No meu conceito, uma praia perfeita é aquela de areias limpinhas e fofas, rodeada por montanhas verdes de mata atlântica, mar claro com aquelas ondas convidativas, um riachinho cristalino numa das pontas e uma cachoeira seguindo aquela trilhinha no canto da praia. Se você concorda, a Ponta da Joatinga, no litoral norte do Rio de Janeiro, está bem perto do seu paraíso. Mas se o seu conceito de perfeição prevê um botequinho com um pagodinho e cerveja, não passe nem perto de lá. Veja como fazer a Travessia da Ponta da Joatinga:

+ Como fazer a Travessia do Saco das Bananas, em Ubatuba
+ Tudo sobre a Travessia Lapinha-Tabuleiro

Travessia da Ponta da Joatinga

Nível: **
Duração: 3 dias

1º dia

Prefiro começar essa caminhada de Parati, que na verdade começa com uma navegada. Do cais de Parati, não é difícil encontrar um barco que esteja indo pro Pouso da Cajaíba. Depois de duas horas e meia de viagem, com um belo visual, chega-se à praia do Pouso, de onde sai a trilha bem marcada pra Martins de Sá, que é uma das praias mais especiais desse circuito. Basta pedir informação pra qualquer caiçara e eles te indicarão como pegar a trilha, que é um subidão e depois um decidão no meio da mata, que geralmente dura uma hora e meia.

Praia Martins de Sá

Do lado do mar aberto da Ponta da Joatinga, Martins de Sá tem boas ondas pro surf e é resguardada por um dos caiçaras mais legais e conscientes que eu conheço, o “seu” Maneco. Com sua família, ele mantém esse lugar preservado há anos, resistindo até a poderosos empreendimentos imobiliários, que queriam transformar o local em um megacondomínio de luxo. Ele mantém uma área de camping com banheiros sempre limpinhos, serve refeições e cuida para que sempre se tenha um clima de paz.

2º dia

É o dia mais puxado. Saindo de Martins de Sá, passa-se pela mini-praia de Cairuçú, onde começa uma bela subida no meio da mata, vencendo a serrinha da ponta Negra, para chegar à praia de mesmo nome, também muito bonita. Esse trecho até a praia de Ponta Negra leva geralmente umas sete horas. Abasteça o seu cantil antes da subida, hein? A praia de Ponta Negra é de tombo e fica recuada, entre costões de pedra. Hoje em dia existem campings e pequenos restaurantes que servem refeição, já que não é mais permitido acampar em nenhuma das praias.

Vista da Ponta Negra

3º dia

Passando o riozinho no canto da praia, pegue a trilha e siga até as praias de Antigos e Antiguinhos, que também são bem bonitas. Caminhando bem tranqüilo, não deve levar mais de duas horas. Achar a trilha geralmente não é difícil, mas, na dúvida, pergunte. Fique atento: existe um pocinho maravilhoso, seguindo o riozinho que corta a praia de Antigos, um pouco pra dentro do mato, com vista pra praia e tudo. Vale a pena a parada.

Após mais um morrinho de no máximo vinte minutos, avista-se a praia do Sono, já com bem mais gente, campings e surfistas, pois o acesso já começa a ficar mais fácil. No final da praia do Sono, continuando por uma trilha bem batida e larga, chega-se finalmente ao povoado de Laranjeiras, vizinha de Trindade, de onde sai um ônibus, que volta para Parati. Não deixe pra voltar à noite, pra não correr o risco de perder o último ônibus.

Como fazer a Travessia da Ponta da Joatinga – Dica

Não se esqueça de levar o repelente, pois como em todo lugar isolado, os borrachudos imperam. Apesar de dar pra contar com as refeições nos feriados, leve também guloseimas e coisas pra comer ao longo da trilha. Em geral, os campings do percurso cobram em torno de R$ 10 por pessoa para acampar. E o mais importante: respeite sempre a cultura local e não poupe esforços pra preservar esse lugar como ele é. Não se esqueça de levar sempre o seu lixo embora. Apesar da falta de apoio da prefeitura, seu Maneco leva todo o lixo de volta pra Parati, no seu barco, auxiliado pela contribuição financeira dos freqüentadores da praia. E olha que tem feriados, que são várias viagens.

Vai nessa

Quem tem como ponto de partida São Paulo há duas opções de caminho. Uma delas é seguir pela SP-055 (Rio-Santos) direto até Parati. Outra opção é seguir até Taubaté pela BR-116 (Rodovia Presidente Dutra) e de lá pegar a SP-125 até Ubatuba. Em Ubatuba segue-se pela SP-055 (Rio-Santos) até Parati. Para quem vem do Rio de Janeiro a melhor alternativa é pegar a BR-101 até Parati. De São Paulo a Parati são 306 quilômetros. Do Rio de Janeiro até lá são 263 quilômetros.

Plano B

A Pisa Trekking tem saídas frequentes para a travessia da Joatinga. Leve apenas seu saco de dormir. Guias, barrracas, transporte e alimentação é por conta deles.

-Publicidade-