Patagonia cobrirá gastos de viagens de funcionários para realizar aborto nos EUA

Por Frederick Dreier, da Outside USA

Patagonia cobrirá gastos de viagens de funcionários para realizar aborto nos EUA - Go Outside
Foto: Shutterstock

A marca de roupas para atividades ao ar livre Patagonia prometeu apoiar os funcionários que protestassem contra a decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos de derrubar o direito constitucional à assistência ao aborto na semana passada. A companhia também vai cobrir os gastos dos trabalhadores que precisarem viajar para realizar o procedimento em outros estados.

+ Gabriel Tarso faz cume do Everest pela segunda vez e leva faixa de protesto

Na sexta-feira (24), a Patagonia disse que pagaria fiança para qualquer trabalhador em período integral ou parcial que “proteste pacificamente pela justiça reprodutiva”. A marca publicou a notícia no LinkedIn.

O porta-voz da empresa J.J. Huggins disse à Axios que a empresa tem a política de fiança em vigor “há muitos anos”.

“A empresa pagará fiança para um funcionário que já fez uma aula de desobediência civil não violenta e é posteriormente preso enquanto protestava pacificamente”, disse ele.

A Suprema Corte revogou o precedente do aborto de 50 anos em uma decisão de seis a três na sexta-feira. O caso histórico de 1973, Roe v. Wade, estabeleceu o direito constitucional para as mulheres buscarem o aborto em todos os 50 estados. A decisão controversa dá aos estados o poder de estabelecer suas próprias leis de aborto. As previsões atuais apontam que metade de todos os estados proíbe ou restringe severamente o aborto como resultado da decisão do tribunal, que cortaria milhões de mulheres dos cuidados de saúde reprodutiva.

Em comunicado, a Patagonia também se comprometeu a pagar as despesas de passagem aérea, hospedagem e alimentação para funcionários de seu plano de saúde que precisam viajar para um estado diferente para se submeter a procedimentos de aborto. Seu plano de saúde já cobre o custo dos cuidados com o aborto, disse a empresa.

“Cuidar dos funcionários vai além do seguro básico de saúde, por isso adotamos uma abordagem mais holística para a cobertura e apoiamos o bem-estar geral ao qual todo ser humano tem direito”, afirmou a empresa em comunicado. “Isso significa oferecer aos funcionários a dignidade de acesso aos cuidados de saúde reprodutiva. Significa apoiar as escolhas dos funcionários sobre se ou quando eles têm um filho. Significa dar aos pais os recursos de que precisam para trabalhar e criar os filhos.”

A Patagonia se junta a um número crescente de empresas que se comprometem a cobrir despesas de viagem para funcionários que vivem em estados que proíbem o aborto: Apple, Condé Nast, Dick’s Sporting Goods, Disney, Mastercard, Meta, Netflix, Starbucks, Tesla, Zillow e outros.

-Publicidade-