Por que mulheres estão colocando alho na vagina?

Mulheres estão colocando alho na vagina
Foto Shutterstock

Uma lida rápida nos Trend Topics do Twitter está tomando a atenção de algumas mulheres por causa da hashtag #vaginaisanogarliczone (“vagina é uma zona sem alho”, em tradução livre). Mas, espera um minuto. As mulheres estão colocando alho na vagina? A resposta (chocante!) é: SIM.

Um tweet da ginecologista Jennifer Gunter, dos Estados Unidos, foi o que levantou o debate sobre essa atitude um tanto estranha – e nada segura! – na rede social. Isso porque ela contestou a informação de que alho é um bom remédio caseiro para tratar infecções fúngicas, como a candidíase.

Afinal, alho na vagina ajuda a curar estes problemas?

Por mais que o alho seja um alimento muito elogiado por suas propriedades medicinais, entre elas antiinflamatórias e antibióticas, isso não se aplica à saúde da vagina.

Gunter explica que colocar no canal vaginal corpos estranhos que não foram projetados para este fim pode fazer muito mal – ainda que seja algo “natural”. Além disso, o composto dissulfeto de dialila, principal responsável pelo cheiro e aroma do alho, pode causar queimaduras químicas, bolhas e dermatite alérgica de contato (eczema) na pele. Por que, então, você colocaria isso na vagina?

Leia mais

Mulheres estão colocando vegetais na vagina para induzir menstruação
Mulheres fazem “raspagem vaginal” para remover vestígios de ex
Vaporização vaginal: entenda tudo sobre a prática

“Meu conselho: não aceite nenhuma orientação médica de quem recomenda usar alho na vagina para tratar candidíase”, escreveu a profissional no Twitter.

Em resposta às pessoas que dizem ter usado e comprovado a eficácia dessa técnica, Gunter aponta o efeito placebo como razão. Trata-se de uma ideia que seu cérebro tem para convencer seu corpo de que um tratamento falso é real e, com isso, estimular a cura. “O efeito placebo é forte. Se você acha que colocar alho na vagina vai te fazer se sentir melhor, você pode muito bem se sentir melhor temporariamente”, concluiu.

-Publicidade-