As duas coisas que os nômades digitais realmente sentem falta nos escritórios tradicionais

As duas coisas que os nômades digitais realmente sentem falta nos escritórios tradicionais
Foto: Pexels

Não é segredo que muitas pessoas estão trocando a vida no escritório pela liberdade de trabalhar em qualquer lugar do mundo. Um estudo de 2022 descobriu que 16,9 milhões de americanos se identificaram como nômades digitais, e esse número só vai crescer à medida que o trabalho remoto continua a transformar o local de trabalho. Países como Croácia, Espanha, Portugal e Barbados oferecem vistos específicos de nômade digital que permitem que você viva, trabalhe e viaje, geralmente por até um ano.

+ O melhor dos dois mundos: 4 trilhas que te levarão à praias lindas no litoral de SP

+ As melhores estratégias para criar bons hábitos

+ Hang Loose Pro Contest: brasileiros dominam títulos

Dito isso, embora as experiências e memórias de ser um nômade digital sejam uma grande vantagem, esse tipo de estilo de vida também exigiria algum ajuste. Desde trabalhar em diferentes fusos horários até barreiras linguísticas e conexão de internet pouco confiável, é importante lembrar que ser um nômade digital não é simplesmente navegar.

O CoworkingCafe pesquisou mais de 820 nômades digitais para determinar o que eles mais sentem falta nas configurações tradicionais de escritório. Muitos nômades digitais normalmente trabalham em espaços não convencionais, como cafeterias ou saguões de hotéis, que não são criados pensando no tipo de escritório.

Adicione isso ao fato de que muitas outras pessoas tentarão se conectar à Internet ao mesmo tempo, 51% dos entrevistados disseram que sentem falta de uma conexão Wi-Fi confiável. Impressoras e scanners foram citados como o segundo recurso de escritório mais esquecido, com 38% das pessoas dizendo que ter acesso frequente a esses itens facilitaria seu trabalho.

Tendo isso em mente, quando questionados sobre seus níveis de satisfação com sua configuração de trabalho atual, a grande maioria (56%) dos nômades digitais entrevistados foi neutra. Apenas 18 por cento disseram que estavam satisfeitos com sua configuração e 26 por cento revelaram que estavam insatisfeitos com seu ambiente de trabalho. Como resultado, 38% dos trabalhadores disseram que estavam procurando um espaço de coworking para melhor atender às suas necessidades de trabalho.

Quanto às opções que valorizariam os espaços de coworking, a flexibilidade de horário foi o fator mais procurado. Espaços de coworking que ficam abertos até tarde – ou até 24 horas – são ótimas opções para quem trabalha em fusos horários diferentes (por exemplo, um nômade digital que trabalha na Espanha e tem sede em Los Angeles).







Acompanhe o Rocky Mountain Games Pedra Grande 2024 ao vivo