Como as condições climáticas afetam a sua velocidade na corrida

Por Alex Hutchinson, da Outside USA

Como as condições climáticas afetam a sua velocidade na corrida
Foto: Shutterstock

Ninguém verifica as condições climáticas de forma mais obsessiva do que um maratonista com uma corrida se aproximando. Todos nós sonhamos com (como Martin Fritz Huber, da Outside USA, tão poeticamente colocou em uma coluna recente) “aquele coquetel meteorológico perfeito – temperaturas baixas na casa dos 10°C, tempo mais seco, um vento de cauda que magicamente o segue como um duende da floresta.”

+ Correr no frio faz mal? Veja riscos e como evitar problemas
+ Mitos e verdades sobre correr no calor
+ Correr na chuva faz mal? Veja dicas para uma corrida segura

Mas quais são os ingredientes precisos desse coquetel ideal? Tem havido muita pesquisa ao longo dos anos tentando determinar a melhor temperatura para correr, mas mesmo os maiores cientistas do mundo não chegaram a um consenso. Durante a primeira tentativa de Eliud Kipchoge em uma maratona de menos de duas horas em 2017, por exemplo, a temperatura inicial de 11,1 graus Celsius estava aparentemente muito quente de acordo com alguns cálculos, mas perfeita de acordo com os cientistas que organizaram a corrida. E quanto aos papéis da umidade, do vento e até da radiação solar?

Um novo estudo do Medicine & Science in Sports & Exercise, de um grupo liderado por Andreas Flouris, da Universidade da Tessália, na Grécia, tenta resolver todas essas questões de uma vez aplicando o aprendizado de máquina a um enorme banco de dados de quase um século de resultados de corridas. Os insights resultantes oferecem um guia surpreendentemente prático de quanto você pode esperar desacelerar em um determinado conjunto de condições climáticas adversas em uma corrida.

Os pesquisadores coletaram resultados de competições importantes de maratona, 10.000 metros, 5.000 metros e 3.000 metros com obstáculos, bem como os 50K e 20K de marcha atlética. Isso incluiu Olimpíadas, Campeonatos Mundiais, corridas da Diamond League e da World Athletics Gold Label e outros eventos dessa natureza desde 1936.

Registros meteorológicos precisos foram coletados para cada competição e os resultados para atletas de elite (três primeiros) e corredores bem treinados (25º, 50º, 100º e 300º lugares) foram comparados com o recorde do evento no momento da competição. Existem algumas limitações óbvias para essa abordagem: os tempos serão afetados por corridas táticas e outros fatores como altitude (por exemplo, nas Olimpíadas da Cidade do México em 1968). Mas, em um grande conjunto de dados, isso dá uma ideia de quanto o clima em um determinado ano afeta os tempos.

Os quatro principais elementos do clima eram temperatura do ar, umidade relativa, velocidade do vento e radiação solar (ajustada para cobertura das nuvens). Eles podem ser considerados de forma independente ou em índices compostos, como a temperatura de bulbo úmido (WBGT), que é uma média ponderada que fatora todos os quatro parâmetros.

Há um monte de análises matemáticas no estudo, usando diferentes abordagens (incluindo um método de aprendizado de máquina chamado decision tree regressor algorithm) para filtrar todos os dados e procurar padrões significativos. Não vou passar por tudo isso (a pesquisa é gratuita para ler online se você estiver interessado em ir mais fundo), mas há alguns destaques que quero mostrar.

Frequência da corrida em diferentes condições climáticas

A questão mais simples é com que frequência os atletas correm com tempo bom ou ruim. Usando as classificações existentes do World Athletics com base no WBGT, os pesquisadores descobriram que 27% das corridas estudadas ocorreram em condições frias, 47% em condições neutras, 18% em calor moderado, 7% em calor alto e 1% em calor extremo. Provavelmente, podemos esperar que o número de competições em calor desagradável aumente nos próximos anos, mas por enquanto isso significa que você tem cerca de 50% de chance de conseguir aquele coquetel meteorológico perfeito para qualquer corrida.

O algoritmo de aprendizado de máquina também ofereceu uma estimativa da importância de cada parâmetro do clima para o desempenho. Não surpreendentemente, a temperatura do ar foi o maior fator, obtendo uma “pontuação de importância do recurso” de 40%. Em seguida, veio a umidade relativa (26%), radiação solar (18%) e velocidade do vento (16%).

De acordo com um estudo que escrevi sobre no ano passado, isso sugere que a cobertura das nuvens é tão importante quanto a falta de vento para correr rápido. Isso obviamente depende de outros fatores também: a cobertura das nuvens é mais importante em um dia quente do que em um dia frio, ao passo que um vento contrário o deixará mais lento, independentemente da temperatura.

Temperatura ideal

Quanto ao ponto ideal meteorológico, a conclusão geral foi que um WBGT entre 7,5 e 15 graus Celsius é o melhor. Isso é interessante, porque as diretrizes da World Athletics consideram condições “neutras” como um WBGT entre 10 e 18 graus. Para correr rápido, as melhores temperaturas parecem ser um pouco mais baixas do que se pensava anteriormente. Se você se aventurar fora desta zona, espere desacelerar em cerca de 0,3 a 0,4% por grau de WBGT. Claro, poucos de nós têm fácil acesso às medições WBGT. Se você olhar apenas para a temperatura do ar, o ponto ideal está entre 10 e 15,5 graus Celsius, que é um pouco mais quente do que eu esperava.

No entanto, existem outras nuances se você olhar para eventos individuais. As corridas mais curtas parecem ser menos afetadas pelo calor: o pico WBGT para 5.000 metros é de 15 graus; para 10.000 metros é 10 graus; e para a maratona é de 7,5 graus.

(A marcha atlética é uma outra história: é um movimento menos eficiente do que correr, o que significa que uma fração maior da energia que você queima é perdida na forma de calor, o que se acredita ser o motivo da maioria dos episódios de indisposições provocadas pelo calor em competições de corrida de elite acontecerem com os corredores.)

Condições climáticas e corrida na prática

Finalmente, a parte prática. Aqui está uma tabela preparada pelos autores do estudo que mostra, para maratonistas em vários ritmos, o quanto você deve esperar desacelerar com base na temperatura do ar, WBGT ou índice de calor.

Imagem: Medicine & Science in Sports & Exercise

Esses cálculos são baseados em corredores de elite, que são diferentes de você e de mim. Eles correm rápido, o que gera uma tonelada de calor e pode favorecer as temperaturas mais amenas. Por outro lado, eles não carregam muito isolamento, o que pode predispô-los a preferir temperaturas mais quentes.

Dito isso, você pode fazer extrapolações aproximadas a partir deste gráfico: se as condições meteorológicas sugerirem que um maratonista de duas horas vai desacelerar em dois minutos, você pode estimar que um maratonista de quatro horas pode desacelerar em algo em torno de quatro minutos — mas tenha em mente que sua quilometragem pode variar.

-Publicidade-