Incentivador do esporte brasileiro, João Paulo Diniz deixa grande legado ao universo outdoor

Por Redação

João Paulo Diniz em pedal pela Califórnia - Foto: reprodução/instagram joão paulo diniz

No último domingo (31), o Brasil se chocou com a notícia da morte súbita cardíaca do empresário e ex-atleta João Paulo Diniz, de 58 anos, filho do também empresário Abílio Diniz. Amante de triatlo desde 1980 e competidor de maratonas, ele foi um verdadeiro incentivador do esporte brasileiro e deixa um enorme legado a todo o universo outdoor.

Leia mais:

+ A hora da verdade: como se preparar para o seu primeiro triatlo

+ Quanto tempo é preciso para se preparar para uma maratona?

+ 4 destinos para pedalar e surfar no mesmo dia

Formado em administração e com passagens pela London Business School, João Paulo Diniz começou sua trajetória no varejo aos 21 anos, seguindo os passos de seu pai, mas logo direcionou uma enorme parte da sua atenção para algo que era sua verdadeira paixão: o esporte.

Dentre os grandes donos de patrimônios do país, era ele um dos que mais buscava contribuir para o desenvolvimento do esporte. Além de suas participações pessoais em diversas provas importantes de triatlo e maratona, ele também sempre esteve por trás do principal empreendimento privado de apoio ao esporte de alto rendimento no Brasil, o Núcleo de Alto Rendimento (NAR).

Localizado em São Paulo, em um centro esportivo da prefeitura paulistana, o local é referência em excelência em estudo, avaliação, prescrição de treinamento esportivo e capacitação de técnicos e preparadores físicos. Desde março de 2014, o NAR passou a ser mantido pelo Instituto Península, braço de investimento social da família Diniz.

No português claro, João Paulo Diniz era um dos nomes que garantia o financiamento, com recursos próprios e de parceiros, para diversos setores esportivos. A exemplo estão: o local de treinamento da seleção brasileira de rúgbi, além do patrocínio de alguns dos principais nomes do atletismo olímpico e paralímpico e atletas de outras modalidades.

O empresário também integrava o conselho gestor do Pacto pelo Esporte, um acordo privado e voluntário entre empresas patrocinadoras do esporte brasileiro, que tem como missão contribuir para uma gestão profissional transparente e eficiente. Há cerca de uma semana, ele esteve entre os responsáveis por lançar o braço latino-americano da SIGA, uma plataforma global de governança que se aliou ao Pacto pelo Esporte.

Além disso, é impossível ignorar o impacto do empresário no apoio a diversas modalidades olímpicas. O Grupo Pão de Açúcar, na época sob tutela da família Diniz e influência de João, incentivou a formação da primeira equipe olímpica de triatlo do Brasil, visando aos Jogos Olímpicos de Sydney 2000. Como se não bastasse, ainda nos anos 2000, ele também liderou o projeto do Instituto Live Wright, que bancou equipes brasileiras de ciclismo de pista e de ginástica artística, contratando para a Cegin, do Paraná, nomes de renome, como Jade Barbosa e Daniele Hypólito.

Atleta fascinado pelas provas de resistência, praticante de mountain bike, ski e diversas modalidades esportivas, João Paulo participou de grandes maratonas como as de Nova York, Paris e Londres, e foi um dos idealizadores da Maratona de Revezamento Pão de Açúcar, marco na história das corridas de participação em São Paulo e no Brasil. A partir dessa prova, diversas empresas passaram a incentivar seus funcionários a praticar esporte.

Nas redes sociais, ele compartilhava as conquistas esportivas nacionais, revelava sua paixão pelo esporte e incentivava seus seguidores a seguir um estilo de vida ativo e mais saudável.

-Publicidade-