Suíça perdeu 10% do volume de suas geleiras nos últimos dois anos, dizem especialistas

Por Redação

geleiras
Foto: Shutterstock.

Um relatório da Academia Suíça de Ciências apresentou uma dramática aceleração no derretimento das geleiras do país.

Por causa do calor intenso do verão e dos baixos volumes de neve no inverno, a Suíça perdeu 10% de seu volume de gelo em apenas dois anos.

Veja também
+ Conheça Joshua Cheptegei, a próxima sensação da maratona
+ Justiça mantém embargo às obras de tirolesa no Pão de Açúcar
+ ‘Yosemite brasileiro’, Pontões Capixabas é destino de escalada, mas carece de investimentos
+ Festival Praia Rio 2023 celebra a cultura praiana em Ipanema

Lar dos Alpes, o país viu 4% do volume total de suas geleiras desaparecer em 2023, a segunda maior queda em um único ano após uma diminuição de 6% em 2022, a maior desde o início das medições, disse a comissão da Academia.

Especialistas do centro de monitoramento de glaciares (GLAMOS) já estavam de olho em um possível derretimento extremo este ano, devido a sinais de alerta precoce sobre os cerca de 1.400 glaciares do país, um número que agora está diminuindo.

“A aceleração é dramática, com tanto gelo sendo perdido em apenas dois anos quanto entre 1960 e 1990”, afirmou a academia. “Os dois anos consecutivos extremos levaram ao colapso das línguas de gelo e ao desaparecimento de muitos glaciares menores.”

Matthias Huss, chefe do centro de monitoramento, que participou da pesquisa, disse em entrevista que a Suíça já perdeu até 1.000 glaciares pequenos e que “agora estamos começando a perder também glaciares maiores e mais importantes”.

“Os glaciares são os embaixadores das mudanças climáticas. Eles deixam muito claro o que está acontecendo lá fora, porque respondem de forma muito sensível ao aquecimento das temperaturas”, disse ele. “O estudo destaca mais uma vez a grande urgência de agir agora se você quiser estabilizar o clima e salvar pelo menos algumas das geleiras.”

A equipe afirmou que a “massiva perda de gelo” decorreu de um inverno com volumes muito baixos de neve – que cai sobre os glaciares e os protege da exposição direta à luz solar – e altas temperaturas no verão.

Toda a Suíça – onde os Alpes cortam uma faixa pela maioria das partes sul e central do país – foi afetada, e os glaciares nas regiões sul e leste derreteram quase tão rapidamente quanto no recorde de 2022.

O derretimento de vários metros foi medido no sul de Valais (região) e no vale de Engadin a uma altitude acima de 3.200 metros, uma altitude em que os glaciares até recentemente mantinham seu equilíbrio, disse a equipe.

A perda média da espessura do gelo chegou a 3 metros em lugares como o Glaciar de Gries em Valais, o Glaciar de Basòdino no cantão e o sistema de glaciares Vadret Pers no leste de Graubünden.

As profundidades da neve medidas na primeira metade de fevereiro foram geralmente maiores do que nos invernos de 1964, 1990 ou 2007, que também foram caracterizados por baixas quedas de neve, disse a equipe. Mas os níveis de neve caíram para um novo recorde mínimo na segunda metade do mês de fevereiro, atingindo apenas cerca de 30% da média de longo prazo.

Mais da metade das estações automáticas de monitoramento acima de 2.000 metros, que estão em funcionamento há pelo menos um quarto de século, registraram níveis recordes de neve na época.

Depois disso, um junho extremamente quente fez a neve derreter duas a quatro semanas mais cedo do que o normal, e as nevascas de meados do verão derreteram muito rapidamente, disse a equipe.

Meteorologistas suíços relataram em agosto que o nível de zero grau Celsius – a altitude em que a água congela – subiu para seu nível mais alto já registrado, a quase 5.300 metros, o que significa que todos os picos alpinos suíços enfrentaram temperaturas acima de zero.







Acompanhe o Rocky Mountain Games Pedra Grande 2024 ao vivo