Jai Hindley é o primeiro ciclista da Austrália a vencer o Giro d’Italia

Por Redação

Jai Hindley vence o Giro d'Itália depois de bater na trave em 2020. Foto: Reprodução / Instagram.

Jai Hindley conquistou o tão sonhado título do Giro d’Itália 2022. Após a disputa de todas as 21 etapas, o ciclista tornou-se o primeiro australiano a levantar o troféu da competição.

O evento foi encerrado no último domingo (29) com uma prova de contrarrelógio em Verona. Hindley, que terminou a etapa em 15º, confirmou a maglia rosa depois de assumir a liderança da classificação geral na penúltima etapa.

Leia mais

+ Ciclista erra curva e vai parar em matagal durante etapa do Giro D’Itália

+ Henrique Avancini é ouro no Pan-Americano de Mountain Bike

+ 5 lugares para pedalar próximos à cidade de São Paulo

“Tenho muito orgulho de ser australiano, e me sinto feliz de levar esse título para meu país”, comemorou Hindley, o mais novo herói de uma lista de ícones do ciclismo mundial.

No espiral dourado do troféu do Giro d’Italia estão lendas como Gino Bartali (Itália), Fausto Coppi (Itália), Eddy Merckx (Bélgica), Bernard Hinault (França) e Miguel Indurain (Espanha).

O nome mais recente, grafado antes do de Hindley, é o do colombiano Egan Bernal, que este ano não estava na disputa devido ao grave acidente sofrido em janeiro.

Hindley também é o segundo australiano a vencer um Grand Tour depois de Cadel Evans, que conquistou o título do Tour de France em 2011.

“Entrar na Arena de Verona como vencedor do Giro foi especial. Ao longo do Giro, e mesmo na última semana, foi difícil fazer a diferença e eu sabia que teria que fazer a ação decisiva na etapa de ontem. Claro que também tivemos alguma sorte – é necessário para ganhar uma grande volta. Houve dias muito difíceis, mas toda a equipe, começando com Wilco Kelderman e Emanuel Buchmann, sempre me ajudou”, comentou o campeão.

“O Giro abriu muitas portas para mim, é uma corrida que me mostrou que tipo de corredor profissional eu posso me tornar”, completou.

O fato lembra a trajetória de Hindley no Giro de 2020, quando também assumiu a liderança nas montanhas da penúltima etapa, mas perdeu o intento final para o britânico Tao Geoghegan Hart, que vestiu a “rosa” no último pódio.

“Eu tinha em mente o que aconteceu em 2020 e não deixaria acontecer novamente. Eu fiquei recebendo atualizações e me senti muito bem na crono. Sou um australiano orgulhoso e estou muito feliz por levar esta vitória para casa, sendo o primeiro australiano a vencer o Giro d’Italia”, disse.

No último domingo (29), Hindley nem precisou se matar. Com a larga vantagem conquistada na véspera, o australiano pôde desfilar a “rosa” até a luxuosa passarela da Arena de Verona.

Top 10 classificação geral:

1 Jai Hindley (AUS) Bora-Hansgrohe 86:31:14
2 Richard Carapaz (EQU) Ineos Granadeiros + 01:18
3 Mikel Landa (ESP) Bahrain Victorious + 03:24
4 Vincenzo Nibali (ITA) Astana Qazaqstan Team + 09:02
5 Pello Bilbao (ESP) Bahrain Victorious + 09:14
6 Jan Hirt (TCH) Intermarché-Wanty-Gobert + 09:28
7 Emanuel Buchmann (ALE) Bora-Hansgrohe + 13:19
8 Domenico Pozzovivo (ITA) Intermarché-Wanty-Gobert + 17:29
9 Hugh Carthy (GBR) EF Education-EasyPost + 17:54
10 Juan Pedro Lopez (ESP) Trek-Segafredo + 18:40

As camisas:

Maglia Rosa: classificação geral – Jai Hindley (Bora-Hansgrohe)
Maglia Ciclamino: classificação por pontos – Arnaud Demare (Groupama-FDJ)
Maglia Azzurra: classificação de montanha – Koen Bouwman (Jumbo-Visma)
Maglia Bianca: classificação de melhor jovem – Juan Pedro Lopez (Trek Segafredo)

Com informações de Cliclocosmo.

-Publicidade-