Ajude a Nasa a encontrar nuvens em Marte

Ajude a Nasa a encontrar nuvens em Marte
Foto: NASA/JPL-Caltech/MSSS

Os cientistas da Nasa esperam resolver um mistério fundamental sobre a atmosfera de Marte, e você pode ajudar. Eles organizaram um projeto chamado Cloudspotting on Mars que convida o público a identificar nuvens marcianas usando a plataforma de ciência cidadã Zooniverse. A informação pode ajudar os pesquisadores a descobrir por que a atmosfera do planeta é apenas 1% tão densa quanto a da Terra, embora amplas evidências sugiram que o planeta costumava ter uma atmosfera muito mais espessa.

+ Startup brasileira cria tecnologia para combater roubo e furto de bikes

+ Nova vacina previne herpes-zoster, doença causada pelo mesmo vírus que acometeu Justin Bieber

+ Indireta para Medina? Yasmin Brunet dispara deboche sobre homens infiéis

A pressão do ar é tão baixa em Marte que a água líquida simplesmente vaporiza da superfície do planeta para a atmosfera. Há bilhões de anos, porém, lagos e rios cobriam Marte, sugerindo que a atmosfera devia ser mais espessa na época.

Nuvens de dióxido de carbono

Como Marte perdeu sua atmosfera ao longo do tempo? Uma teoria sugere que diferentes mecanismos podem estar elevando a água para a atmosfera, onde a radiação solar quebra essas moléculas de água em hidrogênio e oxigênio (a água é feita de dois átomos de hidrogênio e um átomo de oxigênio). O hidrogênio é leve o suficiente para então se deslocar para o espaço.

Como a Terra, Marte tem nuvens feitas de gelo de água. Mas, ao contrário da Terra, também tem nuvens feitas de dióxido de carbono (pense: gelo seco), que se formam quando fica frio o suficiente para que a atmosfera marciana congele localmente. Ao entender onde e como essas nuvens aparecem, os cientistas esperam entender melhor a estrutura da atmosfera média de Marte, que tem cerca de 50 a 80 quilômetros de altitude.

“Queremos aprender o que desencadeia a formação de nuvens – especialmente nuvens de gelo de água, que podem nos ensinar a que altura o vapor de água chega à atmosfera – e durante quais estações”, disse Marek Slipski, pesquisador de pós-doutorado no Jet Propulsion Laboratory (Laboratório de Propulsão a Jato) da Nasa, na Califórnia.

Registros de 16 anos

É aí que entra o Cloudspotting on Mars. O projeto gira em torno de um registro de 16 anos de dados do Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) da agência, que estuda o Planeta Vermelho desde 2006. O instrumento Mars Climate Sounder da espaçonave estuda a atmosfera em luz infravermelha, que é invisível ao olho humano. Nas medições feitas pelo instrumento enquanto o MRO orbita Marte, as nuvens aparecem como arcos. A equipe precisa de ajuda para filtrar esses dados no Zooniverse, marcando os arcos para que os cientistas possam estudar com mais eficiência onde eles ocorrem na atmosfera.

“Agora temos mais de 16 anos de dados para pesquisar, o que é muito valioso – isso nos permite ver como as temperaturas e as nuvens mudam ao longo de diferentes estações e de ano para ano”, disse Armin Kleinboehl, vice-investigador principal do Mars Climate Sounder no JPL. “Mas são muitos dados para uma pequena equipe analisar.”

Embora os cientistas tenham experimentado algoritmos para identificar os arcos nos dados do Mars Climate Sounder, é muito mais fácil para os humanos identificá-los a olho nu. Mas Kleinboehl disse que o projeto Cloudspotting também pode ajudar a treinar algoritmos melhores que poderiam fazer esse trabalho no futuro. Além disso, o projeto inclui webinars ocasionais nos quais os participantes podem ouvir cientistas sobre como os dados serão usados.

-Publicidade-