Primeira ucraniana a escalar o Everest luta na guerra contra a Rússia

Por Frederick Dreier, da Outside USA

Primeira ucraniana a escalar o Everest luta na guerra contra a Rússia | Go Outside
Imagem: Reprodução

A primeira mulher ucraniana a chegar no topo do Everest agora se junta à guerra contra a Rússia em seu território:

+ Em apoio à Ucrânia, Strava suspende operações na Rússia e Bielorrússia
+ Gisely Ferraz é a segunda brasileira da história a atingir o cume do Fitz Roy

Vestida com uniforme militar marrom, Irina Galay se agacha sob uma parede de sacos de areia e sorri para a câmera. A alpinista ucraniana de 32 anos pede que seus compatriotas tenham esperança de que a invasão russa termine em breve.

“Não sei quando vai acontecer, mas sei que vai acontecer, porque é nossa terra”, diz Galay. “E não vamos entregá-la, nunca e a ninguém. Somos fortes e corajosos, e a continuação desta nação depende apenas de nós.”

O pequeno vídeo é um dos posts mais recentes na página do Facebook de Galay e fica ao lado de imagens dela no topo dos dois picos mais altos do mundo. Galay é uma das alpinistas mais famosas da Ucrânia; em 2016, ela se tornou a primeira mulher ucraniana a chegar ao cume do Monte Everest e, ano passado, ela se tornou a primeira mulher ucraniana a escalar o K2.

Agora, a primeira ucraniana a escalar o Everest está defendendo seu país na guerra. Logo após o presidente russo Vladimir Putin invadir a Ucrânia em 24 de fevereiro, Galay se alistou nas forças de defesa territorial perto de sua cidade natal de Mukachevo, uma pequena cidade na fronteira ocidental do país com a Eslováquia.

“Graças à minha experiência nas montanhas, não tive medo de me alistar no exército”, disse Galay em uma recente troca de texto no Whatsapp. “Se eu fui corajoso o suficiente para escalar o K2, então devo aceitar meu destino e estar pronto para proteger minha casa.”

A mídia social de Galay mostra sua rápida mudança de alpinista e empreendedora – ela co-fundou uma marca de beleza – para patriota em tempo de guerra. Em janeiro, Galay estava nas montanhas nevadas dos Cárpatos oferecendo conselhos de segurança para expedições de inverno. No início de fevereiro, ela participou de um evento político organizado por Dymetro Razumkov, membro do parlamento da Ucrânia.

“Duas semanas atrás, eu tinha uma vida normal”, diz ela. “Eu tinha muitos eventos e projetos futuros. Eu vinha fazendo alguns discursos motivacionais sobre montanhas e preparando minha nova carreira política. Mas agora acordo com pesadelos todas as manhãs.”

Galay é uma de um número crescente de atletas e celebridades ucranianas que pegaram em armas para lutar pela Ucrânia contra os russos. O boxeador e duas vezes campeão olímpico Vasiliy Lomachenko está ajudando na defesa de Odessa, o lutador de artes marciais mistas Yaroslav Amosov disse a seus seguidores no Instagram que ele está na Ucrânia para lutar contra os russos, e o tenista Sergiy Stakhovsky também está lutando nas forças de defesa territoriais. Os atletas mais famosos da Ucrânia, campeões de boxe peso-pesado e irmãos Wladimir e Vitali Klitschko, estão lutando na defesa de Kiev.

Galay diz que considera sua mídia social parte de seu trabalho militar e agora transmite mensagens e vídeos patrióticos para 86.000 seguidores no Instagram e 14.450 no Facebook. Em um vídeo recente no Instagram, ela documentou ucranianos enchendo coquetéis molotov em uma praça ao ar livre. Outra imagem no Facebook mostra ela em pé, ombro a ombro com os outros membros armados de sua unidade.

“Todos os dias, desde a primeira luz do sol até tarde da noite, aprendemos a proteger nosso país”, diz ela. “Tento motivar as pessoas através das redes sociais mostrando o exemplo, além de ajudar meus amigos no exterior a entender melhor o que está acontecendo na Ucrânia.”

Devido à guerra, a primeira ucraniana a escalar o Everest também quer que a comunidade internacional de montanhismo bloqueie os russos das altas montanhas.

“Espero que os russos não tenham permissão para se aproximar de nenhuma montanha este ano”, diz Galay. “Espero que eles não possam hastear a bandeira de seu país em nenhuma montanha do mundo.”

Esse pedido pode ser difícil de realizar. O alpinismo não tem um órgão regulador como o Comitê Olímpico Internacional ou a União das Associações Europeias de Futebol, que recentemente baniram os russos das competições. Para escalar o Monte Everest ou outros picos altos, um alpinista deve obter uma licença de escalada emitida por um governo nacional e subir as montanhas com outros alpinistas ou garantir um lugar em uma expedição guiada.

-Publicidade-