Terra terá recorde de inundações devido à órbita da lua

Por Redação

Terra terá recorde de inundações devido à órbita da lua, diz NASA
Imagem: Marcus Dall Col/Unsplash

A partir da próxima década, as “oscilações” na órbita da Lua, somado o aquecimento global, devem fazer a Terra bater recorde de inundações, segundo cientistas da NASA. O fenômeno também vai tornar os alagamentos costeiros muito piores.

Quando a oscilação iniciar, as cidades costeiras podem repentinamente começar a inundar três ou quatro vezes mais do que agora, de acordo com uma pesquisa da NASA e da Universidade do Havaí. As informações são da IstoÉ Dinheiro.

Leia mais

+ Voos para superlua e “lugar nenhum” esgotam em tempo recorde

+ Como a tecnologia da NASA pode ajudar a salvar os tubarões-baleia

No estudo, os cientistas previram que a oscilação da lua causaria grupos crescentes de inundações que afetariam muito a vida e danificariam a infraestrutura em cidades costeiras que se aclimataram a inundações mais brandas e menos frequentes.

Esta oscilação lunar é um ciclo completamente natural que já se arrasta por eras e continuará a acontecer por muito tempo depois de nossa partida. A órbita da Lua cria períodos de marés mais altas e mais baixas de acordo com um ritmo de cerca de 18,6 anos.

O que o torna perigoso desta vez é o fato de que o nível do mar está subindo graças aos efeitos das mudanças climáticas e das emissões descontroladas de gases de efeito estufa. Portanto, quando o próximo período de amplificação das marés começar no início de 2030, as enchentes resultantes provavelmente serão piores, mais constantes e mais perigosas do que nunca.

“Um efeito cumulativo ao longo do tempo terá um impacto”, disse o pesquisador da Universidade do Havaí e principal autor do estudo, Phil Thompson, em um comunicado à imprensa.

“Se inundasse 10 ou 15 vezes por mês, a empresa não conseguiria continuar operando com um estacionamento subaquático. As pessoas perdem seus empregos porque não podem trabalhar. Poços de água vazando se tornaram um problema de saúde pública.”

-Publicidade-