Novo sensor permite detectar Alzheimer com 17 anos de antecedência

Novo sensor permite detectar Alzheimer com 17 anos de antecedência
Foto: Pixabay

No Brasil, cerca de 1,2 milhão de pessoas vivem com alguma forma de demência e 100 mil novos casos são diagnosticados por ano. Ter Alzheimer significa perder progressivamente a função mental, caracterizada pela degeneração do tecido do cérebro. Como tal, a detecção precoce é fundamental no seu tratamento, mas isso nem sempre é possível.

+ Alzheimer: Colesterol “bom” protege organismo contra condição, diz estudo

+ Dicas para você se tornar um excelente parceiro de escalada

+ Colisão em Uluwatu. Assista ao vídeo

Agora, uma equipe de pesquisadores alemães desenvolveu um novo sensor capaz de identificar sinais da doença no sangue 17 anos antes de se manifestar nos primeiros sintomas clínicos.

De acordo com um comunicado de imprensa da instituição responsável, o dispositivo detecta o dobramento incorreto do biomarcador de proteína beta-amiloide que causa depósitos característicos no cérebro.

O pesquisador Klaus Gerwert, diretor fundador do Centro de Diagnóstico de Proteínas (PRODI) na Ruhr-Universität Bochum, referiu que o objetivo desta pesquisa é determinar o risco das pessoas desenvolverem a demência de Alzheimer numa fase posterior, com um simples teste sanguíneo mesmo antes das placas tóxicas se poderem formar no cérebro. Com isso, será possível assegurar uma terapia atempada.

Os pesquisadorees analisaram o plasma sanguíneo retirado dos participantes entre 2000 e 2002 e depois congelado. Nessa altura, os participantes ainda não tinham sido diagnosticados com a doença de Alzheimer.

Os pesquisadores selecionaram então 68 indivíduos que tinham sido diagnosticados com a doença de Alzheimer durante os 17 anos em que foram seguidos e compararam-nos com 240 indivíduos que estavam no mesmo sistema de controle, mas que não tinham sido diagnosticados com a doença.

O seu objetivo era descobrir se os sinais da doença de Alzheimer já podiam ser encontrados nas amostras de sangue no início do estudo.

Os pesquisadores combinaram então a concentração beta-amiloide e GFAP para aumentar ainda mais a precisão do teste na fase sem sintomas. Agora a equipe tem planos muito ambiciosos para o seu novo dispositivo.

A equipe de cientistas planeia utilizar o teste de diagnóstico de deformação para estabelecer um método de rastreio para pessoas idosas e determinar o seu risco de desenvolver demência por Alzheimer. Segundo Gerwert, esta é a visão da startup betaSENSE, um projeto cujo objetivo é parar a doença numa fase sem sintomas antes que ocorram danos irreversíveis.

Os resultados do estudo foram publicados na revista Alzheimer’s Association.

-Publicidade-