Salty Sisters incentiva o surf feminino e promove ações sociais, culturais e sustentáveis

Por Hardcore

Salty Sisters
Virginia Ferraz passando seus ensinamentos de surf para outras mulheres - Foto: divulgação

O surf é um esporte que tem se tornado cada vez mais popular no Brasil. E dentro desse universo aquático, as mulheres também remam forte para conquistar mais espaço. A próxima terça-feira (8), é o dia internacional para refletir sobre a luta e conquista das mulheres ao longo da história.

+ Na Onda Delas promove aulas gratuitas de surf para mulheres entre 40 e 70 anos

+ BBQ Only Girls: o pioneiro projeto de viagem internacional de surf só para mulheres

+ Surf Ladies incentiva o surf feminino da iniciação até o nível profissional

E como forma de homenagem, todos os dias até a data, vamos trazer um conteúdo exclusivo da Hardcore sobre iniciativas que contam com o protagonismo feminino dentro do universo do surf e do mar. Três outros textos, com outros projetos já foram publicados.

A reportagem dessa segunda-feira (7), é sobre a Salty Sisters, a iniciativa que nasceu em 2016 na Austrália, com o intuito de unir mulheres para o surf, e que hoje cresce no Brasil com diferentes formas de atuação ao mesmo tempo.

Logo no início, o projeto que era de um grupo de mulheres brasileiras, recebeu muita procura por aulas de surf. No entanto, um momento muito delicado na vida de uma das idealizadoras fez o rumo das Salty Sisters mudar completamente. “Fizemos 2 eventos na Austrália, mas na noite do segundo evento, voltei para o Brasil, devido ao falecimento da minha mãezinha”, conta Virginia, que hoje administra o projeto 100% sozinha.

A reviravolta da Salty Sisters

A partir de então, a praia de Camburi, no litoral norte de São Paulo, passou a ser o principal palco de atuação Salty Sisters e o projeto segue se expandindo a novos horizontes. Viagens para mulheres, retiros, diferentes experiências relacionadas ao surf e yoga, passeios de barco para ilhas, além de projetos sociais e culturais são algumas das ações que Virginia Ferraz já organizou por meio do projeto.

Segundo Virginia, mais ou menos 6 mil mulheres já passaram por alguma ação promovida pela Salty Sisters. Entre esse extenso público, variadas nacionalidades, como israelenses, japonesas, australianas e inglesas. Além disso, as diversas frentes de atuação do projeto puderam incluir, também, pessoas de diferentes condições sociais. “A preocupação não é fazer dinheiro através do surf, e sim mostrar o quanto o surf pode transformar a sua vida”, conta a idealizadora.

Esse é um exemplo de inciativa dirigida por uma mulher, que nasceu com um único propósito e, com o tempo, chegou a outros oceanos. Atualmente, Virginia usa a sua experiência com viagens de surf para incentivar mulheres a praticar esse esporte, além de também incluir e promover uma mudança de conscientização na comunidade.

 

Social, cultural e sustentável

Hoje em dia, a iniciativa se expandiu tanto que muitas outras ações fazem parte da agenda do projeto e todas elas tem um propósito com foco específico em alguma causa. São projetos sociais, culturais e de sustentabilidade – além dos eventos e viagens de surf para mulheres.

A ação social Salty Sisters existe há dois anos e trata-se de um projeto de doação de pranchas para crianças carentes. Ao longo desse tempo, muitas pessoas de bairros como Camburi, Juquehy e Baleia, em São Sebastião, já foram contempladas, além de crianças de comunidades tradicionais caiçaras, como Castelhanos e Bonete, na Ilhabela.

Além disso, a Salty Sisters também promove um projeto que une artesãos, bandas, microempreendedores e ONGs locais para uma feira cultural. Segundo Virginia, para organizar os eventos existe um grupo no Whatsapp com fila de espera. “Juntamos todas as pessoas que já participaram dos nossos eventos, além de mulheres que tinham o sonho de se mudar para a praia e só conseguiram devido a esse grupo”, conta ela sobre quem se beneficia com essa ação.

Outra questão que também passou a ser uma preocupação da idealizadora é a sustentabilidade. Isso porque, depois de viajar para picos de surf, como Indonésia e Maldivas, Virginia se deparou com os graves problemas da ilhas de plástico e, a partir daí, decidiu fazer um trabalho de conscientização do lixo pelas redes sociais.

Para isso, ela prepara conteúdos e promove ações que mostram alternativas para evitar e substituir o consumo de plástico, reciclagem, além da importância de ter um saneamento ecológico em casa. “Atuando de dentro pra fora podemos conseguir alguma mudança”, acredita ela.

Para ficar atenta nas próximas viagens e ações, confira o Instagram Salty Sisters.

 

 

 

-Publicidade-