Ataques recentes de urso podem flexibilizar restrições de caça nos EUA

Por Redação Outside USA

ursos
Foto: Shutterstock.

As últimas semanas foram difíceis para a relação entre ursos e humanos nos Estados Unidos.

Três incidentes ocorreram apenas no sábado, 5 de agosto. No Colorado, um homem acampando às margens do Purgatoire River, perto da fronteira com o Novo México, acordou ao som de um urso-negro ao lado de sua rede. Quando ele apontou sua lanterna para o urso, foi mordido no braço.

No Tennessee, um urso-negro estendeu a pata pela janela aberta de um carro que passava pelo Parque Nacional Great Smoky Mountains e arranhou um homem que estava dentro do veículo.

No Wyoming, um homem realizava um trabalho de pesquisa na Floresta Nacional de Shoshone quando foi atacado por um urso-pardo. Ele sofreu ferimentos, mas sobreviveu.

Veja também
+ O ato heroico do brasileiro Gabriel Tarso no K2, a montanha mais perigosa do Planeta
+ “Ciclofaixa da morte” é retirada de rodovia depois de polêmica no Piauí
+ Trilhas na Mata Atlântica garantem puro MTB no Rocky Mountain Games, em Juquitiba

Esses três incidentes ocorreram logo após dois encontros mortais. Em 3 de agosto, um homem de Montana atirou e matou um urso-negro que havia entrado em sua casa através de uma janela com tela. Em 22 de julho, houve um raro ataque fatal de urso-pardo, também em Montana.

A vítima, uma mulher de 49 anos, foi encontrada em uma trilha a oeste do Parque Nacional de Yellowstone, com pegadas de uma mãe ursa e seu filhote nas proximidades. O ataque foi diferente dos outros, porque um legista local determinou que “não parecia ser predatório”.

As autoridades acreditam que a mulher estava correndo quando encontrou acidentalmente a família de ursos. A polícia de Wyoming acredita que um cenário semelhante ocorreu no ataque não fatal de urso-pardo em Wyoming em 3 de agosto.

Após esses incidentes, as autoridades reagiram com estratégias semelhantes para capturar os ursos agressivos em questão e limitar áreas de interação entre humanos e os animais. Autoridades do departamento de Pesca e Vida Selvagem do Colorado anunciaram que matariam o urso-negro atacante se o encontrassem.

Guardas florestais de Wyoming inspecionaram a Floresta Nacional de Shoshone com um drone. Autoridades do Serviço de Parques no Tennessee fecharam a estrada onde ocorreu o arranhão na tentativa de quebrar a associação dos ursos com carros e alimentos.

Encontros de ursos com humanos muitas vezes são sinais de um sucesso de conservação. Nos EUA, as populações de ursos estão se recuperando das campanhas de extermínio do início do século 20. O Parque Nacional Great Smoky Mountains agora relata que abriga cerca de 1.900 ursos-negros. A população de ursos-negros do Colorado quase dobrou para cerca de 20 mil nos últimos dez anos. E o ecossistema de Yellowstone, uma área que engloba tanto o parque quanto as áreas protegidas circundantes, agora abriga aproximadamente 1.000 ursos-pardos, contra apenas 136 em 1975, quando a espécie foi listada como ameaçada de extinção.

Mas quanto mais encontros os ursos têm com humanos, maiores são as chances de algo dar errado. Esses encontros às vezes arriscam desfazer todo o trabalho de grupos de conservação.

Após o ataque fatal em Yellowstone, o congressista de Montana, Matt Rosendale, pediu a retirada do urso-pardo da lista de espécies ameaçadas de extinção, o que abriria caminho para a caça. “É hora de o Congresso aprovar meu projeto de lei para retirar o urso-pardo da lista e devolver a gestão aos habitantes de Montana”, twittou Rosendale.

Legisladores conservadores periodicamente defendem relaxar as proteções aos predadores, mas as evidências sobre se isso reduz os conflitos entre humanos e ursos são, na melhor das hipóteses, controvérsias.

Um estudo de Minnesota em 2020 constatou que mais caça reduziu o número de reclamações sobre ursos-negros. Mas uma análise deste ano observou que muitos estudos determinaram o contrário – em um caso, a caça de ursos-pardos não teve efeito na frequência de ataques às pessoas, enquanto em vários outros casos, ursos-negros acabaram causando mais danos materiais depois de anos de caça intensiva.

É verdade que a redução significativa no número de predadores, em alguns casos, significou menos conflitos. Mas, como os pesquisadores de Minnesota descobriram, a caça pública é um “instrumento grosseiro”: depois de várias décadas de caça intensa até o início dos anos 2000, a população de ursos entrou em colapso (os caçadores tinham uma tendência especial a matar fêmeas em idade de reprodução) e nunca se recuperou. Há outros exemplos dessa dinâmica nos últimos anos: em 2021, uma temporada de caça contestada por ordem judicial matou 14% dos lobos-cinzentos de Wisconsin em quatro dias, e os biólogos ainda estão debatendo as consequências de longo prazo.

Um importante pesquisador de ursos-pardos disse à rádio pública de Montana que não houve aumento mensurável nos ataques ao redor de Yellowstone, mesmo com a triplicação das populações de ursos-pardos.

Se matar os ursos não é a resposta, então talvez os humanos precisem apenas ser mais conscientes na própria relação com o ambiente externo. Afinal, estamos invadindo os lugares onde os ursos em recuperação muitas vezes vivem. Entre 1990 e 2010, os norte-americanos construíram mais de 10 milhões de casas nos arredores de florestas e montanhas  – exatamente os lugares onde um urso jovem que está saindo da aba de sua mãe pode encontrar uma lata de lixo destrancada.

Mais turistas do que nunca também estão se aventurando nas áreas selvagens que fornecem habitat essencial para os ursos. Aproximadamente 300 milhões de pessoas visitaram os Parques Nacionais no ano passado – basicamente toda a população dos Estados Unidos perambulando pelas pequenas áreas de floresta que protegemos.

Está claro que os ursos causam problemas quando há muito lixo humano por perto, ou quando os suprimentos limitados de alimentos naturais os forçam a procurar sustento, mas existem outras maneiras de reduzir os ataques de ursos além de matar os ursos, e o Parque Nacional Great Smoky Mountains pode ser um exemplo.

Na década de 1950, quando os ursos-negros eram muito mais raros, o parque registrava uma dúzia de ataques de ursos em um ano típico. Em uma área de piquenique, os visitantes costumavam colocar cadeiras todas as noites para ver os ursos comerem de latas de lixo. Guardas florestais costumavam matar regularmente ursos incômodos que haviam aprendido a se aproximar das pessoas.

Mas nos anos 1990, o parque iniciou uma campanha para tornar suas áreas de lixo à prova de ursos – e seus visitantes também. Os guardas florestais passaram de realocar uma dúzia de ursos por ano para apenas um. Um recorde de 14 milhões de pessoas visitou o Parque Nacional em 2021, tornando-o possivelmente o lugar com mais seres humanos e ursos no país. Ataques de ursos ainda acontecem por lá, mas são raros.







Acompanhe o Rocky Mountain Games Pedra Grande 2024 ao vivo