Testamos: Polar Grit X Pro

Por Andrea Estevam

Polar Grit X Pro
A Polar é consagrada por suas tecnologias de monitoramento e análise de treinos. Foto: Reprodução.

Acaba de chegar às lojas a nova versão do relógio “aventureiro” da Polar, o Polar Grit X – agora batizado Polar Grit X Pro. Levei ele para uns rolês pela montanha, em corridas de trilha. A seguir, conto um pouco o que mais gostei no modelo.

+ A nossa seleção de presentes de natal para você se aventurar por aí
+ Viagens de férias de verão: 11 ilhas no Litoral Norte de SP
+ 5 equipamentos e acessórios para você começar no ciclismo de estrada

A Polar já é consagrada por suas tecnologias de monitoramento e análise de treinos, e o Grit X Pro carrega os recursos mais avançados da marca nessa área. Era o mínimo que se poderia esperar, já que esse é um dos modelos top de linha da Polar. Você pode escolher entre mais de 100 modalidades esportivas (sério) e acompanhar as métricas específicas de cada uma, contando com um sensor de frequência cardíaca e um GPS afiadíssimos, além de testes de potência, VO2 máximo e de recuperação das pernocas.

Mas o Grit Pro X se define como um relógio outdoor, e é essa “camada” de funções que quisemos avaliar com mais atenção. O que mais gostei foram os recursos de navegação: você pode importar rotas ou usar uma rota que tenha feito previamente. Quando começa a fazer uma rota, o relógio te dá instruções bem claras de caminho e – gostei disso – te mostra onde você está no perfil altimétrico. É ao mesmo tempo divertido e desesperador você se ver no meio de uma piramba enorme, progredindo a passinhos de tartaruga. É também útil: dá pra ver se logo à frente tem uma subida dura ou se é hora de aguentar firme o cansaço porque logo vai ficar mais plano ou começar a descer. Caso mude de ideia no meio da rota, pode voltar para o ponto de partida (básico) ou engatar outra rota (novidade) sem ser castigada por isso (leia-se perder o que foi feito até ali por ter que iniciar outra rota).

Para treinos mais longos, o recurso FuelWise te lembra de comer e beber, algo útil para dias de quebradeira. E as funções de economia de energia fazem a bateria durar até 100 horas – algo bom tanto para grandes expedições quanto para pequenas memórias que sempre esquecem de recarregar o relógio. No modo GPS normal, que monitora também frequência cardíaca e mais algumas métricas, a bateria vive honestas 40 horas. Também curti os botões generosos, para dedos suados e apertões em movimento. Funcionam super bem (muito melhor que o modo touchscreen, que achei um dos pontos fracos do modelo).

Daria para escrever mais oito parágrafos sobre todos os recursos e funções do Polar Grit X Pro, mas não sou das mais geeks; quero apenas um relógio que torne meus treinos em trilha mais seguros, divertidos e memoráveis, e as funções acima fazem isso. Curti! Quando recebi o modelo para teste, babei no visual lindão, chique, e achei que se tornaria meu relógio único; na prática, porém, tenho usado ele para os treinos de corrida e bike na montanha. Para as corridinhas no parque, acabo preferindo meu outro relógio mais simples e leve. Afinal, trata-se de saber que brinquedos levar para cada playgrond, certo? E o Grit X Pro definitivamente é para a aventura.

Polar Grit X Pro
R$ 4.599,00
www.polar.com

-Publicidade-