#365para42: Por onde começar para fazer uma maratona

Por Cacá Filippini

Foto: Arquivo Pessoal.

Já temos data: 6 de novembro de 2022. Também temos o local: Nova Iorque. E agora, é só chegar lá e correr os 42 km da maratona? Não, não e não!

+ Maratona do Rio 2021 traz de volta o brilho das corridas de rua
+ As curiosidades da Maratona de Nova York 2021
+ #365para42: Agora vai!

E não apenas porque sou um caso de pós-Covid crônica, mas “não” para todos os casos, incluindo aqueles que esbanjam saúde e praticam atividade física também. Isso porque uma maratona não é algo muito simples, são em média quatro horas correndo, sem pausa, considerando um ritmo constante, relativamente rápido, onde o atleta corre mais de 5 km a cada 30 minutos.

Isso quer dizer que não basta ter pernas, é preciso ter saúde cardíaca, respiratória e mental. Então, o primeiro passo é eleger um médico – de preferência especializado em esporte – para te acompanhar. No meu caso, o Dr. Nemi Sabeh Jr. está comigo há algum tempo. Ele é médico do esporte e coordenador deste departamento também na seleção brasileira de futebol feminino. É ele quem determina, através de um leque de exames clínicos, de imagem e laboratorial, se estou apta para encarar esse desafio que me coloquei.

Foto: Arquivo Pessoal.

Seguindo ainda o conceito de Evolução Corporal, do qual sou adepta, também preciso identificar quais são os pontos que meu corpo apresenta déficit e que serão exigidos na maratona. Parece um bicho de sete cabeças, mas na prática sou submetida a um conjunto de testes e avaliação de indicadores, que chamamos de IEC (Índice de Evolução Corporal), que analisa principalmente a força e a mobilidade do nosso corpo.

Veja, um dos principais erros é achar que corrida se resume apenas à corrida. Mas aquele que não faz um treino de musculação ou de força específico para corredores, não terá pernas ou glúteo para percorrer longas distâncias, o que acontece também quando temos uma mobilidade (movimento) limitada em alguns membros e não trabalhamos para a melhora. Assim, pernas com pouca força e movimentos curtos, resultam definitivamente, em uma corrida mais limitada, um tempo mais longo e maior desgaste físico.

Mas, como o corpo é uma máquina de extrema potência, que pode ser ajustado a diferentes situações, desafios e objetivos, vamos realizar este feito, sim! E por isso, não podemos esquecer de mais dois especialidades essenciais para quem quer começar a correr ou evoluir em suas corridas.

Se o corpo é uma máquina, precisamos do combustível certo para manter e aumentar sua performance, daí entramos com o nutricionista, de preferência especializado em esporte e/ou corrida.

Lá em 2019, quando estava no auge das minhas corridas, conheci Marcos Jafet, maratonista de alta performance e nutricionista especializado em atendimento personalizado para atletas profissionais, amadores, praticante de atividade física e indivíduos que buscam a prática da boa nutrição e qualidade de vida. E foi ele quem mudou o meu conceito de alimentação e elevou minha velocidade com apenas ajustes alimentares. Lembram? O combustível certo!

Por fim, treinar corrida com quem entende do assunto é essencial e investimento bem feito! Ou seja, eleger uma assessoria de corrida é fundamental para quem se aventurar em um desafio desses.

Foto: Arquivo Pessoal.

Hoje, posso até afirmar que para aqueles que querem começar, que já comecem certo… seja para 5K, 10K ou qualquer distância. Eu, corredora amadora desde 2002, comecei com a cara, a coragem e o tênis que eu tinha, e 20 anos depois, pago um preço alto, não apenas pela idade, mas também por não ter feito o certo, desde o começo.

Isso tudo posto, independente da sua idade, sexo, ou estilo de vida, que tal trocar “você não pode” para “vamos evoluir para que você tenha condições de assim fazer?”. Se sua resposta é sim, te convido a vir nesses 365 próximos dias para chegarmos nos 42.195 km, ou na distância que você colocar como sua meta! Bora?

-Publicidade-