InícioCorridaComo o consumismo no esporte pode afetar nosso desempenho - e o...

Como o consumismo no esporte pode afetar nosso desempenho – e o bolso!

Nem tudo que a gente ama fazer é sempre uma grande diversão. Às vezes é cansativo, intenso, e nesse caso, até meio doloroso, mas manter isso atrelado a um bom planejamento pode ser um pouquinho menos complicado. Lembro que, quando decidi correr eu levei quase duas semanas para de fato pisar no asfalto e começar a treinar. Eu ficava sempre presa a ideia de que deveria ter um tênis adequado, uma roupa certa para atividade física e, eu não estava completamente errada, mas a verdade é que eu poderia muito bem começar com o que eu já tinha. E hoje lembrar disso me faz pensar em como o consumismo no esporte pode afetar não apenas nosso desempenho, mas também o nosso bolso.

+ A importância de ter um grupo de corrida e ocupar espaços

+ Meio Maratonista: o pontapé inicial para correr os primeiros 5 km

+ Itacaré terá primeiro Centro de Treinamento de Surf do Norte-Nordeste do Brasil

Esse final de semana assisti ao documentário “Lorena, la de pies ligeros” (2019) de Juan Carlos Rulfo, e me encantou muito conhecer a história da ultramaratonista, Lorena Ramírez, que é considerada uma das figuras mais inspiradoras atualmente. Além das suas inúmeras competições e vitórias, o que chama bastante atenção nela é seu look nada comum nas maratonas: saias floridas e bem coloridas, e nos pés, um par de sandálias de borracha.

Assim que eu comecei a assistir e tive essa primeira visão dela, logo lembrei daquelas quase duas semanas que eu não sai para correr por não ter um tênis adequado. E também refleti sobre como é bizarro a gente sempre querer mais e mais utensílios, roupas, tênis, apps, quando na verdade a regra é básica: roupas leves e tênis. Não acho que as coisas devem ser feitas na ansiedade, é sempre muito bom contar com aquilo que é útil para praticar esportes e atividades físicas no geral, mas também considero importante refletir um pouco sobre até que ponto isso é bom, e quando passa a ser um consumismo exagerado e desnecessário. Ainda mais quando paramos pra pensar que, apesar do esporte ser para todos, na teoria, na prática ele muitas vezes não é tão acessível assim.

Os costumes e a cultura de um povo vem a partir do que é disponibilizado e ensinado, sejam coisas boas ou ruins, o mundo vai se estruturando e se adequando dessa forma. Eu acredito que tudo é político se você der importância suficiente para aquele tema. E isso não tem nada a ver com partidos políticos, mas sim, com políticas públicas (ou a falta delas), sobre determinadas classes e seus privilégios (ou a falta deles).

No documentário isso fica bem claro, e é por isso que, apensar de curtinho (um pouco mais de 28 minutos), ele consegue ser tão forte e inspirador. E é tão legal ver que ela, apesar de ser tão nova, ainda mantêm as tradições dos corredores indígenas da tribo (cujo o nome pode ser traduzido como “aqueles com pés ligeiros”), que inclusive são conhecidos mundialmente pelo seu grande desempenho em corridas de longa distância.

Em abril de 2017 a corredora de apenas 22 anos, ficou em primeiro lugar na corrida UltraTrail Cerro Rojo, que aconteceu em Puebla, onde contou com a participação de 500 atletas de 12 países. Mesmo sem treinamento, roupas e equipamentos que julgamos adequados, Lorena finalizou o percurso em sete horas e 3 minutos usando uma saia e um par de huaraches, uma sandália com sola de pneus.

Na semana passada eu falei um pouco sobre a importância de ocupar espaços e tornar o esporte o mais acessível possível para todos, e sempre baterei nessa tecla, independente da pauta que eu levantar aqui. Ocupar esses espaços significa inspirar outras pessoas, mostrando que elas podem pertencer àquele lugar, e assim a mudança vai aos pouquinhos sendo feita.

Para essa semana a minha dica é pensar em como o seu consumo dentro desse nicho tem sido, e como isso pode afetar não somente a você mesmo, mas o mercado no geral (e como isso consequentemente nos afeta). E se você, assim como eu lá no comecinho, ainda está procrastinando começar a correr (ou fazer qualquer outra coisa) por não ter os “itens adequados”, tenta começar com o que você tem, as chances delas servirem muito bem para esse início são altas.

Acho que o ponto principal é por na balança suas prioridades e ir se adequando conforme a sua condição naquele momento. Fazer um bom planejamento pode ser o primeiro passo para atingir suas metas, mas não esquece de colocar os pés até aonde você alcança.

No domingo retrasado, eu fui correr com a galera do Vem Com Nois (grupo que eu corro junto todo domingo), e diferente dos corres anteriores, que costumamos correr 3km, nós corremos 5km. Eu estava super animada, não me sentia muito cansada, então topei o desafio. Queria também fazer esse teste drive antes de me inscrever em algum evento de corrida e saber como meu corpo reagiria, então eu fui.

Bom, não preciso enrolar muito em dizer que eu preciso treinar mais. Apesar de não te sido tão puxado, já que vamos dando algumas pausas durante todo o trajeto, e também tem música e o apoio de todo mundo, o saldo da corrida foi perceber que o meu corpo ainda não se adaptou completamente ao ritmo da corrida, e acho que pela primeira vez eu senti que correr é incrível, mas também pode ser muito doloroso.

Apesar disso eu não desisti, na verdade me deu mais gás para treinar mais e me empenhar mais nessa tarefa. Uma coisa que tem me ajudado bastante é utilizar uma planilha de treino! Nela eu consigo ver os dias que devo fazer musculação, os dias que devo correr (incluindo o tempo de caminhada e de corrida) e claro, os dias de descanso que são bem importantes para o corpo e o desempenho. Essa que eu utilizo é bem legal, porque você coloca sua meta de corrida e ele te dá o plano de treino de acordo com o tempo que você escolher atingir a meta.

Outra coisa que gosto bastante de usar é um aplicativo para contabilizar a quilometragem que eu fiz em cada treino, incluindo o tempo, o ritmo e etc. O que eu gosto de usar é o da Adidas Running, além de registrar sua corrida, você pode colocar outros esportes; consegue encontrar vários eventos de corrida, além de poder encontrar uma comunidade de corrida no mundo todo. O app está disponível para iOS e Android.

Bom, acho que eu não preciso mais apontar nesse texto que realmente dá pra começar a correr com o básico, até porque, começar a correr significa ir aos poucos, fazendo seu corpo se acostumar com a rotina, o ritmo e a intensidade. Mas colocar metas são fundamentais para manter a constância e o ritmo, e é por isso que em novembro eu correrei meus primeiros 5km oficialmente na W21k, a única meia-maratona exclusiva para mulheres da América Latina. Além do percurso de 21km, para os iniciantes, assim como eu, tem também os percursos de 5km e 10km. Mas até lá, vocês vão poder acompanhar toda a experiência aqui, até que eu cruze a linha de chegada.

-Publicidade-
Meio Maratonista
Meio Maratonista é a nova coluna da Go Outside, sobre as vivências da repórter Evelyn Rachid, uma corredora amadora rumo à sua primeira meia maratona da vida. Textos novos toda semana.