5 ilhas paradisíacas que ficam perto de capitais brasileiras

Por redação

Foto: shutterstock

Muitas vezes a realidade de vida nas capitais brasileiras pode ser cansativa. Por isso, buscar por ilhas paradisíacas para se isolar e entrar em contato com a natureza, pode ser uma excelente escolha.

+ 4 trilhas de bike na região de Campos do Jordão

+ Praias do litoral norte quase ‘desertas’ para fugir de aglomerações em SP

+ Quer cansar as pernas? Conheça os 7 picos com as ondas mais longas do mundo

Além disso, o Brasil é um país riquíssimo em biodiversidade da fauna e flora e não é preciso ir tão longe para encontrar lugares preservados e cheios de vida. Matas, restingas, manguezais e todo o universo marinho, podem ajudar a sair dos problemas da cidade grande.

Pensando nisso, a Go Outside preparou uma lista com 5 ilhas paradisíacas que estão a até 3 horas de capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Salvador e Belém.

5 ilhas paradisíacas perto de capitais:

Ilhabela, São Paulo

A 200km da capital paulistana, a Ilhabela é o verdadeiro paraíso na Terra com 85% dos seus 346 quilômetros quadrados protegido por um parque ecológico tombado. O local é considerado um verdadeiro santuário ecológico, com natureza exuberante, cachoeiras, águas cristalinas, piscinas naturais e praias de fácil e difícil acesso. Tudo isso em meio a um dos mais bem preservados bolsões de Mata Atlântica de São Paulo.

O arquipélago conta também com a cultura caiçara viva que resiste em forma de artesanatos, arquitetura de casas, embarcações de pesca e festas populares, como a Congada de São Benedito.

Com atrações de ecoturismo para todos os perfis, desde famílias com crianças aos mais aventureiros, você pode optar em ficar na parte mais urbanizada, onde é possível atravessar de carro pela balsa, ou isolado em uma comunidade tradicional caiçara que só tem acesso de barco, como a Praia do Castelhanos e Praia do Bonete. A ilha também é perfeita para os mais diversos trekkings, com vistas de tirar o fôlego como o pico do Baepi ou o Parque das Cachoeiras, ou para avistar baleias e bichos marinhos diversos.

A praia do Castelhanos é uma das mais belas e bem preservadas da Ilhabela – Foto: shutterstock

Ilha Grande, Rio de Janeiro

Quem mora na capital carioca, mora na praia, mas isso não significa que as pessoas não precisam esquecer um pouco dos problemas da cidade grande. A Ilha Grande, que pertence ao município de Angra dos Reis, fica a apenas 145 km de distância do Rio de Janeiro e é um lugar perfeito para curtir a natureza selvagem.

Para chegar lá é preciso abrir mão do carro e só isso já permite uma grande experiência de distanciamento do estresse urbano. O local é considerado por muitos como o Caribe brasileiro graças as suas águas cristalinas que tornam a ilha o lugar perfeito para uma aventura de mergulho com snorkel.

Para se hospedar, você pode escolher a Vila do Abraão, o lugar mais povoado do arquipélago, que conta com mercado, farmácia e restaurantes, além de inúmeras agências que fazem passeios de barco e promovem turismo para outras regiões da ilha ou ficar em praias mais selvagens como Aventureiro e Parnaioca e viver uma experiência longe da maioria dos turistas. De qualquer forma, a Ilha Grande como um todo é o verdadeiro paraíso para explorar o universo marinho, fazer trilhas e relaxar com vistas paradisíacas.

 

A clássica vista do coqueiro torto da praia do Aventureiro – Foto: shutterstock

Ilha do Mel, Paraná

A Ilha do Mel fica a 130km de Curitiba e abrange tudo de melhor do litoral do Paraná. O lugar só tem acesso de barco a partir de Paranaguá e Pontal do Paraná. A população que habita a ilha se locomove de bicicleta, o que traz outra dimensão de tempo e espaço para moradores de grandes cidades.

Por lá, o turismo é limitado. Existe um limite diário de 5 mil visitantes por dia. Já as atrações são infinitas. A Ilha do Mel é um dos picos mais completos de ecoturismo do sul do Brasil e conta com mais de 25km de praias compostas por restingas e Mata Atlântica. Além disso, é ideal para passeios de barco onde possivelmente você pode ter contato com botos e tartarugas.

As construções históricas, como o Farol das Conchas também tornam o local ainda mais interessante. Além disso, para os amantes do surf, ali rola as clássicas direitas em fundo de areia e pedra chamada Paralelas.

Vista aérea do Farol das Conchas – Foto: shutterstock

Ilha de Boipeba, Bahia

A 130 km de Salvador está localizada a cidade de Valença e lá é o destino final do carro de quem vai para a Ilha de Boipeba. A maioria dos turistas vai para Morro de São Paulo, um outro paraíso que fica um pouco mais ao norte, mas esse outro lugar é ainda mais tranquilo e oferece um cenário exuberante. Água quente, coqueiros infinitos, quilômetros de areia branca fazem parte do visual de Boipeba.

Parte do arquipélago de Tinharé, o local só é movimentado durante as festas de Ano Novo, mas em qualquer outra época do ano, a sensação é de estar de voltar a Velha Boipeba que foi fundada pelos portugueses em 1537. É quase que automático: ao atravessar de barco até o vilarejo, que conta com a infraestrutura, o ritmo de vida acelerado da cidade grande fica de lado.

Moreré é o povoado mais rústico da ilha e resiste em meio a ruas de areia e alma hippie. Por lá, mais importante do que as horas é saber da maré que dita a possibilidade ou não de caminhar pela praia ou de boiar nas piscinas naturais. O local faz parte de uma APA (Área de Preservação Ambiental) e é tombado pela Unesco como Reserva da Biosfera.

 

Vista aérea da imensidão de coqueiros na orla de Moreré – Foto: shutterstock

Ilha de Marajó, Pará

Primeiramente, vale dizer que a Ilha de Marajó é gigante. Trata-se da maior ilha fluviomarinha do mundo e apesar de ser um destino subestimado abriga inúmeras exuberâncias da natureza e está pertinho da capital Belém. A principal diferença para outros lugares é que ali a foz do Rio Amazonas beira às margens do Atlântico.

Suas praias parecem infinitas e o cenário é composto ora por dunas suaves, ora por manguezais de árvores imponentes. Na maré baixa, o mar fica lá longe e para chegar até ele, encontra-se piscininhas naturais que se formam na areia. Já quando a maré sobe, o visual fica ainda melhor, porque o o rio passa a banhar a praia de água doce.

Por lá, o celular só funciona nos vilarejos e Soure é o maior deles, onde se concentra as estruturas e pousadas. A ilha pode ser um excelente lugar para se desconectar dos estímulos da cidade grande.

A Ilha de Marajó é a maior ilha fluviomarinha do mundo – Foto: shutterstock

-Publicidade-