O que os incêndios da Austrália significam para o futuro do planeta

Os incêndios florestais da Austrália queimaram 11 milhões de hectares. A maneira como a Austrália está lidando com a devastação, e a rapidez com que essa devastação veio, parece um presságio assustador para o que está por vir.

As notícias que saem da Austrália são quase insuportáveis. Apesar de uma semana de boas notícias, a pior temporada de incêndios da história do continente – uma combinação sem precedentes de seca, vento e temperaturas recordes que ocorre desde setembro – continua, desta vez com um novo incêndio que ameaça Canberra, capital do país. Os incêndios se fundiram em mega queimadas, destruindo habitats, o abastecimento de água municipal está cheio de cinzas e o ar se tornou irrespirável em Melbourne.

+ “Chuva de vegetais” está salvando animais na Austrália

Um local vítima dos incêndios foi a Selwyn Ski Area, nas montanhas nevadas entre Sydney e Melbourne. O resort, de propriedade familiar, pegou fogo em 6 de janeiro, com edifícios e elevadores na área de base reduzidos a escombros e terra queimada. Quarenta e oito quilômetros ao norte, as maiores estações de esqui da Austrália, Thredbo e Perisher, usavam máquina de neve para jogar água nas terras secas.

Uma área de esqui queimada pode ser superficial diante da destruição do ecossistema, e parece insensato pensar em esquiar quando as espécies estão sendo exterminadas. Mas a maneira como a Austrália está lidando com a devastação, e a rapidez com que a devastação veio, parece um presságio assustador para o que está por vir. Selwyn é uma exemplo pontual de um problema geral: como desenvolvemos e protegemos locais e infraestrutura nas margens de zonas propensas a incêndios? E como nos preparamos para um futuro mais quente e seco quando as coisas vão piorar?

De acordo com a National Ski Patrol, 100% das áreas de esqui ficam na chamada interface entre áreas selvagens e urbanas, exatamente entre a natureza e o desenvolvimento, onde os edifícios se intrometem na vegetação queimada. São paisagens construídas por humanos, com torres de elevação e pousadas que dependem, conceitualmente, da natureza selvagem e do espaço aberto. Devido a esse equilíbrio, e à maneira como construímos infraestrutura em florestas e outras áreas selvagens, eles são altamente vulneráveis ​​a incêndios.

+ Como a mudança climática afeta áreas selvagens e os esportes radicais

Um artigo de 2018 da Universidade da Califórnia em Riverside descobriu que a interface entre áreas selvagens e urbanas é onde os problemas de incêndio são mais frequentes. É também o tipo de uso da terra que mais cresce nos Estados Unidos e no Ocidente. Estamos pressionando mais para dentro desse espaço liminar, porque queremos estar perto da natureza, mas quando o fazemos, não queremos deixar o ambiente ao redor. Isso cria uma acumulação perigosa. Basicamente, estamos nos preparando para incêndios mais longos e mais quentes, com ativos humanos e naturais em jogo.

Incêndios perto de áreas de esqui não são raros. Sun Valley tem uma zona popular chamada Burn, que foi incendiada no Castle Rock Fire em 2007 e quase queimou novamente em 2013. Em junho de 2018, a fumaça cobriu uma ampla faixa do Colorado, enquanto o Buffalo Fire se arrastava em direção a Keystone e Breckenridge. No verão passado, o Arizona Snowbowl foi forçado a cancelar a operação de verão por meses por causa do perigo de incêndio na Floresta Nacional de Coconino. Escolha um verão e é quase garantido que haverá um incêndio em algum lugar próximo aos teleféricos.

+ Por que os incêndios na Austrália são diferentes das queimadas na Amazônia?

Como é dolorosamente claro na Austrália, fatores climáticos estão tornando os incêndios perigosos. O ano passado foi o mais quente da Austrália, seguido de perto por 2018 e 2017. As chuvas no continente foram 40% menores que a média, com dezembro estabelecendo um recorde para o menor valor. De acordo com o Australian Bureau of Meteorology, “Os três anos de janeiro de 2017 a dezembro de 2019 foram os mais secos já registrados em qualquer período de 36 meses.” Quando os incêndios eclodiram na vegetação seca, ventos fortes espalharam as chamas e os incêndios começaram tão grandes que criaram seus próprios padrões climáticos, construindo ventos e raios, piorando as coisas.

A Austrália é uma das nações desenvolvidas mais vulneráveis ​​ao clima, mas, à medida que as estações se tornam mais quentes e secas, outros países podem enfrentar condições semelhantes. E, como os incêndios são multifacetados, mesmo uma neve sólida no inverno não pode garantir a segurança. Por exemplo, no ano passado, na Califórnia, uma primavera úmida desencadeou um crescimento de plantas, mas depois um verão quente a secaram e as transformaram em combustível para as queimadas. Não podemos assumir que mesmo alguns invernos úmidos vão diminuir o risco.

+ Geleiras da Nova Zelândia estão ficando vermelhas – e é por causa da Austrália

As comunidades das montanhas estão tentando, em vários graus, aceitar o perigo. Eles devem assumir que os incêndios farão parte do cenário, não apenas emergências pontuais, e planejam prevenção, evacuação e mitigação. Adrienne Saia Isaac, da Associação Nacional de Áreas de Esqui, diz que os resorts estão falando muito sobre isso agora, especialmente no oeste dos Estados Unidos. Eles estão fornecendo treinamento para preparação e resposta a incêndios e incentivando os resorts a compartilhar planos de preparação, para que ninguém precise começar do zero.

Em novembro, o Sugar Bowl da Califórnia se tornou uma área nacional da Fire Protection Association FireWise, o que significa que eles têm um protocolo em toda a área para prevenção e resposta a incêndios. Eles limparam da área árvores secas e densas. Eles fizeram planos de evacuação para quando, e não se, os incêndios chegarem.

As áreas de esqui estão planejando o futuro – limitando os riscos, mas também se preparando para a devastação. Construir e estar na zona de risco é apostar em um futuro incerto. Os incêndios na Austrália nos mostraram a rapidez com que os lugares que amamos e dependemos podem pegar fogo.