Olimpíadas: Líder do snobowboard alemão teme manipulação de testes de Covid

Por Redação

Líder do snobowboard alemão teme manipulação de testes de Covid em Pequim | Go Outside
Foto: Shutterstock

O presidente da associação de snowboard da Alemanha (Snowboarding Germany), Michael Hoelz, disse duvidar de um fair play nos Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim, já que teme uma manipulação dos testes de Covid-19 para impedir a participação de atletas fortes. As informações são do Sydney Morning Herald.

+ Jogos de Inverno 2022: Tudo o que você precisa saber sobre as Olimpíadas de Pequim
+ Atletas são aconselhados a usar celulares descartáveis em Pequim nos Jogos de Inverno
+ Atletas poderão ser punidos por protestos nos Jogos de Pequim, afirma comitê

“Duvido que veremos fair play nas competições na China”, disse Hoelz em um podcast da Snowboarding Germany neste domingo (23). “É relativamente fácil com o teste, alguém pode dizer depois: ‘desculpe, foi um falso positivo’”.

Hoelz já foi um dos principais funcionários da Agência Nacional Antidoping da Alemanha (NADA) e disse que testes de doping costumavam ser usados ​​no passado para garantir que atletas importantes não participassem dos Jogos.

“Sabemos como o tema do doping é tratado em países com tais constituições… Uma comparação entre os testes de doping e Covid-19 é absolutamente necessária”, disse ele.

Hoelz disse que um treinador de snowboard alemão recebeu tratamento desumano depois de testar positivo durante os testes olímpicos na China em novembro. Mais tarde, foi informado que se tratava de um falso positivo.

Os comentários de Hoelz sobre a manipulação dos testes de Covid em Pequim foram feitos duas semanas depois que o diretor da divisão de esqui alpino da Associação de Esqui da Alemanha, Wolfgang Maier, expressou preocupações de que os testes na China estivessem sendo realizados quase “arbitrariamente” antes dos Jogos Olímpicos de Inverno.

As Olimpíadas de Inverno de Pequim começam no dia 4 de fevereiro e Pequim promete uma realização segura dos Jogos, com uma “bolha” em que os participantes devem permanecer para evitar a contaminação de Covid-19.

-Publicidade-