Novos estudos confirmam que musculação fornece impulsos positivos à saúde mental

Por Brad Stulberg*

No início do ano, quando eu estava saindo de uma experiência difícil com transtorno obsessivo-compulsivo, ansiedade e depressão, decidi mudar de correr regularmente para fazer musculação. Isto apesar das várias evidências apontandas sobre os benefícios do exercício aeróbico para a saúde mental.

A história que eu disse a mim mesmo foi que a corrida é uma atividade catabólica. A corrida quebra o corpo e causa aumentos no cortisol, o hormônio do estresse. A musculação, por outro lado, é anabólico. Portanto, constrói o corpo e promove a liberação do hormônio testosterona. Eu me sentia quebrado. Eu imaginei que tentar me construir poderia ajudar.

E isso aconteceu. Comecei o treinamento de força três a quatro dias por semana, fazendo principalmente levantamentos compostos, como agachar, pressionar e levantar pesos, e comecei a me sentir incrivelmente melhor. Se isso levou a minha melhora é difícil dizer. Eu também estava envolvido em terapia comportamental cognitiva regular, meditando diariamente e tomando medicação. Mas levantar pesos certamente não prejudicou.

Dois novos estudos dão credibilidade científica à minha experiência. O primeiro, publicado em 2017 na revista Sports Medicine, descobriu que levantar pesos reduz os sintomas de ansiedade. O segundo, publicado em maio deste ano na JAMA Psychiatry, descobriu que musculação pode ajudar a aliviar e até prevenir a depressão. Ambos os estudos são particularmente valiosos porque são metanálises (revisões abrangentes de múltiplos experimentos). Em outras palavras, essas não são apenas conclusões pontuais.

Embora nenhum estudo mostre um mecanismo claro pelo qual o levantamento de peso melhora nosso estado de espírito, Lindsey Brooke Hopkins, psicóloga de Oakland, Califórnia, que estuda o efeito do exercício na saúde mental, diz que é provável uma combinação de mudanças na biologia e na psicologia.

Além disso, diz ela, o treinamento com pesos ajuda você a aprender a “suportar o desconforto físico e emocional” que vem com o esforço. Segundo Hopkins, é realmente congruente com os objetivos das abordagens clínicas, como a terapia cognitivo-comportamental.

Scott Barry Kaufman, um psicólogo cognitivo que passou por episódios repetidos de transtorno de ansiedade generalizada, diz que, para ele, a musculaçãoo é um fator decisivo. No curto prazo, “algo sobre o esforço físico realmente eleva meu humor”, diz ele. “O efeito de longo prazo é que o levantamento de peso me faz sentir confiante, confiante e pronto para enfrentar qualquer desafio que possa haver no resto do dia.”

Kory Stotesbery, psiquiatra de São Francisco, Califórnia, contou-me que, em seus dez anos de prática clínica, percebeu alguns padrões de melhora previsível. “O que parece ser consistente é uma pessoa com depressão em estado de não poder e, em seguida, vendo alguns sinais de que posso. A depressão é uma escassez de esperança e ansiedade é uma falta de confiança”. É precisamente por isso que a musculação é tão eficaz.

“Os esportes, particularmente aqueles que intencionalmente envolvem desconforto físico como um requisito para o sucesso, parecem ter maior rendimento em seu engajamento”, diz Stotesbery. “Talvez o caminho de uma pessoa deprimida da cama para o chuveiro para o trabalho não seja diferente do caminho de um halterofilista de ‘isso pode me destruir’ para ‘eu amo me mostrar que não vai me destruir’. Embora o levantamento de elite envolva habilidade, o material de nível intro é bastante repetitivo. É muito fácil envolver-se em um estado de fluxo positivo com desafios facilmente modificados e feedback constante sobre o progresso.”

Considere Brett Bartholomew. Muito antes de se tornar um conhecido treinador de força e condicionamento, Bartholomew lutou contra a depressão quando jovem. Levantar pesos era um componente central de sua recuperação. “O treinamento de força me permitiu aplicar um foco e esforço concentrado contra uma força que, de outra forma, seria inamovível”, diz ele. “Indo para as sessões, eu não tinha certeza se eu poderia lidar com a tensão, mas uma e outra vez eu provei a mim mesmo que eu podia. Isso também se espalhou pelo ginásio.

Embora os efeitos da musculação na saúde mental sejam encorajadores, não é substituto para a terapia ou medicação. Especialmente em casos mais graves de ansiedade e depressão. Mas o que a evidência mostra é que o levantamento, a partir de apenas dois dias por semana, pode ajudar a aliviar o fardo e, uma vez que alguém está em recuperação, previne a recaída.

*Texto publicado originalmente na Outside USA

-Publicidade-