Pedir comida por delivery com frequência faz mal, diz estudo

Por Redação

pedir comida
Imagem Shutterstock

Pode ser por cansaço, por falta de ideias criativas, por não ter os ingredientes em casa… Mas a verdade é que pedir comida por delivery nunca foi tão atrativo. Com muitas opções de aplicativos e promoções, é difícil resistir. O Brasil é responsável sozinho por 48% do mercado de delivery na América Latina, segundo o site Statista. em 2020. Com a pandemia, cresceram não apenas o número de pessoas que optam por pedir comida, mas aumentou a frequência com que trocam cozinhar pelo delivery.

Leia também:

+ Pandemia reduz a alimentação saudável do brasileiro, aponta pesquisa

+ Nutricionista ensina 8 ideias de marmita para facilitar sua vida

O problema é que toda essa praticidade pode estar sabotando sua saúde e longevidade, como sugere um novo estudo no Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics.

Os pesquisadores analisaram dados de pouco mais de 35.000 adultos em um período de 15 anos do National Health and Nutritional Examination Survey, um grande esforço de pesquisa sobre os hábitos alimentares dos EUA e resultados de saúde.

Focando na frequência das refeições compradas prontas, eles encontraram associação com esse hábito e maior incidência de doenças cardiovasculares e câncer em comparação com aqueles que preparavam a maior parte das refeições em casa. E a mortalidade precoce foi maior entre aqueles que comiam em restaurantes ou fast food com muita frequência – duas ou mais refeições por dia.

Embora os autores do estudo concluam que mais pesquisas precisam ser feitas sobre por que isso pode ser o caso, pesquisas anteriores fornecem algumas pistas. Por exemplo, um estudo publicado no início de 2020 sugeriu que menos de 0,1% das refeições em restaurantes eram de qualidade ideal, conforme definido pela American Heart Association (AHA). Em outras palavras, essas refeições não seguiram as diretrizes da AHA de incluir uma variedade de vegetais, frutas, grãos integrais, feijões, legumes, peixes, aves, nozes e produtos lácteos com baixo teor de gordura e limitar bebidas açucaradas, doces, carnes processadas e outros alimentos altamente processados.

Há várias dicas que podem ajudar a pedir comida com menos frequência. Veja três estratégias que podem ajudar você a comer melhor sem gastar tanto tempo no dia a dia.

1 – Use atalhos inteligentes: tenha na geladeira e no freezer verduras e legumes pré-preparados. Você mesmo pode preparar os ingredientes dividindo-os em porções e cortando-os com antecedência, mas usar vegetais congelados é uma opção totalmente válida para agilizar sua vida com poucas perdas nutricionais. Saladas pré-lavadas em pacote também economizam tempo.

2 – Congele refeições: você pode tirar um dia da semana para preparar comida, como deixar feijão pronto ou carnes e legumes assados. Outra dica é dobrar a porção e congelar uma parte para os dias mais corridos. Se realmente tempo é um problema, é possível fazer melhores escolhas ao pedir comida. Existem diversas opções de marmitas saudáveis que atendem todos os perfis de dieta, de veganos a low carb, de pequenos empreendedores que têm criado pacotes bem atraentes. Assim você consegue garantir uma refeição equilibrada sem ter que apelar para fast food ou comidas preparadas com excesso de gordura ou sal.

3 – Simplifique: a praticidade de pedir comida é imbatível, mas existe muitos pratos que podem ser feitos mais rápido do que a entrega do delivery. Algumas ideias: ovos mexidos com tomate, arroz e salada; frango grelhado com cuscuz marroquino e legumes; macarrão integral com atum ou sardinha. Batata recheada é uma boa também: acelere o cozimento usando o microondas, e capriche nas verduras do recheio, como queijo e espinafre ou tomate e parmesão.

 

-Publicidade-