Não confie no rótulo dos seus suplementos

Os rótulos nem sempre contam a história completa

Nem sempre contam a história completa. Testadores independentes chegaram para preencher as lacunas

Por Peter Andrey Smith*

Tod Cooper dirige da mesma forma que toma suplementos nutricionais: de uma maneira razoável e prudente. É uma manhã de sexta-feira em fevereiro, e ele está me levando para seu escritório de pesquisa, uma suíte nas colinas de Nova Jersey, cerca de uma hora fora de Nova York. Lá ele tem vitaminas suficientes, misturas de ervas e caldo de osso em pó para satisfazer um dia do juízo final. Quando chegamos, caixas de chá verde estão derramando no chão. As prateleiras são revestidas com garrafas contendo ginkgo, ashwagandha e CBD. Cooperman pega algumas pílulas de vinagre de maçã. “As pessoas tomam isso para perda de peso”, diz ele.“Mas a concentração de ácido acético é tão alta que deveria ser rotulada de veneno”.

Cooperman obteve seu diploma em medicina antes de fundar o ConsumerLab, que vem testando suplementos alimentares nos últimos 19 anos. No dia em que eu visito, Mark Anderson, o chefe da pesquisa, ele mostrou uma colorida cromatografia de camada fina, que mostra que todos os vinagres de maçã que ele e sua equipe testaram vieram de frutas verdadeiras e não eram apenas ácido acético seco por spray (um velho truque de economia de custos). Recentemente, no entanto, o ConsumerLab tirou uma marca de cápsulas de açafrão que, segundo constatou, não tinha praticamente nenhuma curcumina, o ingrediente que acredita-se que torna eficaz a especiaria amarelo-laranja brilhante.

Tais descobertas não são incomuns. ConsumerLab existe em grande parte porque a Food and Drug Administration, a agência federal encarregada de regular a indústria de suplementos dietéticos de US$ 30 bilhões, não tem autoridade para supervisionar os suplementos da mesma maneira que os medicamentos vendidos sem receita. Isso significa que os federais verificam a conformidade, mas permitem que os fabricantes de suplementos se auto-regulem, a menos que surja algum problema sério. Como resultado, a qualidade varia muito e os consumidores geralmente ficam cegos.

Em janeiro, o Escritório de Suplementos Dietéticos, uma divisão dos Institutos Nacionais de Saúde, divulgou o folheto informativo “Suplementos Dietéticos para Exercício e Desempenho Atlético”. Mas, embora diga quais suplementos podem potencialmente melhorar seu desempenho, ele não diz qual produto de proteína de soro de leite é carregado com colesterol, ou qual pó de ervilha tem muito mais sódio do que o rótulo afirma.

Segundo Cooperman, testadores independentes visam responder às questões mais urgentes dos consumidores. “É seguro? Vai interagir com qualquer coisa que estou tomando? Eu estou mesmo tomando corretamente, na dose certa? Devo tomá-lo em determinados momentos do dia? Este produto tem mesmo o que afirma? ”, ele diz.“Abordamos tudo o que podemos ao longo de todo esse espectro de questionamentos em nossos relatórios”. O ConsumerLab publicou revisões de mais de 100 tipos de produtos, de vitamina C a caldo de osso em pó, e adiciona cerca de 16 novas categorias por ano.

Como os suplementos continuam a inundar o mercado, houve um aumento nas empresas de testes independentes. Outra é a Labdoor, uma startup fundada em 2012 em San Francisco, que classifica vários suplementos em uma escala de 100 pontos para precisão, pureza, valor nutricional, eficácia e segurança da etiqueta. Neil Thanedar, seu fundador e CEO, diz que os testes da empresa verificam rotineiramente os produtos altamente cotados. “Há grandes quantidades de proteína em pó, ótimos óleos de peixe, ótima vitamina D. Mas há tanta variação na qualidade e no preço”, diz ele. Os consumidores muitas vezes não conseguem dizer pelo rótulo quais produtos valem o dinheiro. “Você apenas assume: ‘Oh, eles são todos proteína em pó. Eles são todos vitamina D”, diz Thanedar.“Mas algumas das maiores diferenças de qualquer categoria em uma loja estão no corredor de suplementos.”

Nem todos os serviços de teste adotam a mesma abordagem. Organizações sem fins lucrativos como a US Pharmacopeia e a NSF International fornecem selos para suplementos certificados. O Labdoor ganha dinheiro vendendo produtos através de referências de cliques, mas suas avaliações estão disponíveis gratuitamente. O ConsumerLab possui um modelo de assinatura, cobrando aos usuários uma taxa para acessar seus relatórios.

Mas há sobreposições definitivas nos resultados. Surpreendentemente, se você comprar produtos de comerciantes multiníveis como Amway e Herbalife, ou se você comprar da InfoWars, o império de mídia de conspiração, provavelmente você vai acabar com ingredientes de qualidade em aproximadamente as quantidades que estão listadas no rótulo. O problema é que você pagará muito mais do que pelas marcas normalmente encontradas no GNC ou nos supermercados.

A maior variação na qualidade vem com produtos à base de plantas e formulações complexas, como multivitaminas e suplementos pré-natais. Com a maioria das vitaminas e minerais de ingrediente único, o custo, e não a qualidade, tende a ser o fator diferencial.

Como a maioria de nós ouviu até agora, é possível e aconselhável obter todas as suas vitaminas e minerais essenciais de alimentos integrais.Ainda assim, as pessoas que trabalham nesses serviços de teste não estão acima de tomar suplementos. Thanedar, que tem 30 anos, usa vitaminas do complexo B, óleo de peixe e proteína em pó. Cooperman, 55, opta por B12, vitamina D no inverno e ferro após doar sangue. Em geral, esses tipos de vitaminas e minerais de ingrediente único geralmente são considerados livres de contaminantes e contendo a dose reivindicada no rótulo. Mas enquanto você encontrar a dose diária recomendada listada, os “limites superiores toleráveis” – o ponto após o qual um suplemento potencialmente benéfico corre o risco de causar danos – não são algo que você encontrará nos rótulos. (O Office of Dietary Supplements, o ConsumerLab e o Labdoor fornecem esses números.)

Durante o almoço, eu pergunto à equipe do ConsumerLab sobre os piores produtos que eles encontraram. A creatina líquida geralmente fica aquém, diz Cooperman. “Não compre gomas”, acrescenta Anderson, dizendo que nem sempre fornecem o ferro e a vitamina D que alegam. Cooperman me disse que enviou solicitações ao Freedom of Information Act para o FDA e descobriu que as auditorias da agência revelaram problemas de controle de qualidade e falta de protocolos, entre outros problemas, em 62% dos fabricantes de suplementos em 2016. O que significa dizer que provavelmente é inteligente olhar além do rótulo.

Suplementos para atletas

De acordo com as últimas recomendações do Office of Dietary Supplements, esses suplementos podem valer a pena.

A pesquisa sugere que o suco de beterraba pode melhorar o desempenho e a resistência, mas pule o pó de beterraba por enquanto – não se sabe se ele fornece os mesmos efeitos.

A cafeína pode ajudá-lo a se exercitar por mais tempo e é razoavelmente segura até 400 ou 500 miligramas – cerca de quatro xícaras de café.

A creatina ajuda a fornecer energia aos músculos, mas apenas por curtos períodos de esforço. Pense em treinamento intervalado de alta intensidade, não em natação de longa distância.

Corrigir quaisquer deficiências no ferro pode melhorar o seu treino, embora haja um debate considerável e evidências conflitantes sobre o que exatamente se qualifica como “deficiente”.

A maioria dos atletas já ingerem quantidades adequadas de proteínas de alta qualidade, mas as proteínas suplementares parecem seguras com moderação. (Isso é cerca de 136 gramas por dia para alguém pesando 68 kg).

*Texto publicado originalmente na Outside USA