Por que o tempo durante o exercício parece passar mais devagar? A ciência explica

Por Alex Hutchinson, da Outside USA

tempo durante o exercício
Foto: Shutterstock

Cientistas estão descobrindo que a percepção subjetiva do tempo durante o exercício é mais complexa do que se esperava

+ Quanto tempo de exercício físico é preciso para reduzir o risco de morte?
+ 7 exercícios de força com peso corporal para quando você não tiver tempo

Sempre tive uma preferência por Dunbar, o personagem do filme Ardil 22 que busca tédio e desconforto para fazer o tempo passar mais devagar, prolongando assim efetivamente sua vida. É uma sensação familiar para qualquer atleta de resistência: os segundos se estendem agonizantemente à medida que seu esforço aumenta. Esqueça os benefícios cardiovasculares e o controle de peso; talvez o verdadeiro poder de extensão de vida do exercício seja a maneira como ele distorce sua percepção do tempo.

Essa sensação é o tema de um novo estudo na revista Brain and Behavior, conduzido por uma equipe de pesquisa liderada por Andrew Edwards, da Canterbury Christ Church University, na Grã-Bretanha. Edwards e seus colegas submeteram um grupo de 33 voluntários a uma série de provas de ciclismo de 4 km, pedindo-lhes periodicamente que estimassem a passagem de 30 segundos.

Como era de se esperar, o esforço máximo acelerou os relógios internos dos ciclistas, o que fez com que os esforços parecessem mais longos — mas não exatamente da maneira que os pesquisadores esperavam. Em vez disso, os resultados se somam a uma série de estudos recentes que sugerem que há mais na percepção do tempo do que até mesmo Dunbar poderia ter suspeitado.

Em 2017, Edwards e um colega publicaram um dos primeiros estudos sobre exercício e percepção do tempo durante o exerício. Eles descobriram que, em sessões de remo e ciclismo de 30 segundos a 20 minutos, as pessoas conseguiam estimar o tempo com bastante precisão durante exercícios leves. Mas seus relógios subjetivos começavam a acelerar em comparação com a passagem real do tempo durante exercícios moderados, e aceleravam ainda mais em sessões de esforço máximo.

Por exemplo, eles foram solicitados a adivinhar quando estavam a um quarto, metade, três quartos e todo o caminho através de sua prova de remo de 20 minutos. Na estimativa da metade, apenas cerca de 9 minutos e 20 segundos haviam passado, o que significa que seus relógios internos estavam correndo 7% mais rápido do que o tempo cronológico real. Quando chegaram ao que pensavam ser o fim, apenas 17 minutos haviam passado, uma variação de 15%.

Como o tempo durante o exercício pode ser distorcido

Os cientistas não têm certeza de como exatamente mantemos o controle do tempo, mas a explicação mais comum para a dilatação do tempo é que ela é influenciada pela quantidade de informação que flui para o seu cérebro. Durante uma excitação intensa — como um exercício intenso ou uma situação de perigo percebido — nossos sentidos são intensificados. Como estamos percebendo mais coisas por unidade de tempo, tendemos a superestimar quanto tempo passou. Portanto, faz sentido que o exercício intenso distorça o tempo mais do que o exercício leve. Isso também sugere que distrações, como a presença de um companheiro ou concorrente, podem ajudar a contrariar esse efeito.

O novo estudo testou essa última ideia fazendo cada competidor realizar uma prova solo, uma com um companheiro de realidade virtual que pedalava ao lado deles, e outra com um competidor virtual que eles deveriam tentar vencer. Contrariamente às expectativas, nem o companheiro nem o competidor fizeram diferença na percepção do tempo durante o exercício. E a percepção do tempo medida em 500 metros, 1.500 metros e 2.500 metros foi a mesma em cada vez, embora os ciclistas estivessem trabalhando muito mais intensamente em 2.500 metros do que em 500 metros.

Aqui está como esses dados se parecem: uma variação de relógio bastante constante de cerca de 7% em cada ponto de tempo.

A graph showing how subjects perceived time during a steady workout

Você pode pensar em várias explicações para esses resultados. Pode ser que exercitar-se por um tempo definido produza efeitos diferentes do que correr uma distância definida. Ou pode ser que haja nuances que se perdem quando se olha para médias gerais. Aqui estão os mesmos dados, desta vez divididos na condição de prova solo (círculos), companheiro (quadrados) e competidor (triângulos):

A graph showing how the studies three cohorts perceived time during the same workout

Olhando apenas para os triângulos, você vê que, ao competir contra um adversário, praticamente não há desvio de tempo em 500 ou 1.500 metros: a distração de focar no rival elimina o efeito do tempo durante o exercício. Mas em 2.500 metros, quando a corrida realmente fica difícil (os rivais virtuais foram programados para pedalar 5% mais rápido que o desempenho base de cada sujeito), a dilatação do tempo salta para mais de 25%! Provavelmente, você pode elaborar histórias semelhantes para explicar as outras duas condições, mas essas são explicações pós-hoc que devem ser tratadas com suspeita. Por enquanto, a conclusão mais segura é que o quadro é mais complexo do que pensávamos, e ainda não sabemos por quê.

Por que mais pesquisas são necessárias

A imagem é igualmente nebulosa quando se olha para a percepção do tempo durante o exercício no treinamento de força. No ano passado, David Behm e seus colegas da Memorial University of Newfoundland, no Canadá, publicaram uma série de estudos explorando o efeito das extensões isométricas do joelho (quando você tenta esticar as pernas contra um objeto imóvel) na percepção do tempo. Em alguns casos, empurrar mais forte produziu mais dilatação do tempo; em outros casos, a intensidade não parecia importar, talvez porque os sujeitos também estavam distraídos monitorando sua força em uma tela de computador.

E no início deste ano, Behm e seus colegas publicaram um estudo testando a percepção do tempo após exercício físico e também após uma tarefa mental que causou fadiga mental. A fadiga física fez o tempo dilatar, mas a fadiga mental não. Essa é uma observação interessante, mas entra em conflito com o estudo de Edwards, onde a percepção do tempo voltou ao normal dentro de dois minutos após o exercício.

Em outras palavras, quanto mais os cientistas estudam exercício e percepção do tempo, mais complicado fica. Todos esses estudos usam protocolos de exercício diferentes, durações diferentes e maneiras diferentes de avaliar a percepção do tempo durante o exercício. Vai levar tempo para desvendar as razões das aparentes contradições, mas a descoberta geral ainda parece sólida: o tempo desacelera quando você está se esforçando ao máximo. Admitidamente, como um meio de prolongar a vida, não é nenhum piquenique. “Talvez uma vida longa precise ser cheia de muitas condições desagradáveis se quiser parecer longa,” diz um dos camaradas de Dunbar.







Acompanhe o Rocky Mountain Games Pedra Grande 2024 ao vivo