Carne da China pode ter substâncias proibidas, avisa Wada a atletas de Pequim-2022

Por Redação

Carne da China pode ter substâncias proibidas, avisa Wada a atletas de Pequim-2022 | Go Outside
Foto: Shutterstock

A Agência Mundial Antidoping (Wada) alertou os atletas que vão participar dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 em Pequim para “exercer extrema cautela” ao consumir carne na China, devido à alta probabilidade de contaminação com substâncias proibidas.

+ Jogos de Inverno 2022: Tudo o que você precisa saber sobre as Olimpíadas de Pequim
+ Veja os 11 atletas que vão representar o Brasil nos Jogos de Inverno 2022

Um porta-voz da Wada destacou que os atletas devem apenas “comer em locais autorizados pelos organizadores do evento”, de acordo com o Inside The Games, site de notícias olímpicas do jornalista britânico Duncan Mackay. Os alimentos da Vila Olímpica serão adequados, informou também a organização.

A Agência adverte que a carne na China é conhecida por conter baixos níveis do esteroide clembuterol, o que pode levar a um resultado positivo no teste como PED (medicamento para melhorar o desempenho).

+ EUA, Canadá e Reino Unido fazem boicote aos Jogos de Inverno da China

A Agência Nacional Antidoping da Alemanha também já havia alertado os atletas de sua delegação para evitar a carne chinesa a todo custo e encontrar alternativas enquanto estiverem na China.

No entanto, a organização de Pequim-2022 deverá ter um controle restrito dos atletas devido à pandemia. Os membros das delegações não poderão sair do “sistema de gerenciamento de circuito fechado”, ou seja, não será possível ir a restaurantes que não estejam dentro da “bolha olímpica”.

A Wada afirma que os organizadores e o governo tem “a responsabilidade de garantir que a carne disponibilizada para os atletas não esteja contaminada”.

Em 2016, a Associação Chinesa de Natação emitiu um alerta para dois nadadores que testaram positivo para clenbuterol e, no mesmo ano, um relatório mostrou que carne de porco contaminada havia sido vendida a 27 varejistas em Hong Kong, segundo informações do veículo local South China Morning Post.

-Publicidade-