Em fevereiro de 2006, Robert Hewitt estava mergulhando perto de Mana Island, na costa da Ilha Norte da Nova Zelândia. Hewitt era um experiente instrutor de mergulho da marinha, com 20 anos de serviço, e durante um mergulho longe da costa disse a seu colega que voltaria nadando. Quando tentava voltar para a terra, ele foi puxado por uma  forte corrente. O barco usado para o mergulho já havia ido embora e Hewitt ficou sozinho, a maré empurrando-o cada vez mais longe da costa.

Em uma edição da revista Diving and Hyperbaric Medicine, uma equipe de pesquisadores liderada pela fisiologista Heather Massey, da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, observa mais de perto o que aconteceu em seguida: a deterioração progressiva de Hewitt nos próximos quatro dias e três noites, como ele sobreviveu e o que aconteceu depois de seu eventual resgate. É uma pesquisa interessante de uma situação extrema que a maioria de nós espera nunca vivenciar.

O interesse de Massey não é puramente teórico. Na época do estudo do caso ela estava treinando para nadar no Canal da Mancha, o que exige imersão prolongada em água gelada. Ela também levou para casa uma medalha de ouro no Campeonato Mundial de Gelo no ano passado, em temperaturas de apenas alguns graus acima de zero, e ajudou os nadadores britânicos de águas abertas a se prepararem para as Olimpíadas do Rio.

O desafio mais angustiante enfrentado por Hewitt era a temperatura da água de 16 a 17 graus Celsius, bem abaixo da temperatura do corpo. De acordo com modelos fisiológicos, quando a temperatura da água é de 15 graus Celsius, o tempo médio de sobrevivência é entre 4,8 e 7,7 horas. Surpreendentemente, Hewitt passou as próximas 75 horas na água, indo e voltando a uma distância de quase 64 quilômetros antes de ser visto por amigos de mergulho da Marinha e resgatado.

+ 9 livros clássicos de aventura e sobrevivência
+ 5 gambiarras que podem salvar a sua vida

Em geral, a imersão em água fria produz uma resposta de quatro estágios. A primeira é a “resposta ao choque frio” que desencadeia “um suspiro inspiratório, hiperventilação incontrolável, hipertensão e aumento da carga de trabalho cardíaco”. Se você não está preparado para isso, essa reação de choque pode fazer com que você inale a água e se afogue. Hewitt tinha duas defesas-chave contra o choque frio: estar usando uma roupa de neoprene e já ter um histórico de mais de mil mergulhos anteriores, o que acabou enfraquecendo a resposta ao choque inicial.

Após o choque frio, que atinge seu pico em 30 segundos e diminui após alguns minutos, o próximo estágio de imersão é o resfriamento muscular periférico. Para cada 1 grau Celsius que seus músculos esfriam, seu poder muscular máximo cai em cerca de 3%. Isso significa que você pode perder a capacidade de nadar antes que seu núcleo fique realmente hipotérmico. Hewitt de fato perdeu a capacidade de nadar em alguns pontos durante sua provação – às vezes porque perdeu a consciência -, mas continuava flutuando com a cabeça acima da água.

O terceiro estágio é o resfriamento profundo do corpo, que afeta a função física e mental e, eventualmente, resulta em perda de consciência e, em seguida, morte. Ninguém mediu a temperatura de Hewitt até que ele foi enrolado em cobertores e recebeu bebidas quentes depois de seu resgate. Naquele ponto, era 35,7 graus Celsius, o que não é particularmente baixo. Ele teve alguns episódios de confusão e desorientação que sugerem que ele estava na fronteira da hipotermia, mas é difícil ter certeza.

Um fator-chave que ajudou a evitar a hipotermia foi o fato de que Hewitt é (nas palavras dos pesquisadores) “um homem grande e musculoso”; de 1,80 m e 98 kg. Para cada aumento de 1% na gordura corporal, você diminui sua taxa de perda de calor em 0,1 grau Celsius por hora – um grande coisa quando você é exposto por 75 horas. Hewitt também tentou manter a posição fetal, o que minimiza a perda de calor e prolonga o tempo de sobrevivência em água fria.

O quarto e último estágio de imersão, se você chegar tão longe, é a fase de “circum-rescue”. É bastante comum as pessoas entrarem em colapso durante o resgate, graças em parte à mudança de pressão quando você deixa a água e a forte reação do sistema nervoso à ideia de ser resgatado. Com isso em mente, os socorristas de Hewitt o mantiveram na horizontal para manter o fluxo sanguíneo no cérebro e lhe deu “encorajamento verbal” para continuar lutando por sua vida.

+ O que acontece com o corpo em um desafio de natação de longa distância
+ Três maneiras maneiras de adaptar o corpo a situações extremas

Claro que a água fria não era o único desafio em jogo. Apesar da água em todos os lugares, a desidratação é um problema sério – na verdade, a compressão da roupa e a pressão da água desviam o sangue para o seu núcleo, o que estimula a micção, mesmo quando você já está desidratado. A orientação prática em situações como esta é que você deve evitar beber no primeiro dia; Isso irá desencadear mudanças hormonais que fazem o seu corpo começar a conservar a água. Depois disso, tente beber meio litro por dia. Hewitt usou sua máscara de mergulho para coletar a água da chuva, mas isso estava muito abaixo de suas necessidades. Quando ele foi resgatado, ele bebeu um litro e meio de água, em seguida, recebeu outros seis litros de soro por via intravenosa.

A imersão prolongada na água do mar, juntamente com a fricção da roupa de mergulho e das barbatanas, danificaram bastante a pele de Hewitt. Quando encontrado, “seu corpo estava coberto de piolhos do mar alimentando-se de sua pele macerada”. E depois há o desafio psicológico, tanto durante quanto depois da situação. No terceiro dia, ele estava pensando em suicídio, mas conseguiu continuar lutando contra a ideia.

Podemos extrair alguma lição da provação de Hewitt? Bem, vestindo uma roupa de mergulho e pesando mais de 90 quilos obviamente ajudou, mas esses não são tópicos particularmente úteis. Permanecer na posição fetal – às vezes conhecida como “postura de diminuição do escape de calor”, foi uma boa ideia. Em última análise, a lição mais difícil, e a que o próprio Hewitt agora espalha como defensor da segurança na água, é que ele não deveria ter se exposto a uma situação como essa. Em vez de mergulhar sozinho, ele deveria ter abortado o mergulho e se juntado a outro grupo ou, pelo menos, usado uma boia de marcação de superfície para marcar sua posição. “De certa forma, Rob quase contribuiu para a sua própria morte”, disse o líder da equipe de resgate. “Ele conseguiu sobreviver por alguns atalhos.”

Ainda assim, às vezes dá tudo errado. E se isso acontecer, a outra grande lição a ter em mente é que, desafiando todos os efeitos fisiológicos, Rob Hewitt sobreviveu por impressionantes 75 horas sozinho na água fria. Se você se encontrar em uma situação assim, não desista.