Por que e como Eliud Kipchoge está lidando com ameaças online

Por Ashley Mateo, para a Run/Outside USA

Eliud Kipchoge chora em entrevista à BBC
Eliud Kipchoge chora em entrevista à BBC. Imagem: Reprodução/BBC

No meio de uma campanha de assédio online após a trágica morte de Kelvin Kiptum, o maior maratonista de todos os tempos Eliud Kipchoge encontra uma maneira de acreditar enquanto se prepara para seus quintos Jogos Olímpicos

+ Como é o treino de Eliud Kipchoge, recordista e GOAT da maratona
+ Lenda do Everest renova recorde! Kami Rita alcança o topo pela 29ª vez

Mesmo na escuridão, Eliud Kipchoge encontra a luz. O bicampeão olímpico, considerado por muitos o maior maratonista de todos os tempos, teme pela vida de sua família desde a morte do companheiro maratonista queniano Kelvin Kiptum no início de fevereiro, ele disse à BBC Sport Africa no início desta semana.

Kiptum, a estrela ascendente de 24 anos que qFuebrou o recorde mundial de maratona de Eliud Kipchoge na Maratona de Chicago em outubro, morreu em um acidente de carro em 11 de fevereiro. Sua passagem trágica fomentou uma campanha de ataques online direcionada a Kipchoge, acusando-o erroneamente de estar conectado à morte de Kiptum.

“Recebi muitas coisas ruins; que queimariam o acampamento (de treinamento), queimariam meus investimentos na cidade, queimariam minha casa, queimariam minha família”, disse o Eliud Kipchoge de 39 anos à BBC Sport Africa em uma entrevista emocional em sua casa em Eldoret, no Quênia. “Essa foi a pior notícia da minha vida.”

Seu primeiro instinto foi garantir que sua família estivesse segura. Temendo pelos filhos que pedalavam de ida e volta da escola, ele começou a levá-los de carro. Ele ligou para sua mãe, que disse para ele “cuidar”.

“De onde venho é uma área muito local. E com a idade da minha mãe, eu realmente percebi que as redes sociais podem chegar a qualquer lugar”, disse Kipchoge na entrevista. “Mas ela me deu coragem. Foi realmente um mês difícil.”

Além de perder o sono preocupado com sua família, Eliud Kipchoge estima ter perdido 90% de seus amigos. No entanto, Kipchoge seguiu em frente em sua própria vida, disse à BBC Sport Africa: “Não vi sentido em mudar de local de treinamento porque minha vida é aberta. Nosso esporte não é treinar na academia, é sair para correr. Eu ando pelas ruas livremente.”

Ele viajou para o Japão para a Maratona de Tóquio em 2 de março, onde não dormiu por três noites antes da corrida. Ele saiu com os líderes, mas diminuiu no quilômetro 19, acabando em décimo lugar em 2:06:50 – a pior colocação em uma Maratona Major Mundial em sua carreira.

Mas como sempre, ele continua avançando.

“É sobre se levantar e seguir em frente, em direção ao seu objetivo”, disse Eliud Kipchoge na entrevista.

Eliud Kipchoge redefine o possível

Em 1º de maio, menos de 100 dias antes dos Jogos Olímpicos de Paris em agosto e bem depois que a maioria dos países finalizou suas listas de atletas, a Federação de Atletismo do Quênia anunciou sua equipe de maratona. Eliud Kipchoge, é claro, foi escolhido. No meio do estresse extremo que ele vem enfrentando, ele tem a oportunidade sem precedentes de conquistar a terceira medalha de ouro olímpica consecutiva na maratona.

Quando conversamos com Eliud Kipchoge em um evento “Nike On Air” em Paris em abril, uma coisa não havia mudado: sua crença, tanto em si mesmo quanto no poder do esporte.

“Estou realmente feliz em saber que o que tenho feito tem [tido] muito impacto no esporte”, disse. “Não apenas o esporte como profissão. Eu digo, ‘nenhum ser humano é limitado’, o que significa que você sai pela porta, corre por uma hora, se torna mais saudável. Estou tentando dizer a cada profissional para se esforçar. Seja o médico, seja o engenheiro, seja o professor, seja o psicólogo, seja o psiquiatra, seja o fisiologista. Empurre-se para algo melhor. Essa é a narrativa que estou levando ao mundo. Nos movemos juntos como um e tornamos este mundo um lugar melhor.”

É talvez essa autoconfiança que o diferencia dos outros. Sua carreira foi marcada por primeiras históricas que muitos achavam impossíveis: Eliud Kipchoge é a única pessoa a correr uma maratona em menos de duas horas (um recorde não oficial de 1:59:40 em uma corrida de exibição em 2019), e seu tempo de 2:01:09 na Maratona de Berlim em 2022 permanece o segundo mais rápido tempo de maratona na história atrás do 2:00:35 de Kiptum na Maratona de Chicago de outubro passado. Ele venceu 10 maratonas consecutivas de 2014 a 2019 e quebrou o recorde mundial duas vezes, em 2018 e 2022.

Mais uma vez, ele enfrenta dúvidas do exterior. Mas alguns se perguntam se ele já passou do seu auge. Aos 39 anos, ele será o atleta queniano de pista e campo mais velho de sempre e o primeiro queniano em qualquer esporte a competir em cinco Olimpíadas diferentes. Ele também enfrenta uma competição acirrada, mesmo de seus compatriotas.

Ele está acompanhado na Equipe Quênia por Benson Kipruto, que venceu a Maratona de Tóquio em março em 2:02:16 e terminou entre os três primeiros em suas últimas sete maratonas, incluindo vitórias em Boston (2:09:51, 2021) e Chicago (2:04:24, 2022), e Alexander Mutiso, que venceu a Maratona de Londres em 21 de abril de 2024 em 2:04:01. A equipe queniana é tão dominante que Evans Chebet, que venceu Boston e Nova York em 2022 e seguiu com outra vitória em Boston em 2023, não fez parte da equipe.

Mesmo antes de Tóquio, Eliud Kipchoge mostrou fraquezas em sua armadura antes impenetrável ao longo do último ano. Em 2023, ele terminou em sexto na Maratona de Boston em 2:09:23, sua terceira derrota na maratona e o tempo mais lento de maratona de sua carreira. Sem mencionar, o corredor queniano tem lutado em percursos montanhosos (como Boston), e o percurso de Paris apresenta duas inclinações complicadas que desacelerariam até mesmo os corredores mais fortes.

Mas Kipchoge só olha para frente. Em relação ao seu treinamento e foco na maratona nos Jogos Olímpicos de Paris, que acontecerão em 10 de agosto, Kipchoge disse: “pelos próximos três meses estarei treinando, colocando todo o esforço, toda a mente, toda a energia nos Jogos Olímpicos”. A resistência mental de Kipchoge é tão lendária quanto a aptidão física. “O que me fez permanecer [no topo] por muito tempo é a autodisciplina”, disse Kipchoge ao jornalista irlandês Cathal Dennehy – então ainda não o descarte.

Na verdade, o G.O.A.T, que venceu sua primeira maratona há 11 anos, ainda tem metas além das Olimpíadas.

“Depois de Paris – na verdade, eu preciso vencer”, disse. “Eu preciso vencer três vezes.”

Eliud Kipchoge disse que um de seus principais objetivos de carreira é se tornar o primeiro homem na história a vencer todas as seis das principais maratonas do mundo. Ele venceu Berlim, Chicago, Londres e Tóquio; apenas Nova York e Boston – talvez os dois percursos mais difíceis – permanecem. “Estou trabalhando um por um”, respondeu Kipchoge à pergunta se esse objetivo ainda está em jogo. “Mas o número um na lista de metas agora para o ano de 2024 são os Jogos Olímpicos em Paris.”

 

Abby Levene contribuiu para está matéria.







Acompanhe o Rocky Mountain Games Pedra Grande 2024 ao vivo