Áreas do Brasil são incluídas pela Unesco em Rede Mundial de Geoparques

Por Redação

Rede Mundial de Geoparques
Situado entre os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, Caminhos dos Cânions do Sul abrange uma área de 2.830,8 km². Foto: Shutterstock.

Na última semana, a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) anunciou a inclusão de oito novos sítios na Rede Mundial de Geoparques, e dois estão localizados no Brasil.

Leia mais

+ 6 parques nacionais para conhecer de bicicleta

+ 4 destinos de natureza e aventura para curtir na América do Sul

+ Será que este aparelho vai nos salvar da obsessão por nossos smartphones?

São eles: o Geoparque Caminhos dos Cânions do Sul, situado entre os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul; e o Geoparque Seridó, localizado no Rio Grande do Norte.

Com as novas inclusões, a Rede Mundial de Geoparques reúne agora 177 áreas em 46 países. A lista da UNESCO reconhece patrimônios geológicos que apresentam extraordinária relevância em diversidade biológica e cultural para o mundo.

Além disso, os geoparques atendem as comunidades locais, combinando a conservação de seu patrimônio geológico único com o acesso público e o desenvolvimento sustentável.

A cada dois anos, o Conselho Executivo da Unesco se reúne em assembleia para a escolha de novas áreas. Neste ano, além dos geoparques situados no Brasil, também foram incluídos na Rede: Platåbergens (Suécia), Kefalonia-Ithaca (Grécia), Ries (Alemanha), Salpausselkä (Finlândia), Mëllerdal (Luxemburgo) e Buzău Land (Romênia).
Geoparque Seridó

Localizado no estado do Rio Grande do Norte, o sítio está inserido em um bioma rico em biodiversidade e abrange uma área de 2.800 km² no semiárido nordestino. Abriga mais de 120 mil habitantes, incluindo comunidades como os quilombolas, que mantêm viva a memória de seus ancestrais escravizados da África para preservar sua cultura por meio de práticas tradicionais, museus e centros culturais.

O geoparque é um testemunho dos últimos 600 milhões de anos da história da Terra e abriga uma das maiores mineralizações de scheelita da América do Sul, um importante minério de tungstênio, além de fluxos de basalto decorrentes da atividade vulcânica durante as Eras Mesozoica e Cenozoica. Essa geodiversidade determina em grande parte a biodiversidade única da região, caracterizada especialmente pela caatinga (“floresta branca”, na língua tupi), uma ecorregião marcada por flora subtropical específica.

A caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro, o que significa que grande parte de seu patrimônio biológico não pode ser encontrado em nenhum outro lugar do planeta.

Rede Mundial de Geoparques
Geoparque Seridó é um testemunho dos últimos 600 milhões de anos da história da Terra e abriga uma das maiores mineralizações de scheelita da América do Sul. Foto: Shutterstock.

Geoparque Caminhos dos Cânions do Sul

Situado entre os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, abrange uma área de 2.830,8 km² e abriga 74.120 habitantes. É caracterizada pela Mata Atlântica, um dos ecossistemas mais ricos do planeta em termos de biodiversidade. Os habitantes pré-colombianos da área costumavam se abrigar em paleotocas (cavidades subterrâneas escavadas pela extinta megafauna paleovertebrada, como a preguiça gigante), cujos numerosos vestígios ainda são visíveis no geoparque.

Além disso, o local apresenta os cânions mais impressionantes da América do Sul, formados pelos processos geomorfológicos únicos que o continente sofreu durante a dissolução do supercontinente Gondwana, há cerca de 180 milhões de anos.

Com informações de CicloVivo.

-Publicidade-