Distúrbios alimentares: Os alpinistas devem enfrentar regras rígidas de IMC?

Distúrbios alimentares: Os alpinistas devem enfrentar regras rígidas de IMC?
Foto: Pexels

Em dezembro do ano passado, em uma entrevista com Peter Stafford em um IFSC Summit, Janja Garnbret chamou os distúrbios alimentares de “o maior problema de nosso esporte no momento”. Ela continuou dizendo: “Temos que nos perguntar, que tipo de mensagem queremos enviar aos outros? Queremos criar a próxima geração de esqueletos? Definitivamente não está indo na direção certa”.

+ O melhor dos dois mundos: 4 trilhas que te levarão à praias lindas no litoral de SP

+ As melhores estratégias para criar bons hábitos

+ Hang Loose Pro Contest: brasileiros dominam títulos

Da multidão, um representante da Federação Sueca de Escalada perguntou: “Você apoiaria limites rígidos de IMC para os competidores no-”

Ainda não tinha acabado de dizer “circutio da Copa” quando Garnbret respondeu enfaticamente: “Sim!” Ela apontou outros esportes, que não só têm limites rígidos de IMC, mas regras também sobre como as medidas são feitas. As meninas não devem se pesar em jaquetas, acrescentou ela.

“Talvez, se você estiver abaixo do peso, receba uma advertência e, se estiver igual na próxima competição, não poderá competir. É assim que deve ser”, diz ela. Garnbret acredita que essas políticas mais rígidas devem ser implementadas o mais rápido possível – antes da temporada da Copa do Mundo de 2023.

É difícil argumentar com Garnbret – o alpinista de competição mais talentoso da história. O tema dos distúrbios alimentares na escalada é um problema antigo em nossa comunidade. Nesta mesma revista, o tema foi abordado por Stefanie Forté em um artigo publicado em 1996.Forté foi provavelmente a primeira alpinista americana a escrever sobre o tema. Em uma conversa por e-mail de acompanhamento com ela no ano passado, ela escreveu: “Se eu escrevesse esse ensaio hoje, o final não seria amarrado em um laço. O impacto de um distúrbio alimentar em minha vida foi amplo e multifacetado”.

Os distúrbios alimentares têm efeitos colaterais que superam os aflitos; eles são passados de uma geração para outra. Ao subestimar ou não abordar os distúrbios alimentares, iluminamos aqueles que estão sofrendo – dizendo a eles que está tudo bem, que não é grande coisa. Mas isso é.

“Não queremos ter essa corrida até o final”, diz a Dra. Jennifer Gaudiani, fundadora e diretora médica da Clínica Gaudiani e autora de Sick Enough: A Guide to the Medical Complications of Eating Disorders. O Dr Gaudini falou com Climbing pelo telefone. “Já cuidei de vários alpinistas em minha prática. E, você sabe, vários deles não conseguem mais escalar. Eles estão dentro e fora dos programas”.

Os transtornos alimentares são experiências fundamentalmente isolantes. Eles são semelhantes a um vício porque aqueles que os têm muitas vezes não conseguem ver uma saída. Todo o seu mundo torna-se filtrado por um pensamento limitado singular, enquanto os sistemas corporais se decompõem em torno dele. Com o tempo, a frequência cardíaca de uma pessoa pode diminuir. A produção de hormônios sexuais pode diminuir. Os homens podem ter testosterona mais baixa, as mulheres podem perder a capacidade de menstruar. Frequentemente ocorre gastroparesia (esvaziamento retardado do estômago), que pode causar inchaço, dor e danos a todos os órgãos principais. O pensamento pode diminuir – estudos mostram que indivíduos desnutridos perdem massa cinzenta, a camada mais externa do cérebro. Estes e outros são “sinais de um corpo que está desesperadamente diminuindo seu uso de energia para salvar a vida da pessoa”, diz o Dr. Gaudiani.

Infelizmente, não há uma maneira fácil de diagnosticar um distúrbio alimentar. Nenhum teste, questionário ou sinal vital isolado o revelará. “Os distúrbios alimentares devem ser diagnosticados pela compreensão dos comportamentos de alguém e pela compreensão de como seu cérebro está sentindo”, diz o Dr. Gaudiani. “Então não é fácil. É preciso alguém com um certo grau de experiência para fazer perguntas importantes.”

Procedimentos de Triagem

Atualmente, o IFSC possui procedimentos de triagem de IMC. As triagens são realizadas pelo IFSC esporadicamente desde 2012 e regularmente para todos os semifinalistas nas Copas do Mundo Boulder e Lead desde 2021. Não há repercussão para atletas “sinalizados” como tendo baixo IMC – no entanto, a Federação Nacional do atleta é notificada. Se o IMC de um atleta for inferior a 17,5 e 18,5 para mulheres e homens, respectivamente, o atleta é obrigado a assinar uma declaração de recebimento dos dados de IMC.

Na quinta-feira, 19 de janeiro, o IFSC divulgou uma declaração sobre o assunto, observando que seu conselho executivo “decidiu avaliar e adotar futuras novas medidas para proteger a saúde e a segurança dos atletas que participam dos eventos do IFSC e promover ainda mais a competição justa. Estas medidas serão implementadas em 2014, para além do que já vigorou em 2021 e 2022, podendo, à semelhança das medidas em vigor, resultar na suspensão da licença de atleta”.

A declaração não detalhou quais serão as medidas, mas acrescentou que novos limites de idade serão discutidos, bem como outras atividades educacionais. Não está claro se os limites de idade e educação serão a extensão dessas novas medidas. O IFSC não divulgou nenhum dado ou estatística relacionada às duas exibições.

A USA Climbing (USAC) tem sido um pouco mais proativa nos esforços para proteger os atletas. Em 2022, todos os membros da Seleção Nacional e atletas elegíveis para a Copa do Mundo foram solicitados a preencher um Exame Físico Pré-Participação (PPE), que incluía histórico médico, exame físico e o questionário SMHAT-1, usado pelo Comitê Olímpico Internacional para identificar atletas em risco ou com sintomas é distúrbio de saúde mental.

O Climbing conversou com Zack DiCristino, idealizador do teste obrigatório de EPI e que gerencia atletas que ocorrem o risco  de serem “sinalizados” com baixo IMC em eventos do IFSC. DiCristino é gerente médico e fisioterapeuta da Seleção Nacional da USAC desde 2020 e é fisioterapeuta esportivo licenciado desde 2003.

“Quando a preocupação com nutrição inadequada ou baixo IMC é identificada, uma avaliação médica adicional (a ser determinada pelo médico examinador, mas provavelmente incluindo trabalho de laboratório [como] um teste de densidade óssea e um teste para examinar o ritmo e a força do coração) será solicitados e encaminhamentos para especialistas em nutrição e saúde mental”, diz DiCristino. “A USAC recentemente fez acordos a Universidade de Utah e o Comitê Olímpico e Paraolímpico dos EUA para fornecer EPIs, avaliações médicas necessárias e serviços de nutrição e saúde mental aos membros da Seleção Nacional, sem nenhum custo para os atletas.”

Trabalhando ao lado de DiCristino está a Dra. Julia Rawlings, da Universidade de Utah. Dr. Rawlings atua como médico da equipe USAC e é especialista em medicina esportiva, pediatra e medicina de emergência. Para a sessão de 2023, todos os membros da Seleção Nacional e atletas da Copa do Mundo deverão enviar um EPI ao Dr. Rawlings e, a DiCristino, um formulário assinado por um médico declarando sua elegibilidade médica para competir em qualquer evento do IFSC. Atualmente, a USAC não possui regras proibitivas em relação ao baixo IMC, no entanto, a organização e seu Comitê Médico repetidamente entraram em contato com o IFSC para expressar interesse em refinar as regras e protocolos antes da temporada da Copa do Mundo de 2023.

Além disso, o USAC oferece vários recursos educacionais online para todos os atletas. A USAC realizou discussões virtuais para treinadores de escalada e está trabalhando para fornecer futuras oportunidades virtuais e presenciais a todos os membros de nossa comunidade.

“Acredito que a educação é a melhor defesa preventiva, e mais atletas compartilhando suas histórias está ajudando”, diz DiCristino. “Espero que possa capacitar aqueles que têm ou suspeitam ter um distúrbio para pedir ajuda.”

“Alpinistas devem carregar pesos”

O Dr. Gaudiani acha que podemos fazer muito melhor.

“Isso é completamente inaceitável; o mundo da escalada precisa ser mais experiente”, diz ela. “Acho que até o corpo esportivo dizer que você não pode competir e conseguir patrocínio, dinheiro, prêmios, bolsas de estudo e avançar no esporte, então todo mundo vai continuar [sem comer], porque é muito irresistível e vantajoso. Literalmente, o esporte está preparando as pessoas para hábitos perigosos de saúde ao longo da vida”.

Um equívoco comum em torno do tópico de transtornos alimentares é que o problema se resolve com o tempo – que os atletas simplesmente não podem ter um desempenho de alto nível com um transtorno alimentar durante uma temporada ou mesmo durante várias temporadas. Mas os efeitos colaterais médicos de curto e longo prazo de um distúrbio alimentar variam de pessoa para pessoa.

“Existem pessoas que geneticamente podem lidar com circunstâncias incrivelmente adversas e manter um desempenho muito bom”, diz o Dr Gaudiani. “Sabemos disso por atletas que optam por se apresentar devido a lesões, por um evento terrível em suas vidas e por pessoas que se apresentam por desnutrição. Algumas pessoas simplesmente continuam se apresentando em alto nível.”

A escolha deve ser removida da equação. Embora o Dr. Gaudiani tenha admitido que outros irão discordar, ela propôs aumentar os limites de IMC de 17,5 e 18,5 para 18,5 e 19,5 para mulheres e homens, respectivamente.

“Sabemos que em certos esportes como, por exemplo, as corridas de cavalos, onde a leveza é favorável, que se os jóqueis pensam muito pouco na manhã de uma corrida, eles montam com pesos adicionais. Os alpinistas também deveriam… Acho que isso transformaria o esporte. Haverá pessoas que reclamarão [pelo padrão mínimo], mas a realidade é que esse é provavelmente o único caminho saudável a seguir.”

O Dr. Gaudiani acrescenta que, com base no que ela observou em seus pacientes, regras estritas como as que ela sugeriu seriam um alívio para muitos atletas. A pressão desapareceria, a vantagem competitiva desapareceria e a normalização da magreza desapareceria.

A pressão para codificar limites estritos de IMC está ativa. o IFSC está planejando mais discussões na próxima Assembleia Geral do XIX IFSC em Cingapura.

Como falar com atletas em risco

Nem todos mundo reagirá calorosamente ao ser confrontado com preocupações relacionadas a um possível distúrbio alimentar. Alguns podem negar. Outros podem se recusar a ouvir. Mas como alguém que teve um distúrbio alimentar, posso dizer que sempre há uma pequena parte daqueles que sofrem que quer confrontada – que precisa. Se ninguém o confronta sobre seu distúrbio alimentar, parece que você recebeu a confirmação de que o está fazendo é normal e saudável, o que só serve para progredir no problema.

O Dr. Gaudiani incentiva a fazer perguntas abertas. “Diga: ‘Estou preocupado com você. O que está acontecendo?’ E depois é só fazer uma pausa”. Ela sugere fazer isso em um espaço seguro – não em público. Se a pessoa não estiver pronta para falar sobre isso, ela sugere dizer: “Não vou pressioná-lo. Mas só quero compartilhar com você que conheço você e estou preocupado. Eu sei que você não está se cuidando. Isso me parece um distúrbio alimentar. Eu sei que isso é sério. Espero que consiga ajuda e estarei aqui se quiser conversar.

Embora os colegas de equipe não devam se sentir responsáveis por salvar outros  alpinistas, pais e treinadores precisam tomar a iniciativa, especialmente para pessoas que ainda são crianças legalmente, diz o Dr. Gudiani. Ela sugere dizer: “Tenho uma responsabilidade pelo seu bem-estar. E o que estou vendo é que você está fora de sua curva de crescimento e seu corpo é muito magro. Acompanhei você a vida toda; Eu sei onde, geneticamente, seu peso deveria estar. Estou observando seus comportamentos alimentares e você não está alimentando como um atleta precisa alimentar. Isso não apenas coloca você em risco de uma doença mental que acarreta uma taxa de mortalidade extremamente alta, mas também traz muito sofrimento e, em última instância, afetará seu desempenho como atleta. Então vamos obter avaliação de um especialista.”

Como nota final: Esteja informado e desconfie de preconceitos. Os profissionais médicos são tão suscetíveis ao viés de tamanho internalizado quanto qualquer outra pessoa. Falando por mim, tive indícios claros de uma distúrbio alimentar por anos e, no entanto, vários médicos me disseram que eu estava bem. Eles viram um atleta famoso, um aluno de honra nota 10, um modelo pitoresco dos ideais de corpo americanos. Eles não viram meu sofrimento porque seus preconceitos não permitiam isso.

A anorexia nervosa carrega a maior taxa de mortalidade de qualquer doença mental, perdendo apenas para o transtorno do uso indevido de opioides. Os transtornos alimentares são a terceira doença crônica mais comum entre os adolescentes. Dependendo da gravidade, há muitos efeitos colaterais irreversíveis a longo prazo.







Acompanhe o Rocky Mountain Games Pedra Grande 2024 ao vivo