Praticar um esporte outdoor pode ser comparado à meditação?

Por Brad Stulberg, da Outside USA*

Foto: Shutterstock.

Correr, caminhar ou escalar, ou qualquer outro esporte outdoor que praticamos, pode ser comparado à meditação?

Outro dia, estava em Blue Ridge Mountains (cadeia montanhosa localizada na costa leste dos EUA) com Ananda, minha cadela pastor alemão. O auge da temporada de folhagem se aproximava aqui em Asheville, na Carolina do Norte, o que significa cores magníficas e clima frio. Era um passeio no meio da semana, no meio do dia, então as trilhas estavam vazias: éramos apenas eu, o cachorro, a floresta baixa e as montanhas acima. Por um momento, talvez até mesmo alguns segundos preciosos, fui presenteado por um refúgio após o tumulto com o lançamento do meu novo livro. Minha mente se acalmou e entrei em um estado simples. Foi maravilhoso. Não foi, no entanto, meditação – pelo menos eu acho.

Esta é uma pergunta muito comum que recebo na minha prática de coaching e, embora possa ser feita no contexto de qualquer tipo de atividade física – de qualquer tipo, na verdade – para mim, há uma resposta clara: correr é correr. Caminhar é caminhar. Escalar é escalar. E meditação é meditação. Isso não quer dizer que essas atividades não compartilhem pontos em comum. Pelo contrário. E há dois grandes em particular.

Todas elas podem acalmar sua mente e permitir que você entre em um estado de fluxo, no qual seu ego, ou o sentido de um eu separado, dissolve-se à medida que você se funde com sua atividade e ambiente. Neste ponto, não há mais separação entre você como corredor ou caminhante; há apenas a corrida ou a caminhada acontecendo. Não há você separado como alpinista; há apenas escalada acontecendo. Não há você separado respirando; há apenas a respiração acontecendo.

Todas essas atividades também oferecem desafios ou desconfortos que podem ajudá-lo a aprender a separar o que está acontecendo da consciência do que está acontecendo. Na corrida ou na caminhada, você aprende a observar as pernas queimando à medida que se cansam, sem se deixar levar pela sensação. Na escalada, você aprende a observar sua pegada cansativa sem se assustar com isso. Na meditação, você aprende a observar todos os tipos de pensamentos, sentimentos e impulsos sem se envolver neles.

Ambas as semelhanças são altamente benéficas. No primeiro, você experimenta uma união pacífica e sedativa com o universo. Na segunda, você aprende que é muito mais do que qualquer pensamento ou sentimento; você ensina a si mesmo a se tornar o oceano que contém todos os tipos de ondas.

Parte do que separa a meditação dessas outras atividades, porém, é que na maioria das formas de meditação você não recebe ajuda de nenhuma atividade externa. É só você e sua respiração. Muitas pessoas enxergam isso como chato e tedioso e, assim, ficam impacientes e inquietas: ótimo! A prática é lidar com esses sentimentos. Outras pessoas lutam sem ter um objetivo explícito, um lugar para ir. Excelente! A prática é lidar com essa luta. Não há nada para distraí-lo. Você está realmente sozinho.

Aprender a ficar quieto e sozinho, e segurar o que quer que surja no seu caminho, é uma forma de crescimento e força pessoal que é distinta da atividade física; assim como a atividade física tem seu próprio valor para o seu ser, que é distinto da meditação.

Tanto a meditação quanto a atividade física são ótimas. Isso deve ser suficiente por si só. Não há necessidade de compará-las.

* Brad Stulberg escreve sobre desempenho e bem-estar na coluna Do It Better, da Outside USA. Ele também é o autor best-seller de The Practice of Groundedness e cofundador da The Growth Equation.

Leia mais

+ 7 dicas para aliviar a ansiedade usando a meditação
+ 9 dicas para montar sua playlist para correr
+ Mindfulness para correr melhor: veja como aplicar

-Publicidade-