Semana da Consciência Negra: Quem somos nós na vida ao ar livre?

Por Denilson Silva, do Negritude Outdoor

Semana da Consciência Negra
Denilson Silva, um dos criadores do Negritude Outdoor. Foto: Arquivo Pessoal.

Você já conhece o coletivo Negritude Outdoor (@negritudeoutdoor)? Criado em 2020 pelo sociólogo Denilson Silva (@savagesatori) e pelo designer Léo Ferreira (@tracklandco), o coletivo é fruto de um questionamento em comum: Quantos praticantes de esportes e atividades outdoor pretos/pretas você conhece e lembra de cabeça?

+ Aventureiros negros que estão nos inspirando e que você precisa conhecer
+ Como podemos construir uma indústria outdoor anti-racista
+ Afinal, por que há tão poucos surfistas negros?

Pode parecer uma questão sem importância para olhares desatentos ou desinteressados, mas ao constatarmos que no imaginário (e na prática) quase não havia referências ou praticantes pretos/pretas no universo outdoor, enxergamos um problema socioestrutural que não era e não é levado em consideração – o que chama ainda mais atenção em um país como o nosso, onde mais da metade da população é preta.

Historicamente a população preta tem sido alijada de quase todos os espaços, e infelizmente isto também acontece nos esportes e atividades outdoor. Os motivos são vários, mas todos remetem à mesma raiz: o racismo estrutural, que de formas sutis ou explícitas suprime direitos e presença, silencia as vozes e paralisa as ações.

Por isso quase nunca estamos nas revistas, nos documentários, nas propagandas, nas competições, ou entre os que ocupam algum protagonismo neste segmento, que é um dos que mais cresce ao redor do mundo.

De uns tempos pra cá, especialmente após o boom do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) isso vem mudando, mas a passos lentos, seguidos de uma série de ressalvas e contrapontos, a começar por frases como “somos todos iguais” ou “todas as vidas importam”.

Mas o ponto é: Não somos igualmente representados e respeitados!

Um exercício simples é visitar qualquer perfil digital de uma marca outdoor, folhear uma revista ou observar destinos de aventura e questionar, no mínimo, se a parcela preta de nossa população está presente ali. E isso não se resume a números, mas envolve também a forma como somos representados.

Léo Ferreira e sua parceira de aventura: coletivo nasce da busca por representação no universo outdoor. Foto: Arquivo Pessoal.

O Negritude Outdoor surge da busca por representação, mas pretende caminhar além disso, já que o real intuito não é “apenas” mostrar que existimos, mas expandir a presença de pretas e pretos do universo outdoor brasileiro em todas as escalas. É um ato por representatividade, diversidade e empoderamento!

Queremos ver pretas e pretas curtindo e sendo agentes criativos nos esportes e atividades outdoor. Queremos atletas representando companhias socialmente engajadas nos esportes outdoor, empreendedores produzindo e apresentando suas próprias marcas de roupas, equipamentos e serviços, conscientes, enfim, de que esse espaço também é nosso, pois também temos o direito de ser parte da celebração da vida ao ar livre!

Go Outside e Negritude Outdoor firmam parceria na Semana da Consciência Negra.

Este post é o primeiro de uma série especial comandada pelo Negritude Outdoor na Semana da Consciência Negra. Ao longo dos próximos dias, vamos apresentar pessoas do coletivo nas plataformas da Go Outside. Estendemos o convite a toda a comunidade outdoor para refletir e agir com a gente: O que podemos fazer para entendermos uns aos outros e caminharmos juntos?

-Publicidade-