O ‘barato da corrida’ – aquela sensação de euforia e ansiedade reduzida que você sente após o exercício – não é causado diretamente pelas endorfinas. De acordo com uma nova pesquisa do University Medical Center Hamburg-Eppendorf, a sensação é causada por endocanabinóides, moléculas produzidas naturalmente pelo corpo, que agem de forma semelhante à cannabis.

Os pesquisadores descobriram isso medindo diferentes compostos químicos enquanto os participantes caminhavam e corriam em uma esteira.

Leia Mais:
Corrida como antidepressivo: entenda como correr pode ajudar
Como a meditação melhorou a corrida destes 3 atletas

Mesmo quando os participantes tiveram seus receptores opióides bloqueados, o que significa que as endorfinas não poderiam ter qualquer impacto em seus cérebros, eles ainda experimentaram o mesmo barato da corrida.

O estudo mostra que essas moléculas de canabinóides podem ter um grande impacto sobre a ansiedade e o humor, mesmo quando nosso corpo as produz naturalmente.

Pesquisas anteriores relacionaram esse valor alto às endorfinas, também conhecidas como “substâncias químicas que fazem você se sentir bem” porque elas impedem o corpo de sentir dor. As endorfinas são um tipo de opióide, moléculas que se comportam de forma semelhante à oxicontina ou morfina.

Entretanto, nos últimos anos, os cientistas descobriram que outro tipo de molécula que ocorre naturalmente também desempenha um papel importante. Esses são os endocanabinóides, ou eCBs.

O que são os endocanabinóides

O nome semelhante não é apenas uma coincidência. Os eCBs agem de forma semelhante aos canabinóides – moléculas normais encontradas na cannabis. Eles podem causar euforia e reduzir a ansiedade, mas também regular o corpo de outras maneiras que os cientistas ainda estão trabalhando para entender.

Este novo estudo segue pesquisas anteriores que os pesquisadores alemães fizeram em ratos. Nesse estudo anterior, a redução da ansiedade que os ratos experimentaram após o exercício estava ligada aos eCBs, não às endorfinas.

Os pesquisadores apontam que os eCBs podem facilmente passar da corrente sanguínea para o cérebro devido à sua estrutura molecular, tornando mais fácil para eles influenciar o cérebro durante o exercício.

As endorfinas, por outro lado, têm uma estrutura diferente e não podem se cruzar tão facilmente.

Para replicar seu estudo com camundongos, os pesquisadores recrutaram 63 pessoas que correm regularmente ou fazem outros exercícios de resistência.

Metade desses participantes recebeu naltrexona, uma droga que bloqueia os receptores opióides – o que significa que as endorfinas não seriam capazes de afetar seu cérebro durante o exercício.

Leia Mais:
Porque os atletas estão trocando ibuprofeno por canabidiol
Estas serão as maiores tendências de saúde de 2021

A atividade neuroquímica para cada pessoa no estudo foi medida duas vezes: uma durante a corrida e outra durante a caminhada.

Os pesquisadores mediram a composição química do sangue de cada corredor antes e depois de se exercitarem. Eles também pediram aos participantes que registrassem como estavam se sentindo, usando escalas padronizadas para avaliar os níveis de ansiedade.

Além disso, em uma medição menos padronizada, os pesquisadores perguntaram a cada corredor se eles haviam experimentado o que eles descreveriam como a sensação de êxtase de um corredor.

Depois de correr, os participantes mostraram aumento da euforia e diminuição da ansiedade, indicadores padrão do ‘barato da corrida’. Não houve diferença significativa entre o grupo do bloqueador opioide e o grupo do placebo, o que significa que as endorfinas não tiveram impacto.

Em vez disso, os pesquisadores encontraram níveis mais elevados de eCBs. Assim como nos ratos de seu estudo anterior, esses corredores estavam naturalmente ficando altos à medida que se exercitavam.

No entanto, este estudo ainda é preliminar. É difícil provar cientificamente que os eCBs estão causando o barato da corrida quando você não pode ver o que acontece quando os eCBs não são capazes de impactar o cérebro.

Ainda assim, esta pesquisa fornece um argumento bastante sólido de que os endocanabinóides, e não as endorfinas, estão nos deixando ‘chapados’ enquanto corremos.

-Publicidade-