Se sentir cansado o tempo todo, como escreve nosso colunista, vem em dois sentidos muito diferentes, e consertar cada um requer uma abordagem completamente diferente

Uma das minhas clientes de coaching, que chamarei de Jenny, é uma empresária de 39 anos. Ultimamente, ela tem lutado contra o cansaço, nada muito grave, mas uma sensação geral de exaustão ou, em suas palavras, “não está se sentindo tão forte e enérgica como eu gostaria”. A primeira solução que vem à mente é simples: descansar. Mas e se ela tentar descansar e ainda se sentir lenta?

A situação de Jenny não é incomum. Ilustra o que passei a considerar a diferença entre dois tipos de fadiga, que dão a sensação de estar cansado o tempo todo:

  1. Quando seu sistema mente-corpo está realmente cansado, ou o que chamarei de fadiga real.
  2. Quando seu sistema mente-corpo está induzindo você a se sentir cansado porque está em uma rotina, ou o que chamarei de fadiga falsa.

É importante diferenciar essas duas sensações, porque a resposta que cada uma requer não poderia ser mais diferente. O primeiro apela para desligar as coisas e descansar. Este último exige que você se impulsione na direção da ação, não levando a sensação de exaustão muito a sério, mas, ao contrário, trabalhando para sair dela.

Quando se trata de fadiga física, pode ser mais fácil discernir os dois. Isso ocorre porque o feedback tende a ser mais objetivo – seus músculos ficam doloridos, sua frequência cardíaca aumenta ou a velocidade com que você corre (ou o peso que você levanta) diminui. Para uma fadiga mais generalizada e predominantemente psicológica, no entanto, faltam essas métricas claras. Isso significa que você precisa sentir o caminho para a resposta certa.

Leia Mais:
+ Cansaço excessivo? Veja 12 possíveis motivos
+ 7 alimentos que dão mais energia e diminuem o cansaço

De modo geral, o custo de superar a fadiga real é maior do que o custo de concordar com a fadiga falsa. Pegar duro por muito tempo e ultrapassar os limites pode resultar em esgotamento, o que a pesquisa mostra que pode levar muitos meses – e em casos graves, anos – para reverter. A aposta mais segura, então, é tratar o início da exaustão como se fosse fadiga real. Tire um dia de folga, ou alguns. Durma um pouco mais. Desconecte-se dos dispositivos digitais. Se você puder, passe um tempo na natureza. Reexamine sua rotina normal e, se algo parecer confuso, faça ajustes. Se você fizer tudo isso e ainda sentir mal-estar, vale a pena ver o que acontece se você se impelir com firmeza para a ação.

Um exemplo extremo de fadiga “falsa” é a exaustão que acompanha a depressão. Seu cérebro está fazendo tudo que pode para induzi-lo a ficar na cama o dia todo, quando a melhor coisa para sair do ciclo seria levantar e ir embora, ou o que os psicólogos chamam de “ativação comportamental”, que é um padrão-ouro tratamento para depressão. Isso não quer dizer que as sensações de letargia, entorpecimento e torpor não sejam reais – são e podem ser bastante paralisantes. Mas essas sensações, pelo que sabemos, não são orgânicas, não são causadas por falta de sono, dispêndio de recursos fisiológicos ou algo de errado no corpo, por exemplo. Se estivessem, agir pioraria a situação. Mas, como  pesquisa mostra, com depressão, agir – especialmente quando apoiado por terapia – tende a tornar a situação melhor.

Esse tipo de fadiga falsa acontece em menor escala o tempo todo. Por exemplo, cerca de oito meses atrás, adiei o início de meu próximo grande projeto de redação. Eu me senti cansado! Então eu descansei. E descansou um pouco mais. Após cerca de três semanas nisso, com a ajuda do meu próprio treinador, decidi me forçar a apenas começar. Três dias depois, eu estava em um ótimo ritmo de escrita que durou mais de um mês. Mais descanso só teria aprofundado a rotina. Eu precisava trabalhar para sair disso.

Leia Mais:
+ Como o cansaço mental afeta o seu desempenho físico
+ Dormir ou fazer exercício: qual é mais importante?

Há mais uma camada de nuance aqui, e é importante. Às vezes, quebrar o ciclo de estar cansado o tempo todo requer a combinação de ambas as estratégias acima. Você pode estar sentindo um cansaço real e, portanto, precisa descansar. Mas depois de uma semana de descanso, seu sistema mente-corpo pode estar recuperado, mas ainda preso à inércia de não fazer nada. Nesse ponto, a estratégia muda. Nos esportes, é por isso que tantas pausas terminam com alguns esforços curtos e intensos. Estudos mostram que esses esforços despertam o corpo e o colocam de volta em ação.

Sua melhor aposta é pensar em controlar a sensação de estar cansado o tempo todo como uma prática contínua. Com o tempo, se você prestar muita atenção em como se sente, o que faz em resposta e o que ganha com isso, você se tornará melhor em diferenciar entre fadiga real e falsa. O primeiro passo é aprender que nem todas as sensações de fadiga significam a mesma coisa. Para aqueles acostumados a sempre lutar contra a exaustão, talvez você precise de um pouco mais de descanso. Para aqueles acostumados a sempre descansar, talvez você se beneficie de uma mentalidade mais simples, “o humor segue a ação ”. Pense nessas abordagens como duas ferramentas. Há uma hora e um lugar para cada um.

Brad Stulberg (@Bstulberg) é um coach de desempenho e escreve a coluna Do It Better da Outside USAEle também é o autor do best-seller The Passion Paradox e Peak Performance .

-Publicidade-