Como a maternidade afeta o tempo de maratona?

Por Outside USA

Foto: shutterstock

Um novo estudo avalia como o parto alterou o tempo de maratona na carreira das maratonistas mais rápidas da história, com resultados animadores.

Alguns anos atrás, as corredoras patrocinadas pela Nike, Alysia Montaño e Kara Goucher , revelaram publicamente que seus salários foram reduzidos quando engravidaram. Allyson Felix também passou pela mesma questão e contou que a Nike lhe ofereceu um contrato com uma redução de 70% do seu salário depois da gravidez. “Engravidar”, disse a ex-corredora da Nike Phoebe Wright, “é o beijo da morte para uma atleta feminina”.

+ Como treinar para uma meia maratona em trilhas

+ Mulheres na maratona: dicas para as estreantes

+ Tênis de corrida: tudo o que você precisa saber

Há algumas questões básicas de certo e errado aqui. Mas há também algumas questões fisiológicas. É correto supor que, uma vez que uma mulher engravida, seus melhores dias atléticos ficaram para trás? Afinal, alguns pesquisadores consideram gerar um bebê é uma árdua façanha de resistência que se choca contra os limites humanos finais. Ou, inversamente, será que as atletas do sexo feminino realmente têm uma vantagem após o parto? Isso é o que outros especialistas propõem, apontando para mudanças duradouras nas habilidades cardiovasculares, como a quantidade de sangue que o coração pode bombear e aumentos potenciais na tolerância à dor.

O que precisamos são dados, e é isso que fornece um novo estudo no European Journal of Sport Science. Uma equipe de pesquisa liderada por Nicolas Forstmann, do Institute for Research in bioMedicine and Epidemiology of Sport e do National Institute of Sports Expertise and Performance, na França, analisa as trajetórias de carreira das maratonistas mais rápidas da história – e conclui que dar à luz não afeta da forma que imaginava-se.

A análise incluiu as 150 maratonistas mais rápidas de todos os tempos, com base nas listas mantidas pela World Athletics. Pesquisando em registros oficiais, reportagens e sites pessoais, eles identificaram 37 dessas corredoras que tiveram filhos durante sua carreira no atletismo de elite, o que significa que elas mantiveram um desempenho de nível de elite no banco de dados do World Athletics. Destes 37 atletas, 23 tiveram um filho durante a carreira, com idade média de 28,3; os outros 14 tinham dois filhos, com idades médias de 24,7 e 32,6 anos.

No geral, 26 das 37 corredoras correram seus tempos mais rápidos (2:21 em média) depois de seu primeiro filho. Se você detalhar mais, no grupo de um filho, oito corredores correram seu melhor tempo antes das crianças e 15 correram seus melhores tempos depois. No grupo de duas crianças, três correram seu melhor tempo antes das crianças, cinco entre as crianças e seis depois da segunda criança. Na superfície, isso parece muito bom.

O grande ‘confundidor’ aqui é a idade. Em média, os atletas estiveram ausentes do banco de dados do World Athletics por 23 meses em torno do parto, com uma variação de 9 meses (uau!) a 94 meses (também uau!). O tempo não espera por nenhuma mulher, por isso é difícil saber se uma queda no desempenho pós-gravidez é porque você é um ou dois anos mais velha – ou, inversamente, para uma mãe relativamente jovem, se um aumento no desempenho pós-gravidez é simplesmente o resultado de treinamento e experiência adicionais.

Para explicar os efeitos da idade, Forstmann e seus colegas usam modelagem matemática para traçar a trajetória de carreira típica para maratonistas do sexo feminino. Para as 37 mulheres do estudo, essa relação se parece com o gráfico abaixo, com um aumento gradual no desempenho até a idade máxima de 31,7 anos, seguido por uma diminuição gradual no desempenho:

Foto: European Journal of Sport Science

O momento da gravidez não teve efeito observável nesta curva. As mulheres que tiveram seu primeiro filho antes dos 31,7 anos tenderam a melhorar após a gravidez; as que deram à luz depois dessa idade tendiam a piorar. Ou seja, o simples fato de ter filhos não parecia alterar fundamentalmente a trajetória de ninguém.

Há, no entanto, uma grande lacuna no conjunto de dados. E quanto as corredoras cujas carreiras foram prejudicadas pela gravidez? Talvez eles correram 2:21 pré-criança e nunca conseguiram retornar ao nível de classe mundial e, assim, desapareceram completamente do banco de dados do World Athletics? Eles não seriam incluídos no estudo, pois não retornaram à competição de alto nível, então não temos como saber se isso acontece com alguém.

Este é um cenário totalmente inventado, mas vale a pena reconhecer que a gravidez e o parto apresentam desafios reais para o treinamento de nível de elite. Os ligamentos frouxos podem alterar a mecânica da corrida, os músculos abdominais rompidos comprometem a estabilidade, as demandas metabólicas da amamentação podem deixá-lo esgotado de calorias e vulnerável a fraturas por estresse. Todos esses problemas são comuns entre atletas que voltam aos treinos completos após o parto.

Apesar desse ponto cego, acho que os novos dados são tranquilizadores. As mulheres que são capazes de retornar com sucesso aos treinos e competições após o parto parecem retomar praticamente de onde pararam, com permissão para melhoria do tempo. Desde que Montaño, Goucher e Felix se manifestaram, a Nike e outras empresas assumiram compromissos públicos para proteger a compensação dos atletas durante e após a gravidez. Suspeito, porém, que as atletas ainda fiquem nervosas ao dizer a seus patrocinadores que querem ter uma família, mas espero que esses dados lhes dêem alguma munição útil para a conversa.

-Publicidade-