O que diz o novo relatório do clima de 3.600 páginas da ONU

Por Wes Siler, da Outside USA

O que diz o novo relatório do clima de 3.600 páginas da ONU | Go Outside
Foto: Shutterstock

O último relatório do clima da Organização das Nações Unidas (ONU) é claro: as mudanças climáticas estão aqui, estão impactando a todos e são perigosas. Há algo que possamos fazer?

Em 2004, a empresa de relações públicas Ogilvy and Mather teve uma ideia. Ao transferir a culpa pelas emissões de carbono das gigantescas corporações de combustíveis fósseis para os ombros dos indivíduos, poderia ajudar seu cliente, a BP, a escapar da culpa pela destruição ambiental que estava causando. O resultado foi uma calculadora pessoal de pegada de carbono – um sucesso estrondoso. Da noite para o dia, a demanda pelos chamados produtos verdes cresceu, à medida que os consumidores começaram a se perguntar quais medidas poderiam tomar para evitar as mudanças climáticas.

+ 6 filmes para ensinar crianças e adolescentes sobre mudanças climáticas

No entanto, o novo relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (IPCC) fornece evidências contundentes de que nossos esforços em relação ao clima não tiveram sucesso. Em linguagem chocantemente sincera, o material conclui que os efeitos das mudanças climáticas já estão impactando todo o planeta em um grau desastroso, ameaçando tanto os sistemas naturais quanto os criados pelo homem, em que a vida humana depende. E só vai piorar.

Embora o sexto relatório de avaliação do IPCC deixe claro que cada fração de grau de aquecimento global que evitamos é crucial para limitar a gravidade do desastre iminente do nosso clima, e que reduzir as emissões é a única maneira de conseguir isso, ele conclui que ultrapassamos o ponto em que podemos esperar evitar totalmente o desastre. Resultado: agora devemos nos adaptar às mudanças. O documento exige que os governos mundiais construam resiliência e reduzam o risco para suas populações.

Relatórios científicos massivos como este são escritos em linguagem seca que é cuidadosamente examinada para evitar qualquer potencial de imprecisão. Os cientistas dizem “Nós achamos” em vez de “Nós sabemos” e muitas vezes usam números incompreensíveis ​​e gráficos densos para descrever coisas que, no mundo real, podem ser dramáticas e perigosas.

O desastre climático é seu próprio grande exemplo: um aumento de 1,5 graus Celsius em relação às médias globais pré-industriais é ruim, mas suportável; mas com um aumento de 2 graus Celsius ou mais, nosso planeta se tornará irreconhecível, se não inabitável, pelo menos para alguns de nós.

Meio grau não soa como nada demais. Então, que tal, em vez disso, a frase que o secretário-geral da ONU, António Guterres, usou para descrever as descobertas do relatório do clima? Ele o chamou de “um atlas do sofrimento humano”.

Dados do relatório

Aqui está um pouco dessa linguagem seca e cuidadosamente examinada do próprio relatório:

“As mudanças climáticas causaram danos substanciais e perdas cada vez mais irreversíveis em ecossistemas marinhos terrestres, de água doce e costeiros e de oceano aberto (alta confiança). A extensão e magnitude dos impactos das mudanças climáticas são maiores do que o estimado em avaliações anteriores (alta confiança). A deterioração generalizada da estrutura e função do ecossistema, resiliência e capacidade de adaptação natural, bem como mudanças no tempo sazonal ocorreram devido às mudanças climáticas (alta confiança), com consequências socioeconômicas adversas (alta confiança).”

Escrito por 270 pesquisadores de 67 países e aprovado por 195 governos nacionais, o relatório do clima de 3.600 páginas da ONU descreve os impactos práticos das mudanças climáticas, tanto aqueles que já estamos vivenciando quanto aqueles que ocorrerão à medida que o planeta continuar aquecendo. Os líderes mundiais concordaram com um limite de 1,5 graus Celsius, mas para alcançá-lo, praticamente todas as emissões de gases de efeito estufa precisariam ser eliminadas até 2050. Já estamos em 1,1 graus, e a ciência diz que, a menos que uma mudança maciça em todo o mundo ocorre quase imediatamente, um aumento de dois ou três graus é mais provável até o final do século.

E mesmo que consigamos limitar o aquecimento a 1,5 graus Celsius, essa nova avaliação do IPCC descobre que ainda estamos bem ferrados. “Ações de curto prazo que limitam o aquecimento global a cerca de 1,5°C reduziriam substancialmente as perdas e danos projetados relacionados às mudanças climáticas em sistemas e ecossistemas humanos, em comparação com níveis mais altos de aquecimento, mas não podem eliminá-los todos”, diz.

O relatório explica que, atualmente, 3,5 bilhões de pessoas em todo o mundo já estão sendo forçadas a se adaptar às mudanças climáticas. Áreas altamente povoadas do Irã, Paquistão e Índia já estão ficando quentes demais para sustentar a vida humana. Pelo menos cinco ilhas povoadas no Oceano Pacífico já foram perdidas devido à elevação do nível do mar. Em 2019, tempestades e inundações deslocaram mais de 13 milhões de pessoas na África e na Ásia.

+ Quais drogas irão sobreviver às mudanças climáticas?

Mas enquanto os efeitos da mudança climática estão sendo sentidos de forma desproporcional nos países em desenvolvimento que contribuíram menos para ela, o desastre climático está chegando para nações desenvolvidas também.

“Mesmo que o aquecimento global seja limitado a 1,5°C, a vida humana, a segurança e os meios de subsistência em toda a América do Norte, especialmente nas áreas costeiras, serão colocados em risco pelo aumento do nível do mar, tempestades severas e furacões (confiança muito alta)”, diz o texto. Ele também relata que o risco de produção de alimentos na América do Norte, abastecimento de água, saúde humana, atividade econômica, infraestrutura e ecossistemas são todos muito altos.

Quão ruim tudo vai ficar? O relatório chega a comparar os efeitos do desastre climático na América do Norte neste século com os efeitos da colonização europeia sobre os povos indígenas. “As recentes mudanças relacionadas ao clima representam ameaças culturais semelhantes às que ocorreram quando a colonização europeia começou nas Américas, há mais de 500 anos”, diz. Novamente, isso vem direto da linguagem científica seca e cuidadosamente examinada do relatório.

O que nós podemos fazer?

“Se queremos lidar com os perigos do clima e reduzir os riscos para as pessoas e ecossistemas decorrentes das mudanças climáticas, temos que nos adaptar”, conclui o relatório. Ele continua recomendando mudanças abrangentes em todo o mundo que incluem a restauração de zonas úmidas, o uso do conhecimento indígena, a mudança de onde vivemos, a modificação da infraestrutura existente e a construção de novas e muito mais.

O texto também conclui que mesmo uma adaptação vasta, cara e difícil não será suficiente, a menos que também alcancemos essa adaptação eliminando as emissões de gases de efeito estufa. “A adaptação é essencial para reduzir os danos, mas, para ser eficaz, deve andar de mãos dadas com reduções ambiciosas nas emissões de gases de efeito estufa, porque com o aumento do aquecimento, a eficácia de muitas opções de adaptação diminui”, conclui o relatório.

Preocupantemente, a avaliação continua reconhecendo que retificar tudo isso simultaneamente será um desafio sem precedentes. “Em resumo: ambição, escopo e progresso na redução dos riscos climáticos estão aumentando, mas não o suficiente”, diz. “De acordo com nosso novo relatório, o mundo está atualmente despreparado para os próximos impactos das mudanças climáticas, particularmente além de 1,5°C de aquecimento global”.

+ Turismo Sustentável: 7 maneiras de fazer com que sua viagem melhore o mundo

“A escolha não é entre transformar ou não mais”, disse Edward R. Carr, um dos autores do relatório, ao The New York Times. “A escolha é: escolhemos as transformações que quisermos? Ou somos transformados pelo mundo em que vivemos por causa do que fizemos com ele?”

Esta é uma boa pergunta. E um questionamento que eu acho que se aplica tanto ao indivíduo quanto à sociedade como um todo. Cada um de nós deve esperar que os mesmos governos e corporações que falharam em evitar o desastre climático decidam como nossas vidas serão transformadas, ou vamos em frente e começamos a transformá-las nós mesmos? Assim como costumávamos nos perguntar o que poderíamos fazer para evitá-lo, é hora de começar a nos perguntar: “Como estou me preparando para o desastre climático?”

-Publicidade-