Uma nova teoria sobre o efeito anticâncer do exercício físico

Por Alex Hutchinson, da Outside USA

exercício câncer

No ano passado, um grupo internacional de oncologistas do exercício publicou uma grande revisão da literatura sobre exercício e câncer. As notícias eram boas, embora não surpreendentes. O exercício físico regular reduz o risco de desenvolver uma longa lista de cânceres, em alguns casos em 10 a 25%; e se você tiver câncer, o exercício melhora a qualidade e, possivelmente, a duração esperada da sua vida.

Mas houve uma omissão notável da revisão. Os especialistas não tinham muita certeza de como ou por que o exercício tem um efeito tão poderoso nas células que causam o câncer. Existem muitas teorias que envolvem coisas como níveis hormonais, açúcar no sangue, inflamação crônica e estresse oxidativo, mas ninguém reuniu todas as peças.

+ Café antes do treino faz mal e desidrata o corpo?
+ Cientistas descobrem proteína que imita os efeitos do exercício físico

É nesse contexto que um artigo de opinião da revista Trends in Cancer apareceu recentemente, de um grupo liderado por Peter Biro, da Universidade Deakin, na Austrália. Biro e seus colegas propõem uma nova teoria na qual a ligação entre exercício e câncer é explicada pelo que eles chamam de “capacidade energética”. Em suma, as pessoas em forma são capazes de aumentar e sustentar altos níveis de consumo de energia, o que lhes permite montar uma resposta imunológica mais robusta quando as células cancerígenas atacam e também as ajuda a resistir aos efeitos de desgaste da energia dos tumores que recebem um ponto de apoio.

Essa é uma teoria difícil de testar experimentalmente, mas os pesquisadores exploram quatro previsões que seguem sua ideia sobre exercício e câncer.

Todos temos uma capacidade energética diferente

Isso pode parecer um acéfalo, mas vale a pena explicar o que eles querem dizer com capacidade energética. Nós obtemos nossa energia dos alimentos; portanto, em teoria, você pode pensar que, se for preciso calorias extras para combater o câncer, você pode comer mais alguns sanduíches. Porém, como argumentou um artigo recente de Herman Pontzer e John Speakman, há limites para quanta energia nosso corpo pode processar. Você simplesmente não pode queimar 10.000 calorias por dia, não importa o quanto tente comer.

Também está claro que algumas pessoas podem queimar mais energia que outras e que essas diferenças são em parte herdáveis. Isso significa que, se você estiver em uma situação em que seu corpo precisa de toda a energia que pode obter e precisa sustentar essa produção por dias ou semanas, algumas pessoas serão capazes de lidar com esse desafio melhor do que outras.

Sua capacidade energética está vinculada à sua taxa metabólica

Biro e seus colegas se concentram em dois dados para capacidade energética, uma vez que é impraticável medir o consumo total de energia por longos períodos de tempo. Um deles é o VO2 máximo, a medida-padrão de resistência aeróbica, à qual ele se refere como “taxa metabólica máxima”. O outro é a taxa metabólica de repouso, que é basicamente a taxa na qual você queima calorias quando está dormindo.

Curiosamente, eles argumentam que os dois estão intimamente ligados, apesar de estarem em extremos opostos do espectro. Se você é uma máquina de resistência, seu motor – os órgãos envolvidos na conversão de alimentos em energia, como coração, pulmões, fígado e intestino – é maior e requer mais energia para manter, mesmo quando está ocioso. O artigo cita uma série de estudos anteriores, em animais e humanos, mostrando que a taxa metabólica em repouso está correlacionada com a taxa metabólica máxima.

O exercício causa (e é causado por) alta capacidade energética

Ninguém lendo isso precisará de muita convicção de que o exercício regular aumenta seu VO2 máximo e permite que você mantenha saídas de energia mais altas por períodos mais longos. Isso é chamado de treinamento. Mas há também evidências apontando na outra direção, tanto em humanos quanto (mais convincentemente) em roedores. Se você nasceu com um metabolismo alto, é mais provável que gaste seu tempo girando a roda de exercício no canto da gaiola ou acumulando KOMs no Strava.

É certo que a evidência é um pouco menos clara aqui. Alguns estudos descobriram que o treinamento de resistência não afeta a taxa metabólica de repouso, o que entra em conflito com a ideia de que as taxas metabólicas de repouso e máxima estão ligadas. Ainda assim, a conexão geral entre exercício e capacidade energética – em ambas as direções – parece clara.

Alta capacidade energética ajuda a combater o câncer

Este é o cerne da discussão. As células cancerígenas desencadeiam uma resposta imune que tenta impedir que essas células se transformem em um câncer invasivo. Essa resposta imune custa energia, e os tumores que recebem apoio também sugam quantidades substanciais de energia. Esses custos de energia, de acordo com a nova teoria, são tão altos que podem levar sua capacidade energética ao limite.

A evidência para esta afirmação vem principalmente de roedores. Por exemplo, quando os ratos seguem um programa de exercícios antes de induzir o câncer, eles são capazes de produzir mais células imunes em resposta, e é menos provável que o câncer se desenvolva. Por outro lado, o exercício logo após ser infectado produz uma resposta imunológica mais baixa, provavelmente porque você não tem energia suficiente para os dois desafios.


Conclusão 

É assim que as peças da nova teoria se encaixam. Embora não haja testes diretos do argumento geral, existem algumas dicas intrigantes espalhadas por toda a literatura. Por exemplo, quando o VO2 máximo foi medido em 1,3 milhão de homens suecos quando adolescentes, aqueles que obtiveram maior pontuação tiveram 20% menos probabilidade de morrer mais tarde de câncer. Obviamente, isso também pode ocorrer porque os indivíduos mais aptos têm maior probabilidade de continuar se exercitando ao longo da vida e isso teve algum outro efeito sobre a inflamação ou estresse oxidativo ou açúcar no sangue ou o que seja. Não há informações para a hipótese de capacidade energética aqui.

Ainda assim, é uma ideia interessante, com algumas implicações possíveis. Uma é que a quantidade ideal de exercício para fins de saúde depende do seu nível atual de condicionamento físico, pois você não deseja usar toda a sua capacidade energética em seus treinos. Mais nem sempre é melhor. Para ser justo, a maioria dos treinadores descobriu isso há muito tempo, embora os atletas nem sempre ouçam.

Outra implicação é que sua aptidão real é mais importante do que a quantidade de exercícios que você faz. Isso se encaixa com uma ideia endossada pela American Heart Association há alguns anos: que os médicos devem verificar rotineiramente (ou pelo menos estimar) o VO2 máximo de seus pacientes da mesma forma que verifica a pressão arterial.

Ele também faz paralelo com os dados do National Runners ‘Health Study mostrando que um tempo de corrida de 10 km é um indicador melhor de futuras doenças cardíacas do que a quantidade de treinamento que você faz. Isso faz da teoria de Biro uma daquelas ideias nas quais sou tentado a acreditar, mesmo que a evidência ainda não esteja lá, porque me dá a sacudida de que preciso quando estou saindo pela porta para correr. O objetivo não é acertar o relógio e acumular um certo número de horas de treinamento – é ficar mais rápido amanhã do que hoje.

-Publicidade-