Incêndio na Califórnia ameaça as Joshua trees, árvores milenares do deserto

Por Isabella Rosario, da Outside USA

Incêndio na Califórnia ameaça as Joshua trees, árvores milenares do deserto
Árvores de Josué no deserto de Mojave. Foto: Shutterstock

O maior incêndio florestal da Califórnia este ano se espalhou para Nevada no fim de semana, queimando Joshua trees, as “árvores de Josué”, que só existem na região, no deserto de Mojave e enviando fumaça para o vale de Las Vegas.

+ Baleia-franca é mais vista no Brasil, mas espécie permanece ameaçada
+ Com temperatura a 49 °C, homem morre por calor em trilha da Califórnia

A queimada, chamada de York Fire, começou na sexta-feira, 28 de julho, em uma área remota nas New York Mountains, dentro da Reserva Nacional de Mojave, na Califórnia. Dois dias após o início, o incêndio cruzou a fronteira do estado para Nevada. Ele queimou mais de 32.000 hectares e estava 23% contido na terça-feira, 1º de agosto.

Como o fogo está em áreas remotas, as autoridades não ordenaram nenhuma evacuação. Nenhum ferimento ou morte foi relatado. A causa do incêndio ainda não foi determinada.

Os bombeiros estão supostamente lutando contra “redemoinhos de fogo”, que são “colunas giratórias e móveis de ar ascendente subindo de um vórtice e carregando fumaça, detritos e chamas”, de acordo com o Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos. O fenômeno ocorre quando ventos fortes se combinam com calor intenso.

“Este clima é extremamente perigoso para os bombeiros que combatem os incêndios”, diz o National Wildfire Coordinating Group. “Os redemoinhos de fogo podem mudar de direção repentinamente, tornando-os imprevisíveis.”

A extensão dos danos ecológicos causados pelo incêndio de York na Califórnia ainda está sob investigação. Mas a queimada já devastou bosques de árvores de Josué, zimbro e pinheiros, disse um guarda florestal do Mojave National Preserve ao Los Angeles Times.

A maior árvore de Josué de Nevada está entre as que estão em risco, informa a estação de notícias KLAS. Considerada uma das maiores da espécie do mundo, ela mede 2,21 metros de circunferência e tem 7,3 metros de altura.

O York Fire também se mudou para o recém-designado Monumento Nacional Avi Kwa Ame, uma área de 205.100 hectares no sul de Nevada. A terra, que é sagrada para os Mojave, Chemehuevi e alguns povos Paiute do Sul, recebeu proteção federal em março, após décadas de defesa da tribo indígena Fort Mojave.

Embora o risco de incêndios florestais tenda a ser menor nos desertos, a proliferação da queimada de York é consistente com os padrões climáticos deste ano, disse o cientista climático da Universidade da Califórnia Los Angeles Daniel Swain no Twitter.

“Dado um inverno excepcionalmente úmido e uma primavera fria, incêndios maiores em áreas com vegetação esparsa que são tipicamente ‘combustíveis’ devem ser esperados devido ao crescimento extra de vegetação que essas condições promovem”, disse Swain, acrescentando que um aumento na invasão de capim-batata acrescentou mais escova inflamável.

A queimada de York ocorre quando os voluntários ainda estão tentando replantar os bosques de árvores de Josué perdidos no incêndio Dome de 2020, que queimou mais de 16.000 hectares no deserto de Mojave, na Califórnia. Até 1,3 milhão de Joshua trees foram perdidas naquele incêndio, que foi provocado por um raio.

O inverno incomumente úmido do sudoeste contribuiu para uma temporada de incêndios florestais relativamente tranquila. Mas o aumento das temperaturas em toda a região aumentou o risco de incêndio. No final do mês passado, um incêndio florestal na Floresta Nacional de Tonto forçou cerca de 160 residentes no condado de Maricopa, no Arizona, a evacuar suas casas, segundo a CNN.

Mais de 110 milhões de americanos estavam sob alerta de calor no fim de semana passado.







Acompanhe o Rocky Mountain Games Pedra Grande 2024 ao vivo