Nepal pretende mudar localização do acampamento base do Everest

Foto: Shutterstock.

O governo nepalês pretende mudar a localização do acampamento base do Everest porque o aquecimento global e a atividade humana estão tornando-o inseguro, de acordo com reportagem da rede britânica BBC.

O acampamento, usado por até 1.500 pessoas na temporada de escalada, está situado na geleira Khumbu, que está diminuindo rapidamente. Um novo local deve ser definido em uma altitude mais baixa, onde não há gelo o ano todo, disse um funcionário local.

Leia mais

+ Mutirão retira 34 toneladas de lixo do Everest e de outras montanhas do Nepal

+ Como controlar o psicológico em alta montanha

+ Yellowstone altera nome de montanha em homenagem aos nativos da região

Pesquisadores dizem que a água derretida desestabiliza a geleira, enquanto alpinistas relatam que novas fendas estão aparecendo bem perto onde dormem.

“Estamos agora nos preparando para a realocação e em breve começaremos a consultar todas as partes interessadas”, disse Taranath Adhikari, diretor-geral do departamento de turismo do Nepal, à BBC.

“Trata-se basicamente de se adaptar às mudanças que estamos vendo no acampamento base e isso se tornou essencial para a sustentabilidade do próprio negócio de montanhismo”.

O acampamento atualmente fica a uma altitude de 5.364m. O novo será de 200 a 400 metros mais baixo, disse Adhikari.

Os planos seguem as recomendações de um comitê formado pelo governo do Nepal para facilitar e monitorar o montanhismo na região do Everest.

A geleira Khumbu, como muitas outras geleiras no Himalaia, está derretendo e diminuindo rapidamente devido ao aquecimento global.

A maior parte da geleira está coberta por detritos rochosos, mas também há áreas de gelo exposto, chamadas falésias de gelo, e é o derretimento das falésias de gelo que mais desestabiliza a geleira, disse um dos pesquisadores, Scott Watson, à BBC.

“Quando os penhascos de gelo derretem, os detritos de pedregulhos e rochas que estão no topo dos penhascos de gelo se movem e caem e, em seguida, o derretimento também cria corpos de água”, disse. “Assim, vemos um aumento de quedas de rochas e movimento de água derretida na superfície das geleiras que podem ser perigosos”.

Watson disse que a geleira estava perdendo 9,5 milhões de metros cúbicos de água por ano. Montanhistas e autoridades nepalesas dizem que um riacho bem no meio do acampamento base está se expandindo constantemente. Eles também dizem que fendas e rachaduras na superfície da geleira estão aparecendo com mais frequência do que antes.

“Surpreendentemente, vemos fendas aparecendo durante a noite em lugares onde dormimos”, disse o coronel Kishor Adhikari, do exército nepalês, que estava no acampamento base enquanto liderava uma campanha de limpeza durante a temporada de escalada da primavera.

“De manhã, muitos de nós têm essa experiência arrepiante de que poderíamos ter caído neles à noite. As rachaduras no chão se desenvolvem com tanta frequência que é bastante arriscado.”

Tshering Tenzing Sherpa, gerente do acampamento base do Everest no Comitê de Controle de Poluição de Sagarmatha (SPCC), repetiu a mensagem.

Ruídos altos também podem ser ouvidos com frequência, disse ele, causados ​​pelo movimento do gelo ou pela queda de rochas.

Ele acrescentou que antes de montar uma barraca no acampamento base era necessário achatar a superfície rochosa que cobria o gelo e repetir isso de tempos em tempos à medida que a geleira se movia.

A maioria dos alpinistas ainda sobe o Everest do lado nepalês, mas os números que começam na China estão aumentando.

-Publicidade-