunga.

Outros 60 ucranianos cancelaram uma expedição de trekking, disse ele, assim como clientes da Bielorrússia, Polônia, Moldávia e Hungria.

Sem fim para a violência à vista, Karki teme que a guerra possa reduzir futuras expedições – especificamente aquelas que atraem alpinistas russos e ucranianos para a mesma montanha. “Se a guerra se prolongar, terá um impacto duradouro na indústria de expedições”, disse ele. “Os alpinistas ucranianos e russos terão que escalar em uma única corda em algum momento – se não este ano, então nos próximos.”

-Publicidade-