Movimento dos braços na corrida: qual é a posição correta?

Por Alex Hutchinson, da Outside USA

Movimento dos braços na corrida: qual é o correto e quais são os efeitos - Go Outside
Foto: Shutterstock

No século IV a.C., o filósofo grego Aristóteles estabeleceu alguns princípios-chave do movimento dos braços na corrida. “Os corredores correm mais rápido se balançarem os braços”, escreveu. “Existe na extensão dos braços uma espécie de apoio às mãos e aos pulsos.” Os treinadores modernos explicam isso de forma um pouco diferente, mas eles ainda acreditam que “bombear” os braços é uma chave importante para correr rápido.

Os cientistas, por outro lado, tiveram mais dificuldade em concordar exatamente por que balançamos nossos braços e se existem maneiras específicas de usar nossos braços para acelerar. A mais recente adição a um século de pesquisas muitas vezes conflitantes aparece na revista Gait & Posture, de Lance Brooks, estudante de doutorado na Southern Methodist University, junto com Peter Weyand da SMU e Kenneth Clark da West Chester University.

+ Como respirar corretamente na corrida
+ O fortalecimento para cada tipo de corrida

Movimento dos braços na corrida para velocistas

O estudo de Brooks faz uma pergunta simples: quão rápido você pode correr sem seus braços? A velocidade do sprint depende de quanta força você pode aplicar no solo. É fácil imaginar que, como Aristóteles sugeriu, balançar os braços ajuda de alguma forma a colocar seu corpo em uma posição melhor para fincar o pé com força no chão. É por isso que, como Brooks e seus colegas apontam, “na comunidade do atletismo… exercícios de braço projetados para melhorar o desempenho da corrida são comumente prescritos”. Mas essa prescrição é baseada em evidências?

Brooks recrutou sete atletas de atletismo e dez atletas de esportes coletivos, a maioria jogadores de futebol com alguns outros esportes misturados. Eles realizaram uma série de corridas de 30 metros com movimento normal dos braços ou com os braços cruzados sobre o peito. Os atletas de esportes coletivos iniciaram em pé, mas os atletas de pista partiram de blocos. Para começar a partir de blocos na posição de braços cruzados, os pesquisadores montaram plataformas elevadas em ambos os lados dos blocos para que pudessem começar equilibrados nos cotovelos.

Veja como eram as várias posições. O início do bloco está no topo, o início em pé está no meio, o passo completo está na parte inferior. Os braços normais estão à esquerda, os braços cruzados à direita.

Movimento dos braços na corrida - Go Outside
Imagem: Gait & Posture

Ok, agora falando sério: quão bem você acha que se sairia em um sprint de 30 metros a partir da posição inicial B? Toda a configuração é tão estranha que é uma conclusão precipitada que o sprint normal será muito mais rápido. Mas os resultados não são tão claros. Os atletas de pista tiveram uma média de 4,55 segundos com os braços e 4,63 sem. Os atletas de esportes coletivos tiveram médias de 5,01 e 5,08 segundos. No geral, a diferença foi de 1,6%, o que não é nada no mundo da corrida de elite, mas ainda é surpreendentemente pequeno. Para comparação, a variação entre sprints repetidos na mesma condição foi entre 1% e 2%.

Além disso, os atletas ainda estavam melhorando no sprint de braços cruzados. Eles correram em cada condição três vezes, e a análise estatística mostrou que sua terceira tentativa de braços cruzados foi geralmente mais rápida que a segunda tentativa. É muito possível que eles tenham diminuído ainda mais a lacuna com mais prática. “Claramente”, escrevem Brooks e seus coautores, “se o balanço normal do braço de alguma forma se traduzisse em velocidade para a frente como amplamente concebida, nossos participantes não seriam capazes de correr tão rápido na condição de braço restrito”.

Se balançar os braços não te deixa mais rápido, então por que todo mundo faz isso? A resposta padrão é que o balanço do braço neutraliza o momento angular – isto é, a torção do corpo para frente e para trás – produzido pelo movimento das pernas. Sem ele, você tem problemas para se manter de frente, o que não é ideal para correr em linha reta ou, digamos, perseguir um antílope. Nos corredores de Brooks, quando seus braços estavam restritos, eles giravam seus torsos para frente e para trás para neutralizar a rotação da parte inferior do corpo. Portanto, o balanço do braço não é a única maneira de equilibrar o momento angular, mas é a mais simples e óbvia.

Movimento dos braços na corrida para atletas de resistência

Para corredores de longa distância, a questão relevante é diferente. A velocidade máxima de sprint é menos importante do que a economia de combustível: economiza energia para balançar os braços em comparação com, digamos, girar o tronco para frente e para trás? A essência geral da pesquisa passada é que sim. Por exemplo, um estudo de 2014 de Christopher Arellano e Rodger Kram descobriu que é preciso 3% mais energia para correr com as mãos atrás das costas, 9% mais para correr com as mãos cruzadas no peito e 13% a mais com a mão na cabeça.

Isso parece entrar em conflito com algo que os pesquisadores da Nike me disseram quando eu estava relatando o projeto de maratona Breaking2 da empresa em 2016 e 2017. Um dos esquemas que eles consideraram para acelerar seus corredores foi fornecer a eles o que equivalia a uma camisa de força: uma tipoia que sustentava seus antebraços e os mantinha dobrados perto do peito.

Testes com o ex-corredor de elite Matt Tegenkamp e outros mostraram uma economia significativa de energia – mas eles pareciam engraçados (“como um T-rex” e “como os Três Patetas” são duas das descrições de que me lembro), e Tegenkamp odiou. A ideia foi descartada. (Recentemente, pedi mais detalhes a alguns pesquisadores da Nike, mas eles não puderam comentar.)

A Nike não era a única empresa interessada nessa ideia. Kram e Arellano conversaram com as pessoas que registraram este pedido de patente em 2013 para uma “roupa de apoio do antebraço” projetada para economizar a energia “desperdiçada” mantendo os braços a 90 graus. Veja como era o dispositivo:

Movimento dos braços na corrida - Go Outside
Imagem: US patent application 2015/0208736

Tanto quanto eu posso dizer, esses slings visam obter o melhor dos dois mundos: seus braços podem balançar naturalmente para frente e para trás para equilibrar o momento angular de suas pernas, mas você não precisa gastar energia para mantê-los lá ou balançá-los. Esse conceito do balanço do braço sendo movido passivamente pelo movimento da parte inferior das pernas, em vez de ativamente movido pelos músculos do braço e do ombro, tem algum apoio, por exemplo, neste estudo de 2009 do grupo de Daniel Lieberman em Harvard.

Portanto, não há conflito inerente entre a ideia de que (a) balançar os braços permite que você corra com mais eficiência do que restringir deliberadamente o movimento dos braços, mas (b) deixar os braços balançarem enquanto estão presos por uma tipoia economiza ainda mais energia na corrida. Se essa teoria é realmente verdadeira, até onde sei, não foi demonstrado em qualquer literatura revisada por pares.

Supondo que você não queira correr em uma camisa de força, você pode tomar essas várias linhas de evidência como prova final de que você não deve se preocupar em pensar ou trabalhar em seu balanço de braço. Mas há mais uma reviravolta a considerar. Em animais de quatro patas, os movimentos alternados dos membros durante a corrida são coordenados em parte por “geradores de padrões centrais” na coluna, nos quais o movimento de um conjunto de membros desencadeia ciclicamente o movimento do outro conjunto.

Não está claro o papel que esses geradores de padrões ainda desempenham em humanos, já que corremos em dois membros. Mas há algumas evidências sugestivas de pesquisas sobre como ensinar as pessoas a andar novamente após um derrame. Por exemplo, um estudo de 2004 descobriu que indivíduos em um stepper reclinado eram capazes de ativar mais fibras musculares em suas pernas quando “bombeavam” seus braços opostos.

Qual é o movimento certo dos braços na corrida?

Brooks e seus colegas também são cautelosos em descartar prematuramente os benefícios do trabalho com os braços: “Não podemos excluir a possibilidade de que orientar ou direcionar padrões de movimento específicos envolvendo os braços possa fornecer benefícios indiretos”, escrevem eles, “particularmente em atletas mais jovens e em desenvolvimento”.

No final, prevalece o bom senso: ninguém, inclusive eu, vai sugerir que devemos parar de balançar os braços porque não foi comprovado que isso nos torna mais rápidos. Mas como alguém cujo movimento de braço desajeitado sempre atraiu uma porção generosa de conselhos não solicitados, sinto algum conforto em toda essa pesquisa. Se correr sem balançar o braço apenas diminui sua velocidade de sprint em 1,6% ou aumenta seu consumo de energia em 3%, quão ruim poderia ser meu movimento de braço simplesmente desajeitado?

-Publicidade-