386 cães são resgatados de caminhão que seguia para festival da carne de cachorro na China

Por Redação

Foto: Reprodução / Metro UK.

Quase 400 cães foram salvos do abate após um caminhão onde estavam sendo transportados para o festival da carne de cachorro ter sido interceptado na China.

Ativistas, com ajuda da polícia, pararam o caminhão a cerca de 80 km ao sul da cidade chinesa de Yulin no último domingo (19).

Leia mais

+ Cachorro salva alpinista ferido mantendo-o aquecido por 13 horas na neve

+ Como refrescar seu dog nas atividades de verão

+ Rocky Mountain Games: dupla do ABC vence prova de canicross

O momento foi filmado por ativistas chineses da CAPP (Associação de Bem-Estar dos Animais da Capital) e mostra 386 cães abarrotados em pequenas jaulas de arame em condições escaldantes.

Os ativistas descobriram uma mistura de raças no caminhão com muitos em condições precárias, sofrendo de infecções e doenças de pele.

Alguns dos animais estavam usando coleiras, alimentando suspeitas de que eles podem ter sido roubados.

O festival da carne de cachorro de 2022, na cidade chinesa de Yulin, começa em 21 de junho e coincide com o solstício de verão.

O evento, que também é conhecido como Lychee and Dog Meat Festival, foi lançado em 2010 por comerciantes de cães em uma tentativa de aumentar as vendas.

Ele atrai milhares de visitantes os quais se reúnem para consumir a carne de cachorro nos restaurantes e barracas da cidade, mas é controverso e há forte oposição de defensores dos animais.

Após serem resgatados, os cães foram movidos para uma instalação de quarentena da polícia, onde eles serão mantidos por 21 dias.

Se os traficantes se recusarem a pagar uma multa exorbitante antes do término da quarentena, os cães serão liberados para os ativistas.

Um abrigo apoiado pela Sociedade Internacional Humana e administrado pelo grupo parceiro Vshine se disponibilizou para cuidar de quantos cães forem necessários.

Há oposição significante ao comércio de carne de cachorro por toda a China, com algumas cidades proibindo o consumo com o aumento da preocupação relacionado ao bem-estar dos animais.

Fonte Metro UK

-Publicidade-