É fácil ficar com inveja de seus amigos que estão sempre viajando. Mas há lados sombrios ao viajar sozinho

Por Liz Carlson*

Quando comecei a viajar há mais de dez anos, fui sozinha. Não porque era moda ou um desejo de “me encontrar”, mas sim porque eu simplesmente não tinha mais ninguém para ir comigo.

Hoje em dia você só precisa rolar pelo feed do Instagram por um minuto antes de ser inundado com selfies perfeitamente posadas no local perfeito na hora perfeita do dia. Estas imagens são claramente destinadas a enviar a mensagem de que a viagem individual é arrumada, com glamour e sem defeitos. Mas essas imagens cuidadosamente criadas não são reais. De dormir nos corredores de aeroporto abraçado em torno de suas malas para evitar que elas “sumam”, ficar doente e sem ninguém para recorrer…. Viajar sozinho é confuso, difícil e muitas vezes nem um pouco glamoroso. E isso é algo que os chamados influenciadores não gostam de falar. Não vende.

Mas todo aventureiro solo tem que lidar com essas duras realidades, e saber o que esperar é uma preparação muito melhor do que outro post do Instagram perfeitamente estilizado de um assento de avião de primeira classe do tamanho de uma canoa.

Talvez a pior parte de viajar sozinha é ficar doente. Alguém deveria inventar um Uber Eats para visitas de médicos e farmácias no exterior. Pois é horrível sair da cama até uma farmácia com infecção estomacal, em busca de medicamentos questionáveis, de alguém com quem você não consegue se comunicar no Sudeste Asiático. Você só sofre com isso uma vez antes de construir sua própria mini-farmácia para cobrir todos os tipos de doenças. Além disso, nada cria novas amizades como compartilhar seu estoque com um amigo de hostel que precisa desesperadamente de Imodium.

Outro fator que causa desastres ao viajar sozinho é simplesmente não ter alguém para te salvar em planos ariscados. Todos nós sabemos que boas decisões em nossas cabeças às vezes não têm base na realidade, e isso pode resultar em riscos, como: assumir que você pode dormir em um minúsculo aeroporto rural duas horas fora de Paris. Ou vagar pelos arredores da cidade quando o aeroporto fecha e você não tem nada além de uma grande mochila e um punhado de traficantes de droga para companhia. A solidão certamente entra em ação.

Embora eu seja uma introvertida orgulhosa, essa solidão pode doer. Eu sei o que você está pensando: Oh, Liz, é claro que a viagem solo fica solitária. Mas eu diria que isso não é exatamente verdade. Eu realmente faço amigos e conheço muito mais pessoas viajando sozinha do que eu faria de outra forma. Mas você tem que trabalhar para isso, e quando eu acho que tenho essa coisa de solo pregada, eu sou golpeada com outro lembrete da minha solidão, como quando meu sonho de mergulhar com tubarões requer no mínimo mais duas pessoas juntas. E nem me faça ir solteira em destinos românticos como as Maldivas. Mais de uma vez eu tive que atirar pétalas de rosa que estavam artisticamente dispostas em um coração na cama no chão. Pelo menos geralmente há uma garrafa inteira de champanhe para me fazer companhia.

Para mim, a solidão geralmente aparece quando eu saio para jantar. Cercado por grupos e casais, é um cenário tão social que muitas vezes você não pode deixar de sentir que se destaca. Para manter o isolamento à distância, geralmente trago um livro, mas também sorrio e faço contato visual com outros clientes amigáveis. Você pode se surpreender com a frequência com que as pessoas se envolverão em uma conversa com você de uma mesa próxima. Outra boa opção é jantar no bar. É um ímã para os viajantes individuais e, no mínimo, os bartenders são profissionalmente faladores.

Esse é um bom exemplo de como a solidão na estrada costuma ser uma escolha. Assim que você se colocar lá fora – participando de um pub crawl, inscrevendo-se para uma aula de culinária ou um tour gastronômico, fazendo couch surfing ou hospedando-se em um Airbnb ou hostel compartilhado – você imediatamente terá a chance de se conectar com novas pessoas. Algo fundamental é eliminado quando você só tem que confiar, e eu me encontrei mais capaz de me conectar com estranhos. Você apenas tem que estar aberto a isso, e estar sozinho é o melhor momento para se forçar a sair da sua zona de conforto, apesar do quão difícil possa parecer.

Isso é até você ser abordado por homens assustadores que fazem todo tipo de perguntas pessoais. Embora haja um milhão de maneiras de reduzir o risco, você sempre terá aquela voz cautelosa na parte de trás da sua cabeça avisando sobre o perigo quando se encontrar sozinha em uma situação desconfortável. Mais de uma vez eu tive que mentir, dizendo que o meu parceiro está no banheiro ou que está me esperando no hotel. E quando meu instinto aponta para uma pessoa, não penso duas vezes em ir embora o mais rápido que posso.

Mas no final do dia, entre os altos e baixos de viajar sozinha, os picos são muito maiores do que os ruins, e é uma experiência que vai te ensinar mais do que você pode imaginar. Apenas certifique-se de levar um remédio para diarreia extra no caso de comer algo duvidoso.

*Texto publicado originalmente na Outside USA.

-Publicidade-