Quase 100 kg e 122 ovos: pesquisadores revelam a maior píton já capturada na Flórida

Por Redação

píton
Foto: Reprodução / USA Today.

Uma equipe de biólogos da Flórida (EUA) capturou a maior píton birmanesa já descoberta no estado.

A gigantesca serpente fêmea, considerada uma espécie invasora na Flórida, media quase 6 metros de comprimento e pesava 97 kg.

Leia mais

+ Vídeo de cobra engolindo outra cobra impressiona a web; assista

+ EUA: Urso é sacrificado após atacar criança de 3 anos em camping

+ Strava lança novo recurso para esportes em trilhas

A cobra foi capturada em dezembro passado nos Everglades após uma luta de 20 minutos com biólogos, mas os pesquisadores deixaram a cobra em um freezer até abril e só revelaram a descoberta nesta quinta-feira (23).

Durante uma necropsia, descobriu-se que a cobra tinha 122 ovos se desenvolvendo em seu abdômen – quebrando outro recorde para a maioria dos ovos que a píton fêmea pode produzir em um ciclo reprodutivo, de acordo com a conservação.

“Núcleos de casco” encontrados dentro do estômago da cobra indicavam que um cervo de cauda branca foi a última refeição da fera antes de ser capturada. O cervo é a principal fonte de alimento para a pantera da Flórida ameaçada de extinção.

“A remoção de pítons fêmeas desempenha um papel crítico na interrupção do ciclo de reprodução desses predadores que estão causando estragos no ecossistema de Everglades e retirando fontes de alimentos de outras espécies nativas”, disse Ian Bartoszek, biólogo da vida selvagem e gerente de projetos de ciências ambientais do Conservação. “Esta é a questão da vida selvagem do nosso tempo para o sul da Flórida.”

Até o momento, a organização removeu mais de 1.000 pítons em uma área de 100 milhas quadradas no sudoeste da Flórida.

“Esses esforços são significativos para cumprir nossa missão de proteger o ambiente natural único e a qualidade de vida do sudoeste da Flórida, reduzindo o impacto geral sobre nossas populações nativas de vida selvagem”, acrescentou Bartoszek.

Os biólogos capturaram a píton por meio de um programa de pesquisa exclusivo que usa transmissores de rádio implantados em cobras “escoteiras” masculinas para levar os biólogos a locais de reprodução onde “fêmeas grandes e reprodutivas” podem ser removidas para impedir que os ovos eclodam na natureza.

“Como você encontra a agulha no palheiro? Você pode usar um ímã e, de maneira semelhante, nossas cobras escoteiras machos são atraídas pelas maiores fêmeas ao redor”, disse Bartoszek.

-Publicidade-